Subscribe Twitter Twitter

18 de março de 2011

Paulo Disse Que Era Melhor Não Casar?



No texto anterior vimos que a sociedade, a mídia, a família, os amigos e muitas vezes nós mesmos pressionamos em matéria de relacionamento pré-nupcial e conseqüente casamento.

Esse ensino tem feito algumas pessoas questionarem se são ou não aptas para o casamento ou se encontrarão de outra forma, que não no tradicional namoro, um cônjuge com quem possa dividir o restante da sua vida. Alguns chegam a pensar que a afirmação de Paulo em I Coríntios 7 de que seria bom que o homem não tocasse em mulher aponta para a idéia de que é mais santo manter-se não casado; mas, deixe-me adiantar, nada mais longe da realidade.

Tenho afirmado que o namoro atual não prepara ninguém para o casamento. Ele pode até terminar em casamento e, pela graça de Deus ser um bom casamento, como acontece com alguns, mas a verdade é que esse modelo tem mostrado ser, na verdade, uma preparação para o divórcio[1], e não para o casamento. Mas, então, o que fazer para encontrar o cônjuge ideal?

1)      Aprenda com o Fruto do Espírito

É na carta aos Gálatas que Paulo nos ensina que a vida cristã não deve ser pautada por tolices de regras humanas pré-fabricadas e escravisadoras, mas que devemos buscar o Fruto do Espírito, contra o qual não há lei (Gl. 5:22,23).

A total confiança em Deus em matéria de relacionamento há muito tempo deixa de fazer parte da agenda da nossa juventude que têm vivido um ateísmo prático, embora muitos confessem a sua fé e confiança em Jesus. A maioria acha que é sábio e auto-suficiente em matéria que envolve o coração e termina por ouvir a voz do coração, a despeito da Palavra afirmar que é do próprio coração que os maus desígnios são produzidos (Mateus 15:19), pois ele é desesperadamente corrupto (Jeremias 17:9,10).

O Fruto do Espírito nos ensina que não deveríamos fazer o que é do nosso querer (Gl. 5:17), mas nos submeter aos gomos que esse fruto nos trás. Vejamos apenas alguns deles em observância a esse ensino:

Amor: Palavra que geralmente é confundida com paixão! A Bíblia coloca um peso verbal nessa palavra quando nos ordena amar (Gl. 5:14 – mesmo contexto); ora, como podemos controlar um sentimento?

O amor bíblico é mais grandemente aferido exatamente quando a paixão deixa de existir. A confusão em relação a essas palavras é o que tem feito muita gente divorciar declarando que o amor acabou, mas a Bíblia, ao contrário, diz: o amor jamais acaba (I Co. 13:8).

A conclusão aqui é que muitos são preparados para o divórcio quando se entregam no namoro à paixão pensando que é amor e só descobrem mais tarde que o amor nunca existiu. Você, jovem, está sendo instruído de antemão a não cair na cilada de pensar que sabe mais do que a própria Escritura. Aliás, veja o que diz Salomão: A loucura é mulher apaixonada, é ignorante, e não sabe coisa alguma (Provérbios 9:13).

Alegria e paz: A espera para alguns (especialmente algumas) jovens por vezes é desesperadora. Acham que estão ficando velhas e que vão ficar para titia, mas a Bíblia nos ensina o grande valor do contentamento e da paciência e esperança no Senhor. Quando tentamos fazer do nosso jeito (como Sansão que seguiu o seu coração), não podemos exigir de Deus mais do que sofrimento e angústias, mas se esperarmos confiadamente no Senhor, ele se inclinará para nós, segundo sua própria promessa.

Sendo assim, a espera pela Providência (sem relacionamento), curtindo a bênção da solteirisse cristã, deve ser com alegria e paz no coração, sabendo que sua confiança está depositada naquele que faz com que todas as coisas cooperem para o bem.

Você pode seguir o seu próprio coração nessa matéria e não dar ouvidos às minhas palavras aqui, mas não espere de Deus mais do que Ele promete. Nesse caso, não diga quando estiver sofrendo as conseqüências de seguir seu coração que não sabia que isso aconteceria.

