Subscribe Twitter Twitter

28 de dezembro de 2013

O QUE ESPERAR DO ANO NOVO?

Toda virada de ano promove, na maioria das pessoas, a reflexão por tudo aquilo que foi vivido no ano anterior. São os momentos reconstruídos na memória, principalmente aqueles que causaram dor, desconforto, frustração ou grande indignação. Isso mesmo, nossa tendência é sempre lembrar os momentos ruins e, consequentemente, procurar exorcizá-los para que não se repitam no novo ano que se inicia. Também somos tentados a pensar que tais momentos não deveriam ter acontecido, afinal de contas bênção é sempre associada à saúde plena, ao dinheiro fácil e ao conforto absoluto. Isso ocorre devido à nossa cultura do individual, do consumo e do hedonismo, ou seja, bênção é tudo que vai ao encontro do sistema capitalista, ausência de bênção é tudo o que vai de encontro deste sistema. Não é por este motivo que as igrejas que prometem solução imediata ao sofrimento crescem assustadoramente?

Mas se formos honestos com as Sagradas Escrituras veremos que não é este o sistema de Deus. É claro que a saúde, os bens de consumo e o conforto podem ser bênção do alto, mas as tribulações também o são dependendo do contexto.

Quando lidamos com a trajetória redentiva estabelecida por meio da aliança da graça divina percebemos que todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito, não importando se promovem o bem-estar ou o sofrimento do crente. O Senhor Deus preserva e governa soberanamente todas as coisas, incluindo seu plano redentivo. Logo, todos os seus eleitos estão incluídos neste plano perfeito para que toda a glória seja dada ao Todo-Poderoso. O autor de Hebreus demonstra um pouco do que argumento aqui:

E que mais direi? Certamente, me faltará o tempo necessário para referir o que há a respeito de Gideão, de Baraque, de Sansão, de Jefté, de Davi, de Samuel e dos profetas, os quais, por meio da fé, subjugaram reinos, praticaram a justiça, obtiveram promessas, fecharam a boca de leões, extinguiram a violência do fogo, escaparam ao fio da espada, da fraqueza tiraram força, fizeram-se poderosos em guerra, puseram em fuga exércitos de estrangeiros. Mulheres receberam, pela ressurreição, os seus mortos. Alguns foram torturados, não aceitando seu resgate, para obterem superior ressurreição; outros, por sua vez, passaram pela prova de escárnios e açoites, sim, até de algemas e prisões. Foram apedrejados, provados, serrados pelo meio, mortos a fio de espada; andaram peregrinos, vestidos de peles de ovelhas e de cabras, necessitados, afligidos, maltratados (homens dos quais o mundo não era digno), errantes pelos desertos, pelos montes, pelas covas, pelos antros da terra. Ora, todos estes que obtiveram bom testemunho por sua fé não obtiveram, contudo, a concretização da promessa, por haver Deus provido coisa superior a nosso respeito, para que eles, sem nós, não fossem aperfeiçoados. (Hebreus 11: 32 – 40)

E quanto a nós? O texto que segue se aplica aos eleitos contemporâneos:

Portanto, também nós, visto que temos a rodear-nos tão grande nuvem de testemunhas, desembaraçando-nos de todo peso e do pecado que tenazmente nos assedia, corramos, com perseverança, a carreira que nos está proposta, olhando firmemente para o Autor e Consumador da fé, Jesus, o qual, em troca da alegria que lhe estava proposta, suportou a cruz, não fazendo caso da ignomínia, e está assentado à destra do trono de Deus. Considerai, pois, atentamente, aquele que suportou tamanha oposição dos pecadores contra si mesmo, para que não vos fatigueis, desmaiando em vossa alma. (Hebreus 12: 1 – 3)

Por isso cada crente deve olhar para os sofrimentos do ano que se encerrou e se perguntar onde, neles, ocorreu o progresso do Reino e da minha esperança. Se 2013 foi ruim do ponto de vista do conforto e da prosperidade, certamente foi perfeito para o cumprimento da vontade de Deus.

Nossa oração deve ser submissa ao Senhor. Nossa súplica deve ser:

Senhor, livra-me de todo o sofrimento neste novo ano, mas se devo passar pelo dia mal, pelo vale da sombra da morte, então me fortalece e faça com que eu creia que Tu estás comigo em todos os momentos. Glorifica Teu Santo Nome na minha vida!”

Com este texto desejo um 2014 abençoado a todos, mesmo que esta bênção ocorra por meio do sofrimento e da perseguição.


Sola Scriptura.

2 comentários:

António Jesus Batalha disse...

Estou alegre por encontrar blogs como o seu, ao ler algumas coisas,reparei que tem aqui um bom blog, feito com carinho,posso dizer que gostei do que li e desde já quero dar-lhe os parabéns,decerto que virei aqui mais vezes.
Sou António Batalha.
Que lhe deseja muitas felicidade e saúde em toda a sua casa.
PS.Se desejar visite O Peregrino E Servo, e se o desejar siga, mas só se gostar, eu vou retribuir seguindo também o seu.

António Jesus Batalha disse...

Seu blog é encantador, estive a ver e ler algumas coisas, não li muito, porque espero voltar mais algumas vezes,mas deu para ver a sua dedicação e sempre a prendemos ao ler blogs como o seu. Se me der a honra de visitar e ler algumas coisas no Peregrino e servo ficarei radiante, se desejar pode deixar um comentário. Abraço.
António.