Subscribe Twitter Twitter

29 de março de 2011

COMO ESCOLHER O FUTURO CÔNJUGE?

Quero mais uma vez tratar sobre namoro, tema bastante discutido aqui neste espaço. Primeiramente, desejo dizer que sou contra o modelo utilizado por nossa cultura brasileira, ou seja, um relacionamento recheado de beijos bucais e abraços eróticos que só promovem a excitação sexual e a defraudação. Recomendo as demais postagens sobre o assunto escritas por meus colegas aqui mesmo neste espaço virtual.

É preciso dizer que por namoro entendo aquele período de diálogo, oração e comunhão com os pais, período este destituídos de qualquer contato físico que promovam, por menor que seja, a excitação sexual.

A reflexão proposta aqui é sobre a escolha do futuro cônjuge, uma vez que muitos jovens cultivam dúvidas quanto ao assunto. Dúvidas que promovem a seguinte pergunta: “como saber a vontade de Deus para saber com quem devo me casar”?

Ao contrário daquilo que muitos pensam, esta importante escolha não ocorre por uma revelação vinda do alto ou por um sonho de uma noite de verão. Ela ocorre por uma utilização da inteligência que possui como lastro as Sagradas Escrituras e a confiança na ação de Deus que responde a nossa oração conforme o amor, a justiça e a misericórdia.

Indo direto ao assunto, quero propor aqui quatro critérios para a escolha daquele ou daquela que caminhará conosco até o fim da vida:

Compatibilidade de fé: Para que duas pessoas pensem em casamento devem, a rigor, saber que iniciar um relacionamento com descrente é, indiscutivelmente, estar em pecado diante do Senhor Deus. A Lei divina é clara quanto a isso: é proibido o ajuntamento entre um crente e um descrente. Muitos tentam relativizar este princípio indelével e caro ao Senhor que adotou para si mesmo a exclusividade de seus filhos. Mas o jugo desigual é abominação. Isto posto, também acredito que devemos pensar em jugo “desigual” (aspeado mesmo) entre duas pessoas que se denominam evangélicos. O ponto a se ponderar é a teologia envolvida que, via de regra, são opostas em aspectos que envolvem a eclesiologia (visão de igreja, liturgia, forma de batismo etc.) e pneumatologia (doutrina que trata do Espírito Santo). Não tenho dúvidas que o casamento entre um arminiano e um reformado ou entre um conservador e um pentecostal certamente gerará problemas no relacionamento salvo quando um abre mão completamente de suas convicções, pelo menos quanto às práticas. Quando alguém busca sua outra metade deve ter certeza de que a teologia envolvida é semelhante.

Anuência dos pais: A participação dos pais nesta escolha não se limita a um pequeno detalhe ou prática de somenos. Todo jovem crente deve pedir autorização do pai e da mãe, bem como dos sogros em potencial. A lógica é muito simples, trata-se dos futuros avós dos filhos que virão no futuro. Ambos serão parte ativa da família neste convívio que durará até a morte. Neste contexto alguns perguntam “e quando os pais não são crentes e proíbem movidos por motivos mesquinhos?” Bem, isso não dá liberdade para a desobediência. Lembremos aquilo que Salomão afirma: Como ribeiros de águas assim é o coração do rei na mão do SENHOR, que o inclina a todo o seu querer” (Pv 21: 1). Isso significa dizer que assim como um humilde agricultor pode mudar o curso das águas de um riacho para regar a sua plantação, o Senhor Deus possui o coração do homem mais importante e temido da sociedade em sua mãos. Quando os pais, mesmo descrentes proibem, independente de suas motivações, o jovem deve orar ao Senhor para que mude o coração de ambos. Se for da vontade do Pai, haverá mudança, caso contrário, é melhor desistir.

