Subscribe Twitter Twitter

10 de novembro de 2011

O dEUS DO ABISMO!

Há dois artigos escritos por E. R. Kivitz em seu Blog “Outra Espiritualidade” que muito me chamaram a atenção . De início não posso negar a honestidade do autor em se associar ao subjetivismo pós-iluminista muito em moda hoje. Em sua inflamada crítica à Teologia Reformada, ele se agrega (sem nenhum constrangimento) à escritores que produziram, do ponto de vista teológico, o que eu chamo de lixo letrificado. São pessoas da laia de Marx, Nietzsche, Freud e Sartre. Sem contar os “outros caras do tipo” que fizeram minha mente vaguear por Michel Foucault, Wilhelm Reich, Claude Alzon, Jacques Lacan e por aí vai. Surpreendeu-me a forma como tais autores foram harmonizados em suas propostas teóricas quando, na verdade, travaram batalhas epistemológicas colossais.

O assunto central já é conhecido de todos por aquilo que se chama Teísmo Aberto, porém os artigos citados trazem uma colherada a mais ao asseverar que pessoas crédulas no que está em 1 Crônicas 29: 10 – 19 são: alienadascovardes e infantis. Se esta afirmação leviana atingisse apenas pessoas ínfimas e desconhecidas como eu, tudo estaria bem. O problema é que pessoas muito melhores foram atingidas. Dentre elas cito o Apóstolo Paulo que ousou afirmar: “Mas quem é você, ó homem, para questionar a Deus? ‘Acaso aquilo que é formado pode dizer ao que o formou: Por que me fizeste assim?’”. Ou Davi quando escreveu: ”Todos os dias determinados para mim foram escritos no teu livro antes de qualquer deles existir”. Nabucodonosor foi reduzido a um tolo quando exclamou: “Todos os povos da terra são como nada diante dele. Ele age como lhe agrada com os exércitos dos céus e com os habitantes da terra. Ninguém é capaz de resistir à sua mão ou dizer-lhe: ‘O que fizeste?’”. E Jó a um insano ao declarar diante da sua tragédia: “O Senhor o deu, o Senhor o levou; louvado seja o nome do Senhor”. Até o Salvador Jesus foi afrontado por dizer: “Não se vendem dois pardais por uma moedinha? Contudo, nenhum deles cai no chão sem o consentimento do Pai de vocês. Até os cabelos da cabeça de vocês estão todos contados.” Minha indignação cresce quando contrasto estas palavras do Senhor com a afirmação: “Muita gente procura em Deus o pai que nunca teve e ou gostaria de ter tido, isto é, aquele protetor e provedor incondicional, para quem se corre quando a vida faz careta.”. Embora haja ironia e desprezo por parte de Kivitz, foi assim que Deus se revelou, foi assim que Jesus o apresentou!

Quanto ao comentário “Não são poucos os que se apegam ao ‘fator Deus’ em busca de consolo para sua infelicidade na existência e sobrevivem do sonho do paraíso pós-morte, deixando a história entregue aos oportunistas”, não vejo como alguém pode “entregar” a história aos oportunistas por uma (pseudo) passividade paradisíaca. Aliás, esse discurso marxista com relação à História já passou do obsoleto, chegando às raias do inaceitável, pois a História não é um ente que se entrega a um espertalhão, mas é uma simples construção da memória. Em outras palavras, História não se faz no cotidiano cultural, mas se constrói por meio de pesquisa como atividade majoritariamente acadêmica. O historicismo hegeliano precisa ser exorcizado juntamente com a metodologia dialética estruturada no pensamento socialista. Além disso, bem ao contrário do que é insinuado, eu desejo ouvir na eternidade: “Venham, benditos de meu Pai! Recebam como herança o Reino que lhes foi preparado desde a criação do mundo”. Aleluia, nada posso fazer por este paraíso, pois o Deus soberano o preparou completamente há muito tempo.

Com a afirmação “[Deus] manipulava todas as circunstâncias da minha vida como um tapeceiro que corta fios e dá nós no emaranhado do avesso do tapete, para revelar a bela paisagem ao final do processo, capaz de encantar todos aqueles que olham pelo lado certo”, Kivitz transforma Romanos 8 em uma grande trapaça. Eu, ao contrário, acredito numa soberania que ultrapassa a minha mente. E nenhuma ‘metanóia’ kivitziana (“expansão de consciência”) fará com que eu alcance esta suprema divindade do Criador.