Haveria outros, mas meu favorito é o Domínio Próprio: Ele ensina que mesmo o coração pode ser dominado (Provérbios 4:23) pelo crente, pos isso você não tem a velha desculpa que estava cega pela paixão. A domine pelo poder de Cristo e seja racional para dar o passo mais importante de sua vida em direção ao altar, tendo a tranqüilidade de saber que contra essas coisas, não há lei.

2)      Abra o Olho – ele/ela pode estar mais perto do que você imagina

Muitos jovens me procuram dizendo que sua Igreja não tem jovens do sexo oposto para casar. Quando se trata de adolescentes eu agradeço a Deus com eles, pois é cedo mesmo para pensar nessas coisas, mas quando já se chega em idade própria para o casamento, me surpreendo como moças e rapazes me procuram com o mesmo ´problema´, na mesma Igreja!

Onde reside o problema então? Nos olhos? Será que eles estão tão cegos que não conseguem se enxergar? Não! O problema está no coração e na inversão total de valores no que tange às exigências para essa futura relação.

Quando chegam à conclusão que ele/ela precisa ser crente, acham que todas as exigências espirituais estão aí supridas, e buscam agora priorizar coisas como: aparência, classe social, fama e coisas dessa natureza. Não afirmo que atração física é algo de somenos importância, pois Deus nos fez para o prazer do nosso cônjuge, mas certamente seremos felizes se soubermos colocar exigências efêmeras em seus devidos lugares, pois elas facilmente seriam saneadas ao vermos qualidades muito mais excelentes, como nos afirma a sabedoria dessas palavras: enganosa é graça e vã a formosura, mas a mulher que teme ao Senhor, essa será louvada (Provérbios 31:30).

Não é raro Deus receber a culpa pelos nossos erros. Adão já disse: foi a mulher que tu me desses por esposa, da mesma forma muitos querem culpar Deus por não acharem sua cara-metade, mas não são raras as vezes que vemos homens e mulheres desperdiçarem presentes de Deus porque seus olhos estão fitos em si mesmos e não no Senhor. Se for esse o seu caso, deixe de olhar para o outro com os olhos da carne e seja feliz com o que Deus tem para você, pois é o melhor, sempre!


[1] Espero escrever sobre o que penso em divórcio e novo casamento no próximo post; quando, entre outros textos, abordarei I Coríntios 7.

33 comentários:

roberio disse...

etha, bem que eu poderia ter aprendido isso antes

Anônimo disse...

Pastor,
clareza e coragem para ensinar essas coisas. obrigada mesmo.

Anônimo disse...

Eu acho que é um exagero chamar a mulher apaixonada de burra e ignorante. Eu sou apaixonada, será que sou burra, ignorante e louca por isso?
Natália

Samuel Vitalino disse...

Robério (não é o Basílio, certo?)

Eu também gostaria de ter aprendido isso antes.

Abraço e obrigado pela participação.

Samuel Vitalino disse...

Natália,

Eu preciso pedir perdão porque esqueci de colocar a referência do texto que você se refere. Aqui vai:

A loucura é a mulher apaixonada, é ignorante e não sabe coisa alguma (Provérbios 9:13)

Vou agora mesmo adicionar a referência no post.

Anônimo disse...

tá na bíblia isso? então eu sou ignorante por estar apaixonada?

Samuel Vitalino disse...

:) Sim, está na Bíblia!

Anônimo disse...

Mas e então, Paulo disse ou não que o homem não deveria casar com mulher...

Yara Selma disse...

O que li nesse texto, posso afirmar que vi se cumpriu em minha vida. Enquanto minhas amigas trocavam de namorado eu orava e esperava no Senhor a pessoa certa. Fui abençoada, casei com meu primeiro namorado e estamos casados 4 anos e muito feliz. Yara Selma.

Anônimo disse...