Visão de futuro: Imaginemos o seguinte: a moça possui chamado para trabalhar no Camboja como missionária, já o rapaz pretende ser um profissional liberal na cidade onde vivem. Muitos diriam: “mas o importante é que se amam muito e, no final das contas, acertarão as arestas, certo?” Errado! Este critério deve ser descoberto com muita conversa, pois, das duas, uma, ou um desiste numa boa de seus projetos de vida, ou haverá grande frustração ao longo da vida. O período denominado de namoro não deve ser utilizado para contato físico, deve ser utilizado para muita conversa e oração para que venham a tona estas questões.

Tempo de namoro: Quando sinto fome, procuro comida. Quando sinto sede, procuro água (ou um refrigerante light). O mesmo princípio se aplica ao namoro pois quando desejo me casar, devo procurar alguém de Deus para isso. É absolutamente pouco inteligente alguém iniciar um namoro tendo como prioridade um curso acadêmico com duração de cinco anos ou a construção de uma casa pelo período de seis anos. Se alguém inicia um namoro significa que o casamento é sua prioridade zero num curto espaço de tempo. Ninguém deve namorar por um período menor que dois anos e mais de três anos. A falta de objetivos promove o relacionamento perigoso que, com o passar do tempo, leva ao pecado sexual (que vai do beijo bucal ao coito). Ninguém deve namorar por namorar, se se inicia o namoro, isso significa que o casamento passou a ser a minha prioridade zero quanto ao meu futuro. Lembro também que ninguém deve namorar com pouca idade. O correto é ele ter 21 anos e ela 20 anos no mínimo.

Concluo esta postagem fazendo os seguintes acréscimos: primeiro, em um relacionamento, a paixão deve ser o último critério a ser considerado, aliás, nem deveria ser critério para a escolha. Quando falo paixão, sentimento que se baseia apenas na atração física, isso não deve ser confundido com o amor, sentimento que inclui e ultrapassa a atração física, abrangendo todo o ser. Este amor completo, sim, deve ser utilizado como critério na escolha. Segundo, o homem deve sempre demonstrar maturidade com Deus maior ou semelhante a da mulher, nunca aquém. E, terceiro, sempre deve haver o acompanhamento e aconselhamento feito por um pastor ou um casal experiente.

Acredito que se os jovens crentes seguirem estes princípios, certamente terão grandes chances de constituir um matrimônio maduro e abençoado pelo Senhor Deus.

Sola Scriptura.

24 comentários:

Simone Quaresma disse...

Como podemos esperar que o jovem crente se mantenha puro até o casamento(como a Bíblia exige), se desde cedo permitimos que nossos filhos assistam de tudo na tv, incentivamos o namoro na adolescência e aprovamos o modelo de contato físico que o mundo propõe? É IMPOSSÍVEL se cercar de tanta imoralidade e permanecer casto! Todos estes cuidados citados no texto, protegem nossos filhos e seus futuros matrimônios! Ensinando nossos filhos nesses caminhos, certamente colheremos bons frutos!

Alfredo de Souza disse...

Sema, que saudades de vocês. Como estão todos? Escreva em PVT para mim.

Grande abraço!

Ligian disse...

Alfredo,
post extremamente instrutivo e bíblico!
Como me entristece ver um jovem em jugo desigual... uma pena que esse assunto tem sido deixado de lado por muitos crentes, por muitos pastores e pela liderança de muitas igrejas.
um grande abraço!

Carlos Alexandre disse...

Pastor, quando uma mãe, abandona o evangelho de Cristo com deserção obstinada, condena a Igreja de Cristo, persegue a Igreja, fala mal da Liderança e de seus membros, o filho crente com pai crente, ele deve considerar a vontade de sua mãe(permitindo ou não). Como devo encarar este fato, devo me submeter a a sua vontade, sendo ela perseguidora, desertora, e contra o
evangelho de CRISTO?

Alfredo de Souza disse...

Caro Carlos.

A resposta pode parecer inusitada, mas é: Sim, deve! Lembre-se, precisamos trabalhar em nosso coração para que a noção que temos do Senhor Deus seja desumanizada, devemos vê-lo como Ele realmente é, o Todo-Poderoso.