Vejo problema também quando o articulista afirma que Nietzsche, Marx, Freud e Sartre lutaram, não contra Deus, mas contra a religião somente. Reificar a religião protestante é atividade de cientistas sociais ateus que, desde Feuerbach, desprezam qualquer conhecimento revelado objetivamente. Nietzsche, por exemplo, apregoava o surgimento do super-homem que suprimiria o escravo-homem. Tomar a ideia de um Deus objetivo neste contexto seria, no mínimo, paradoxal. Marx esperava uma sociedade sem classes (pobre utopia) em detrimento da escatologia transcendental. Tomar a ideia de um Deus objetivo neste contexto seria, no mínimo, ilógico. Freud acreditava no que ele mesmo chamou de “mal estar da civilização”, ou seja, um tipo de sublimação cultural que fazia do indivíduo um re-direcionador da sexualidade. Tomar a ideia de um Deus objetivo neste contexto seria, no mínimo, imoral. Sartre contradisse o existencialismo cristão (quanto à sua metafísica transcrita) com as três fases denominadas: desamparoangústia e desespero, tidas como características da existência em contraposição à essência (basta lembrar o impagável exemplo do ‘cortador de papéis’). Tomar a ideia de um Deus objetivo neste contexto seria, no mínimo, incoerente. Logo, tais produtores de lixo letrificado do ponto de vista teológico estavam na onda do ateísmo que se propagou a partir do século XIX. Sim, seus canhões se voltaram contra Deus, até porque, não concebo a revelação divina fora da esfera do cristianismo, da Igreja ou do corpo de Cristo na terra.

A meu ver, o Teísmo Aberto conduz, no final das contas, o indivíduo a um desespero abissal pelo fato de ele conviver com uma divindade que não é capaz de guiá-lo ou de agir soberanamente. Pensar que o meu futuro e o futuro dos meus filhos estão lançados à própria sorte é, no mínimo, angustiante. Talvez seja por este motivo que Kivitz ceda à lógica Reformada ao dizer: “Descanso no fato de que, apesar de Deus não ser a causa primeira de tudo quanto me acontece, não há qualquer coisa que venha me acontecer que esteja fora do seu conhecimento, controle e cuidado.” Embora haja aqui um contraste com a doutrina da Providência por retirar de Deus o status de causa primeira, salta aos olhos a necessidade de se ter uma divindade que, de uma forma ou de outra, é a mesma pregada pelos Pais Apostólicos, por Agostinho, por Calvino e pela Teologia Reformada.

Concluo dizendo que os textos analisados não escapam à subjetividade visceral peculiar a todos os que defendem a Teologia Relacional como proposta que retira das vísceras um deus estranho à revelação textual das Escrituras. É por isso que eu prefiro conhecer o Criador por meio da sua bendita Palavra que revela o suficiente à minha vida de cristão e de servo eleito que crê na soberania divina, na providência teísta e na majestade absoluta de Deus. Neste caso, até mesmo Aristóteles, com sua teoria do Motor Imóvel, conseguiu se aproximar da Verdade sem, contudo, alcançá-la. Proximidade que não ocorre com os defensores de um deus fraco e passional semelhante aos deuses do monte Olimpo. Quanto a mim, fico com Aristóteles, fico muito mais com as Escrituras.

Que Deus seja Deus!

SOLA SCRIPTURA

4 comentários:

Charles Melo disse...

Alf,

Que artigo maravilhoso! Mesmo sendo profundo no conteúdo, absolutamente relevante em sua abordagem. O teísmo aberto parece uma grama verdinha aos olhos das ovelhas, mas saibam elas que nos canais da seiva encontra-se a morte.

Abraço!
Charles

Alfredo de Souza disse...

Charlão, muito boa a analogia, poética e inteligente ao mesmo tempo. Dá até para compor uma música ;-)

palavrasdamao disse...

Um artigo que merece atenção e reflexão, visto que, nesse mundo virtual é possível dizer coisas sem qualquer importância com a verdade absoluta, objetiva. E o que é pior, alguns se apropriam do exercício filosófico sem conhecimento a priori. É muito importante que pastores reformados e "preparados" se manifestem, trazendo luz em meio a tantos discursos caóticos. Valeu pelo texto. Abs,

Jorge Luiz

Alan Kleber Rocha disse...

Caro Alfredo,

Excelente post!

Que Deus te dê sabedoria e discernimento para proclamar o puro e simples Evangelho de Cristo.

Forte abraço,

Alan