A NVI traduz o texto de Pv. 9.13 assim: "A insensatez é pura exibição, sedução e ignorância" o tradutor não colocou o termo mulher que de fato se encontra no original, pois a ênfase parece ser falar da loucura ou insensatez e procurar figuras que ilustrem a sua realidade. Por isso é feito a comparação de que a "loucura é mulher apaixonada", ou seja, a loucura é como, ou funciona como uma mulher apaixonada... mas resta saber de que tipo de paixão o texto está falando. A pergunta é, não seria essa paixão o estado de escravidão aos desejos pecaminosos, como em 2 Tm 3.6 Pois entre estes se encontram os que penetram sorrateiramente nas casas e conseguem cativar mulherinhas sobrecarregadas de pecados, conduzidas de várias paixões,
Esse estado de escravidão às paixões pecaminosas é o que se entende hoje quando se diz que alguém está apaixonado por outrem?
Há como separar as duas coisas? Deixo essas perguntas para os Reverendos...

André Luiz disse...

Anônim"a",

Faça uma diferença entre amor e paixão.

O primeiro está descrito em 1 coríntios 13 e tem vários atributos santos e puros, enquanto a paixão é uma emoção célere, às vezes irracional e infundada, gerando, ao contrário do amor, problemas ao invés de soluções.

Abraço.

JORGE disse...

Olá pr. Samuel, tudo bem? estamos com saudades dos colóquios, dos momentos de comunhão e das boas exposições Bíblicas. Pr. que excelente post, estou divulgando o blog, os crentes precisam saber que essas verdades estão na Bíblia. Abraço

Felipe Ganzarolli disse...

Primo, entendi claramente o que voce quis dizer. Me identifiquei muito com suas palavras...estou na espera do Pai.

Abraços! saudades!

Samuel Vitalino disse...

Anônima (ooh04),

Paulo estava respondendo uma questão especíca aos Coríntios. Se você tiver paciência de esperar poucas semanas eu postarei algo apenas sobre esse texto.

Mas de antemão digo que Paulo não poderia contradizer Deus, que disse: Não é bom que o homem esteja só!

Samuel Vitalino disse...

Yara, André, Jorge e Felipe,

Obrigado por suas participações.

Samuel Vitalino disse...

Anônimo (11h01),

Primeiro sobre a NVI. Quem tem que explicar porque o termo não foi traduzido são os tradutores :).

Mas creio que você tem razão quando alerta que nem toda paixão é pecaminosa.

Claro que precisamos cuidar, pois essa emoção, embora criada por Deus tem sido usada e deturpada pelo pecado, mas como crentes devemos ser agentes de transformação inclusive nas áreas do coração.

Por exemplo, eu sou cada vez mais apaixonado pela Patrícia e devo ser, assim também alguns atribuem o zelo por missões e pela glória de Deus como uma paixão que jamais devemos apagar.

Marlon disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Marlon disse...

Gostei muito do seu post Irmão . Nossos jovens precisam ser melhor orientados com relação à essas coisas de relacionamento e casamento , reconhecendo verdadeiramente que as nossas vidas em todas as áreas devem ser consagradas à Deus . Portanto, quer comais quer bebais, ou façais outra qualquer coisa, fazei tudo para glória de Deus1 Co 10-31. Um forte abraço .
Marlon Mendonça

Alfredo de Souza disse...

Grande Samuel, invejo as culturas onde os pais participam da escolha dos cônjuges de seus filhos. Parabéns pela postagem.

Até Domingo.

Samuel Vitalino disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Samuel Vitalino disse...

Obrigado pela participação, Marlon.

Alfredo, minha intenção é começar essa cultura por aqui.

Espero que estejamos juntos nessa empreitada!

Abraço e até amanhã.

Aliás, que alegria será te ver denovo!

Ligian disse...

Samuel, excelente post! Vou ampliar, imprimir e colar na porta da geladeira pelos próximos anos (daqui a pouco terei que falar muito sobre esse assunto em casa... rsrs)
"invejo as culturas onde os pais participam da escolha dos cônjuges de seus filhos. Parabéns pela postagem."(2)
Um abraço!

Naziaseno disse...