Ele pode mudar o coração de quem quer que seja. Ele também responde a nossa oração proporcionando aquilo que é edificante para a nossa fé, e vivificante para na nossa vida, além, é claro, para que toda glória devida a Ele seja dada.

Paulo, em Efésios 3: 20, 21, diz:

“Ora, àquele que é poderoso para fazer tudo muito mais abundantemente além daquilo que pedimos ou pensamos, segundo o poder que em nós opera, a esse seja glória na igreja e em Cristo Jesus, por todas as gerações, para todo o sempre. Amém.”

E João, em sua primeira carta, 5: 14, diz:

“E esta é a confiança que temos nele, que se pedirmos alguma coisa segundo a sua vontade, ele nos ouve.”

Portanto, se for da vontade de Deus, Ele mudará o coração dos piores sogros que possam existir. E, neste contexto, anuência destes é, para mim, vital ao futuro casamento.

Você concorda que a nossa vida deve ser uma contra-cultura com relação ao presente século? O Evangelho na vida de alguém abalroa, no cotidiano, todo pensamento ou prática mundanos.

A regra é simples: sejamos sempre fiéis ao Senhor que é fiel em atender a todas as nossas necessidades, e isso inclui o futuro casamento.

Grande abraço.

Alfredo de Souza disse...

Querida Ligian.

Grande abraço. E o Pirulin, já deglutiu tudo?

Grande abraço.

Samuel Vitalino disse...

eu vi você fazendo :)

Alfredo de Souza disse...

Samuca. Saudades!

Charles Melo disse...

Alfredo,

Gostei de seu post. De fato, a família vem no pacote! Só uma pergunta: por que o tempo de namoro tem que ser de no mínimo 2 anos?

Saudade!
Abraço!

Samuel Vitalino disse...

É. Porque?

Alfredo de Souza disse...

Charles e Samuca.

Trata-se de uma posição pessoal. Eu penso que de 20 a 24 meses de namoro é o tempo mínimo para que se possa conheçer a outra pessoa, bem como os familiares dela. Não que um tempo menor seja errado, não! Mas é, pelo menos, arriscado para mim.

Sei que é empírico e que há gente muito boa que discorda de mim, mas é assim que penso.

Grande abraço. ;¬)

Fernanda disse...

Muito bom o post! Descobri o blog de vocês e tem sido realmente edificante ler os textos aqui.

Entrei nos comentários para perguntar sobre esses "prazos" também. Acho que é bem complicado fixar critérios objetivos como "namoro de 2 a 3 anos" e "idade mínima de 20 anos para a mulher e 21 para o homem". Eu, pessoalmente, concordo com esses padrões sugeridos, mas estou certa de que não são uma regra geral.

Morena Flor disse...

"Isso significa dizer que assim como um humilde agricultor pode mudar o curso das águas de um riacho para regar a sua plantação, o Senhor Deus possui o coração do homem mais importante e temido da sociedade em sua mãos. Quando os pais, mesmo descrentes proibem, independente de suas motivações, o jovem deve orar ao Senhor para que mude o coração de ambos. Se for da vontade do Pai, haverá mudança, caso contrário, é melhor desistir".

Pr. Alfredo,

Penso q coloccar tamanho poder de decisão nas mãos dos pais(q tb são humanos, não deuses ou anjos!) em uma decisão tão particular é deveras perigosíssimo.

Isso era comum no passado, com as consequências desastrosas q já estamos cansados de saber.

É mister q o filho é q tenha a responsabilidade - sim, a responsabilidade! - de decidir por si mesmo quem ele dele escolher para casar. É certo q os pais devem orientar, guiar, aconselhar, mas a decisão final é do filho, mesmo q os pais não gostem.

