Subscribe Twitter Twitter

7 de janeiro de 2011

Ora et Labora

Orar sempre envolve esforço. Quer seja a luta contra a nossa indisposição natural de buscar a presença de Deus, ou o submetermos àquilo que Ele quer nos dar. Oração nunca é entregar-se à ociosidade. Existe uma errônea idéia de que se orarmos e entregarmos a Deus o que estamos pedindo, então podemos cruzar os braços e folgar! É claro que quando oramos devemos entregar-nos para que o nosso Senhor Jesus cuide de todas as nossas ansiedades, preocupações e angústias, todavia, a soberania de Deus não anula a responsabilidade humana.

Lembremos que Neemias organizou o povo quando percebeu a ameaça da conspiração de Sambalá e Tobias. A sua estratégia envolvia o projeto de reedificação dos muros de Jerusalém e uma defesa contra o ataque dos adversários. A Escritura menciona que "ajuntaram-se todos ali de comum acordo para virem atacar Jerusalém e suscitar confusão ali. Porém, nós oramos ao nosso Deus e, como proteção, pusemos guarda contra eles, de dia e de noite" (Ne 4:8-9). A sabedoria que Deus concedeu a Neemias o levou a reconhecer que Ele estava no controle de tudo, mas, apesar disto eles não se fizeram negligentes. Não pararam a construção, nem baixaram a guarda contra os seus inimigos, pelo contrário, tornaram-se mais cautelosos ainda, sob a direção do Senhor.

Com isto em mente, pergunto: se você não estiver disposto a esforçar-se por aquilo que pede, como pode esperar que Deus o faça? Como você quer que o Senhor lhe abençoe se você for um irresponsável, agindo com negligência nos teus afazeres? Ou, vivendo com omissão nos teus deveres? Como você pode pedir que Deus converta muitas pessoas se não abre a sua boca, e não testemunha coerentemente do evangelho? Como é possível orar por boas notas, ou aprovação num teste ou concurso, se não se dedica a estudar? Saiba que Deus não abençoa o erro, mesmo que seja com sinceridade. Não é proveitoso para o seu crescimento orar e confiar que Deus pode abençoar, se você não quer se comprometer. Aquilo que é tua responsabilidade, Ele não irá realizar!

Sabemos que tudo é pela graça de Deus, não merecemos nada dEle! Alguém disse: oração exige orar e ação! Por isso, entendo que Paulo tenha admoestado os cristãos de Filipos dizendo: "assim, pois, amados meus, como sempre obedecestes, não só na minha presença, porém, muito mais agora, na minha ausência, desenvolvei a vossa salvação com temor e tremor; porque Deus é quem efetua em vós tanto o querer como o realizar, segundo a sua boa vontade" (Fp 2:12-13). Mas, não nos esqueçamos de que o nosso labor é obediência e não mérito pessoal. Por isso, concordo com a máxima de João Calvino: ora et labora, ou seja, ore e se esforce!

5 comentários:

William disse...

Olá Rev.! Excelente artigo.

Sou concurseiro, por isso tenho pedido a Deus que me capacite para absorver o conhecimento necessário para a aprovação. Mas não só isso. Peço serenidade para ententer aquilo que não posso mudar e coragem para mudar aquilo que Deus permite que eu mude. Creio que Deus nos instrui em sua palavra fazendo conhecer a Sua vontade; permite que levamos nossos pedidos a Ele por meio da oração; e, então, forja a nossa personalidade através de nosso comportamento, tando pelo SIM como pelo NÃO aos nossos pedidos. Assim, de uma forma ou de outra somos abençoados.

Alan Rennê disse...

Rev Ewerton,

Texto precioso! Realmente, por vezes tendemos a esquecer nosso papel na santificação. São muitas as vezes que pedimos a Deus coisas como paciência, mansidão, domínio próprio e achamos que, "zás", num passe de mágica receberemos o que pedimos. Ou então, imaginamos que Deus abrirá a nossa "cachola" e enfiará a paciência lá dentro. Esquecemo-nos de que, de acordo com o apóstolo Paulo, as tribulações são os meios usados por Deus no processo de nos tornar mais perseverantes e pacientes.

Um grande abraço!

Anônimo disse...

Pastor, parabéns pelo artigo. Assim como eu, espero que várias pessoas possam a partir de agora orar e se esforçar mais, para a honra e glória do nosso Senhor.

Ass: Isabelle.

Alan Kleber Rocha disse...

Parabéns pelo post, Ewerton!

Precisamos orar reconhecendo nossa total dependência de Deus, entendo porém, que aquilo que nos compete Ele não fará.

Abraços,

Ana Carolina disse...

Olá Rev. Ewerton
O falso evangelho que tem sido pregado por aí dá a impressão de que devemos reinvindicar de Deus o que achamos ser nosso "por direito", e que a oração é uma das chaves para isso. Que tremenda ofensa à soberania, infinita sabedoria e senhorio de nosso Deus!
De fato é Ele quem determina todas as coisas na vida tanto dos ímpios como dos crentes... o que nos difere é justamente o reconhecimento disto e a obediência a Deus. A oração é uma destas formas de sermos obedientes e esperarmos nEle confiadamente. Sem, lógico, nos esquecermos que devemos nos empenhar com diligência e suor para buscar o que anelamos. A soberania de Deus e a responsabilidade humana são verdades que andam de mãos dadas.