Estou absolutamente convencido que a paixão é uma obra da carne visto que o amor é fruto do Espírito. A paixãoa nasce no coração do próprio homem, enquanto o amor é um presente que vem dos Céus. A maioria dos relacionamentos estão baseados na paixão quem tem a característica fundamental procurar o seu próprio interesse pessoal. A paixão leva ao sexo antes do casamento, ao adultério e a lascívia. O amor tudo sofre, tudo suporta, tudo espera...

Anônimo disse...

Meu caro reverendo. Samuel Vitalino, Há quanto tempo não recebia uma mensagem sua, foi bom encontrar essa que passo a ter algumas considerações breves.
1ª. Acredito que o argumento do Apostolo Paulo devia-se em razão da perseguição aos cristãos naquele tempo.
2ª. A mobilidade de quem não tinha familia para cuidar e oferecer a devida proteção em face aos fatos de perseguição da época, levou-o a colocar assim; No entanto depois o proprio apostolo diz."Melhor casar do que abrasar" - pode se concluir que ela não tinha dois pensamentos sobre o assunto, era motivado em razão das circunstaancias do que já coloque acima. Contudo Parabens pelo artigo. Abraços.
Rev. Vivaldo - Teresina-PI

Charles Melo disse...

Samuel,

De fato, o modelo atual de namoro precisa ser repensado porque, defato, não prepara para o casamento, mas pode predispor à visão de que "não deu certo, então vamos terminar". Sobre a questão dos jovens acharem que não há ninguém na igreja disponível, o problema maior é quando vão buscar o namorado(a) no mundo, gerando problemas gravíssimos em conseqüência da quebra do mandamento bíblico de não se por em jugo desigual.

Parabéns, mais uma vez, por tão interessante e importante postagem!

Abraço!

Samuel Vitalino disse...

Ligian, Charles (sempre juntos:))e Naziaseno,

Obrigado pelos comentários.

Samuel Vitalino disse...

Grande Vivaldo,

Respondendo suas questões:

1. Sim, você tem razão e essa é uma das coisas que eu vou falar no próximo post.

2. Essa segunda questão eu vou deixar ainda em suspense :) Depois você vai entender por aqui.

Grande abraço, meu amigo.

Anônimo disse...

Samuel, li, mas não entedi bulhufas!

Domingo.

Shirley Mattos disse...

Olá pastor!! Saudades!!
O casamento é um presente do Senhor. Amar e ser amado com o devido respeito as emoções e compromisso com diverentes momentos desse relacionamento, traduzem a maturidade desse amor. O que temos vivido e presenciado no decorrer dos anos é banalização do compromisso, e/ou falta dele, e relacionamentos cada vez mais superficiais baseados nas aparência. Me preocupo muito com os relacionamentos dos meus filhos (antes mesmo deles nascerem)!!!
Felicidades!

Anônimo disse...

onde eu posso encontrar na biblia,ke o Senhor escolhe nossos esposos e esposas?
acho ke vi mais ou menos no novo testamento,mas não lembro onde?

Poliana disse...

Que benção!!!
Em minha primeira visita ao blog fui abençoada com a leitura desta postagem. Tenho refletido a cerca de como um (a) jovem deve buscar, na vontade do Senhor, o (a) esposo (a)para constituir uma família. Até já li um livro recomendado em um dos congressos que o senhor foi ministrante (amor de verdade num mundo de falsidade - esqueci-me da autora). Contudo, devo dizer que foi muito bom.
Abraço!!
Espero continuar fazendo novas leituras sobre o assunto.
Poliana.

Samuel disse...

Shirley,

Saudade também. Como andam as coisas aí em BH? (Estão em BH, né?)


Domingo,

Não entendeu o que?Nada? :) hehe, rapaz, vou ter que ser mais claro da próxima vez!


Anônimo,

na verdade, começa em Gênesis e termina em Apocalipse. A Bíblia toda fala da Providência de Deus. Mas se for algum texto específico eu posso procurar aqui.


Poliana,

Obrigado pelo seu comentário; espero que nosso blog continue servindo o seu propósito.

Anônimo disse...

Exatamente