E digo isso pq? Justamente pq pais são humanos, não seres celestiais ou superiores com poderes especiais, e suas proibições podem tanto ser movidos por zelo ou por constatar q tal potencial cônjuge tem defeitos q podem acarretar dissabores e desgostos mil(exemplo, qdo o pretendente tem comportamentos inadequados como vícios em drogas/álcool ou cigarro, qdo tem temperamento de péssima convivência com os outros, etc) como tb ser movidos por preconceitos vis - coisa q, aliás, não combina não apenas aos cristãos, como é inadequado a qualquer pessoa, por autoritarismo tb vil, dentre outras mesquinharias(como por ex, preconceito de raça, classe social, dentre outros).

Autoridade dos pais tem limite, até o próprio Paulo admite isso - e deve ter, para q a autoridade não redunde em autoritarismo puro e simples, com consequências desastrosas e destrutivas para todos.

Q aprendamos com os erros do passado, para nunca mais repetí-los.

Qto a idade, concordo com Fernanda: Não são regra geral, nem de longe.

Bonomia disse...

Graça e paz, pastor!
Eu fiquei com uma duvida quanto ao amor...Eu não entendi...vc normalmente sente atração(paixão)depois amor, é assim que funciona...porem o Sr. disse amor em primeiro lugar...o Sr. estava querendo dizer que posso começar a namorar sem sentir nada até sentir amor ou que eu começo a namorar já sentindo amor? neste caso eu discordo, porque amor é um sentimento que advém de conhecimento e antes do namoro eu não conheço(pelo menos normalmente, á menos que namore uma amiga de muitos anos...rsrs)

Caso a sua colocação se refira a eu namorar e durante o namoro esperar o amor surgir (o que eu concordo), ainda tem um problema o que é O AMOR? axu que poderia escrever um post sobre isso...é que amor sem atração fisica conforme o Sr. aconselhou é algo tão distante para nós hoje em dia,parece tão estranho querer casar com alguem que teu corpo não deseja...

Anônimo disse...

Bonomia, estou certa de que não sou capaz de responder seu comentário com tanta propriedade como o pastor. Mas poderia te dizer algumas coisas bem práticas, que eu tenho aprendido.

E, em primeiro lugar, ao tomarmos nossas decisões, devemos, antes de tudo, considerar a glória de Deus. Nossas decisões e nossas escolhas devem estar de acordo com a vontade revelada de Deus para a Glória do Seu Nome. É esse o propósito das nossas vidas, e a Glória de Deus, portanto, deve ser o nosso referencial. E a partir disso, passamos a valorizar aspectos superiores à paixão propriamente dita, e, inclusive, aos desejos do nosso próprio coração.

Em segundo lugar, considerando que o namoro não é o momento para o contato físico, o fato de o casal desenvolver uma boa convivência, com espaço para discutir idéias, convicções teológicas e se tornarem suportes um do outro, também deve prevalecer sobre a paixão. Nesse sentido é claro que deve haver uma empatia e uma amizade entre o casal, mas, por experiência própria, é possível ter um namoro equilibrado e um relacionamento sincero sem paixão.

Em terceiro lugar, há desejos no nosso coração, como ouvi de um sábio pastor, que não são pecaminosos, e, portanto, que não é errado buscar que sejam satisfeitos. Entretanto, devemos estar atentos para que não utilizemos meios pecaminosos para satisfazê-los, ou, em via de mão contrária, devemos analisar, no convívio com a outra pessoa, se ele (a) é capaz de suprir alguns dos nossos desejos, a ponto de não termos que abafar todos eles, o que, possivelmente, representaria, a longo prazo, um obstáculo a um convívio agradável e respeitoso.

Por fim, concordo com você que o amor não é instantâneo. Muito pelo contrário, entendo que o amor é uma prática alcançada com o tempo e com a Graça de Deus, e, nesse sentido, é muito mais do que um mero sentimento. O apóstolo Paulo exorta aos homens a amarem suas esposas como Cristo amou a Igreja e a si mesmo se entregou por ela. É um amor sacrificial, que não torna os homens escravos de um mero sentimentalismo, mas os habilita a práticas amorosas.

E, digo tudo isso, não por hipocrisia, mas porque é assim que tenho aprendido. A algumas dessas conclusões, eu cheguei por meio de duras penas e de duras conversas. A outras, eu cheguei por meio da Graça que eu recebi de ser ensinada por pessoas mais sábias e mais experientes do que eu, inclusive por um pastor muito sábio, um verdadeiro homem de Deus.

O grande problema é que, muitas vezes, incorporamos às nossas vidas cristãs e às nossas igrejas, as convenções culturais e as convicções da nossa sociedade, sem antes as provarmos à luz da Bíblia, e acabamos por tentar conciliar conceitos e práticas completamente opostas.

Não quero impor minha opinião aqui, até porque, há poucas semanas atrás, acredito que eu mesma discordaria de grande parte das coisas que eu disse agora. Mas eu tenho entendido assim. E com a Graça, há pouco tempo, comecei a colocar em prática, na minha vida e no meu namoro, o que eu acredito ser a vontade revelada de Deus para o seu povo.

Bonomia disse...

Resp. a Anonimo!

Obrigado por suas colocações...Comecei um namoro esta semana sabe,ela é uma pessoa de DEUS, não tenho atração fisica por ela, mas estou tentando seguir os seus conselhos, espero que eu consiga, isso tudo é muito dificil para mim, a atração fisica sempre foi central para mim, eu primeiro desejava ardentemente, depois eu pensava no resto...
Espero conseguir mudar isso, mas sei que a luta vai ser grande...ore por mim!
Obrigado!

Gesiê Castro disse...

Bonomia, entendo exatamente o que voce disse!! Inclusive vivi situações parecidas: sempre vi a paixão como foi um fator primordial!!!
Mas graças a Deus, passei a ver isso de outra forma.
Li um livro chamado "Com quem me casarei?", de Andrew Swanson. Nele são colocados vários pontos interessantes, principalmente a importância dos dois serem cristãos. Esse é o "critério" essencial como vemos no fim do capítulo 7 de 1Coríntios quando Paulo diz "Se seu marido morrer, ela estará livre para se casar com quem quiser, CONTANTO QUE ELE PERTENÇA AO SENHOR". Lembrando que ser cristão é a primeira coisa que importa, mas não a ÚNICA.
Fica a dica do livro pra você.
Beijos

Anônimo disse...

Oi, meu nome é Lene. Tenho uma questão. Estou muito confusa em relação a vontade de Deus. Passei toda minha vida orando e confiando que Deus traria para minha vida a pessoa com quem iria me casar, uniria nossos caminhos e a partir daí era com a gente. Mas o tempo passou e nada aconteceu. Um dia, orando na casa de amigos, houve uma profecia (não acredito muito nessas coisas), onde o pastor disse que eu encontraria um namorado. Pensei> chegou o dia. Só que, depois de 02 anos (já tinha até esquecido a profecia), conhecia um rapaz, que logo me encantou. Mas era casado emesmo assim acabei me envolvendo com ele. Esse homem era o da profecia? Um homem casado? Será que perdi tempo esperando pela "vontade de Deus"?. Hoje não sei o que fazer, mas pelo menos já acabei o relacionamento, mas continuo apaixonada por ele.

Bonomia disse...

Oi Lene, o que vou dizer agora não é nada teológico (pelo menos eu axu).sempre antes de uma grande benção, parece que DEUS permite uma grande tentação ou provação...O diabo pediu para peneirar pedro...a terra prometida era linda, mas...tinha gigantes...Abraão recebeu a benção prometida, o filho, porém tinha que matá-lo (sacrificá-lo)...sei lá como eu disse ás vezes a sua benção estava quase batendo em sua porta quando o diabo mandou esse filho do capeta casado na frente para testar a sua fé.Infelizmente vc não passou na prova...Não está tudo perdido é claro...pedro caiu,o povo caiu,abraão não, porém todos no final venceram, vc também irá vencer...
Só que se vc quer a minha opnião vc tem que voltar ao primeiro amor...tem que voltar a orar com mais fervor, ler mais a biblia,Jejuar(poucos cristão jovens dão valor a isso hoje em dia).
Eu namoro e luto contra a masturbação a anos e agora contra a fornicação, não é fácil, ainda mais quando vc não usa as 3 armas acima (oração,meditação na palavra e jejum), use elas, não se cobre tanto pelos erros do passado, o que passou, passou...
vou te deixar um versículo que é o meu preferido da biblia:
"...mas uma coisa faço: esquecendo-me das coisas que ficaram para trás...prossigo para o alvo, a fim de ganhar o prêmio do chamado celestial de Deus em Cristo Jesus."
Filipenses 3:13-14
Paulo está dizendo que nós temos que esquecer das coisas que ficaram para trás e prosseguir para JESUS CRISTO...axu que é isso que vc deve fazer...é minha sincera opnião!
Filipenses 3:13

Sila Rodrigues disse...

Pastor, gostaria de saber sua opinião sobre profecias que falam sobre namoro determinando quem é ou não é o cônjuge certo para casar. Isso tem base bíblica? É correto terminar uma namoro que vem obedecendo os princípios bíblicos apenas por causa de profecias.Ex: O profeta falou: Ela não é pra você nem você pra ela. Eu vou mostrar a pessoa certa pra os dois. Sendo que isso deixou os noivos tristes abatidos pq os dois vem cumprindo tudo o que a bíblia fala. São da mesma religião, trabalham, tem o mesmo nível social, os pais estão de acordo e já estão noivos se preparando para o casamento. O noivo ao ouvir a profecia tomou a decisão de terminar o noivado apenas alegando que essa seria a decisão de Deus. Os dois estão mal, porque se amam, os pais estão arrasados porque estavam já se preparando para casar os filhos. E aí? Como podemos ver essa situação perante a Bíblia? O que fazer num caso desse? Devo aceitar como foi Deus mesmo quem falou?

Peço ajuda para melhor entender essa situação...desde já agradeço a sua atenção.

Anônimo disse...

Amados, não creiais a todo o espírito, mas provai se os espíritos são de Deus, porque já muitos falsos profetas se têm levantado no mundo. 1João 4:1

Porque DEUS mandaria eles não casarem? Qual é a evidencia que é vontade de DEUS eles se separarem? Como o profeta Oséias inspirado pelo Espirito Santo diz " O meu povo sofre porque lhe falta conhecimento", eu vejo muito isso nos dias de hoje, pseudos "profetas" sendo reis, imperadores, ditadores, dizendo para onde as pessoas devem ir e o que devem fazer, e pior não podem ser questionados por que são "voz de deus na terra"....são uns hipócritas e vão arder no fogo do inferno esses que usam a santa palavra de DEUS em vão...
Esse casal tem mais é que se casar e esquecer esse cretino...pronto falei...!!!!

Pr Cristian disse...

olá, graça e paz!
Ótimo artigo de considerável relevância. Porém, gostaria de expressar uma opinião quanto ao fato de você se referir ao tempo de namoro e idade. Creio que não podemos ser categóricos ou legalista nessa questão, pois isso é relativo. Pastoreio jovens e adolescentes a mais de 10 anos, percebo que cada um possui uma maturidade intelectual e espiritual, assim como seus relacionamentos. Ninguém deve se sentir pressionado a se casar pelo tempo de namoro ou por sua idade. Aliás, essa é uma das grandes dificuldades que tratamos em muitos jovens hoje em dia, alguns se acham velhos para um relacionamento, outros acabam precocimente contraindo um matrimonio sem estar maduro para tal.
Cada caso é especialmente único. Abraços a todos.
Pr Cristian Eduardo Ferreira

Luiz Carlos França disse...

Mas devemos lembrar também que se tu ensinar o caminho que teu filho (a) deve andar, mesmo quando crescer ele (a) nunca se desviará, diz o Senhor...

Luiz Carlos França disse...

Mas devemos lembrar também que se tu ensinar o caminho que teu filho (a) deve andar, mesmo quando crescer ele (a) nunca se desviará, diz o Senhor...