Subscribe Twitter Twitter

15 de novembro de 2010

Quero Casar! Basta Ser Crente?

Se você não conhece a Jesus Cristo como Salvador e Senhor de sua vida, não há nada mais importante para você ouvir: Cristo é o maior problema que você precisa enfrentar, uma vez que Ele vem para julgar todas as pessoas que não se submetem a Ele nesse mundo. Minha palavra para você é que busque conhecer o que é a cruz de Cristo, pois é muito mais que uma simples história religiosa.


Mas se você já é um(a) crente, e solteiro(a), então, a decisão mais importante da sua vida é com quem você vai se casar. Quem será aquela pessoa com a qual você pretende passar o resto de sua vida, morando no mesmo teto, dividindo a mesma cama?

I – A Bênção de Ser Solteiro

O mundo é composto por duas classes de pessoas: solteiras e casadas. Como em várias áreas do pensamento e prática da humanidade, aqui há uma clara inversão de valores. Os solteiros sentem um enorme desejo de viverem como se casados fossem, e, em contrapartida, os casados querem viver uma vida sem abrir mão dos privilégios de ser solteiro.

Deus dá algumas bênçãos aos solteiros para que essa época na vida de cada um seja vivida da melhor e mais santa forma possível. Por exemplo, o solteiro não precisa dar satisfação ou prestar compromisso a ninguém mais além de seus pais (falo de relacionamentos afetivos), não precisam dar explicações dos seus atos, não precisam ter preocupações ou responsabilidades que apenas os casados precisam ter e responder.

No início dessa análise, observamos que o namoro se transforma num mini-casamento. Onde não apenas esses preceitos criados por Deus são trocados, mas os solteiros terminam por, além dessas coisas, invadirem o que chamaremos de privilégios dos casados.

Quais sejam: o toque no corpo do outro, a beijo na outra boca e coisas do gênero que terminam por fazer com que as afeições sejam mudadas com base no desejo sexual e produzam uma falsa sensação que muitos erradamente acreditam ser e até chamam de amor.

A tolice disso é que as pessoas se tornam vulneráveis e, como não ouvem o que a Bíblia ensina sobre o assunto, terminam por constituir o outro em seu próprio deus.

Jovens, todas essas coisas Deus as criou para serem deliciosamente aproveitadas por nós, mas ele criou a instituição do casamento para isso (e só depois dele). Analizem esses textos apenas para iniciar esse debate: I Tes. 4:3-8; I Cor. 7:1,2.

Minha primeira palavra aos solteiros é essa: aproveite o tempo que Deus deu a vocês para não entrar em relacionamentos instáveis como o namoro, que, ao invés de preparar pessoas para o casamento, tem preparado nossa geração para o divórcio, pois ensina que as pessoas são tão descartáveis quanto a instabilidade do nosso próprio coração.

II – Qualificações para um Pretendente

Muitos acham que esse ensino faria com que ninguém casasse, mas ao contrário, a idéia é que essa geração resgate o verdadeiro valor de uma boa preparação para o casamento. Isso certamente precisará ser objeto de outros posts e palestras (tenho várias palestras preparadas sobre Relacionamento Pré-Nupcial Bíblico), mas aqui vamos nos ater apenas a algumas qualificações que direcionarão, de maneira objetiva e pensada, nessa que é a escolha mais importante para o jovem crente.

• O que deve chamar atenção de uma moça em um rapaz?

Vou me abster de falar em ser um crente, pois a Bíblia é não apenas clara, mas extremanete dura em colocar esse preceito de forma direta tanto no Velho (Nee. 13:23-27) como no Novo Testamentos (I Cor. 7:39, II Cor. 7:14-18).

Então, vou direto a alguns outros pontos. Nem sempre uma profissão de fé garante que o sujeito é crente. Jesus ensina que somos conhecidos pelos frutos e não pela mera declaração que somos crentes. Paulo parece ensinar a mesma coisa aos Coríntios quando diz que o Reino de Deus não consiste em palavra, mas em poder. O poder demonstrado na integridade pessoal é mais forte que muita coisa. Como isso pode ser percebido?

Como ele trata as meninas ou você mesma? Normalmente um galanteador não está pensando no futuro de responsabilidades que o espera, pois o que ele precisa conquistar é mais que o coração de uma garota, mas segundo a Bíblia, ele precisa ser provedor, protetor e pastor.

Ele precisa dar provas que não dependerá de ninguém para sustentar e proteger sua futura família. Precisa liderar como Cristo lidera a sua Igreja, por isso não pode ser egoísta, mas despojar-se de si mesmo. (Uma boa dica aqui é ver como ele trata a mãe, os mais velhos, e até mesmo as crianças... queria ter mais tempo de falar sobre isso!).

• O que deve chamar atenção de um rapaz em uma moça?

Claro que a maior responsabilidade recai sobre as costas do homem, por isso mesmo ele precisa ter discernimento para saber escolher. Nada melhor que os conselhos de Paulo a Tito para essa ajuda.

Paulo intrui Tito a que ensine as mulheres mais velhas as seguintes características às mais novas: serem amorosas (a maridos e filhos, mas no caso de uma pretendente, que seja a seus pais, idosos e crianças), dedicadas, honestas, sejam boas donas de casa, sujeitas (aos pais e às autoridades da Igreja, dessa forma dão prova de que serão ao futuro marido) [Tito 2:4,5].

Há muito mais, mas aqui vai apenas uma pequena demosntração de como essa escolha precisa ser mais racional e objetiva do que a maneira emocional e ligada ao coração corrupto como tem sido nos nossos dias.

III – Se Não Achar Alguém Assim, o que Fazer?

Esse ensino é tão desconectado dos nossos dias que não tenho a pretenção de achar que todos aceitarão e aplaudirão o seu conteúdo, entretanto, corro o risco por advogar que a busca pela santidade nunca é grande como deveria ser (Hb. 12:4).

Mais ainda: o mundo jamais apreciará esse ensino, mas nós estamos aqui para mudar o mundo (Rm. 12:1,2; Tg. 4:4; I Jo. 2:14-17), na verdade Paulo ensina a nos dessairagar desse mundo perverso (Gl. 1:4) e isso implica em luta contra a nossa própria vontade e pensamento.

A proposta é de uma mudança geracional e começa com o convencimento dos próprios pais das crianças de hoje para que homens e mulheres com essas características sejam facilmente achados no futuro, porque nossas crianças serão treinadas para isso.

Mas e agora? Como os jovens dessa atual geração perversa e corrupta podem agir se não acharem a pessoa com as características bíblicas de como o cônjuge deveria ser?

Bom, eu espero que você nos acompanhe até o próximo post para respondermos essa questão.

Pelo Reino,

Samuel Vitalino

72 comentários:

Anônimo disse...

sem comentários...

Anônimo disse...

[Benção de ser solteiro]
Teoria muito bonita pastor,
quero vê a prática disso.

Eu fico com a tese de que a forma de relacionamento velho-testamentaria é um ponto CULTURAL, e por tanto não aplicável aos nossos dias.

A regras civis que geriam esse tipo de "acordo", eram especificas para uma relação poligamicas, tipica daquela época... Mullher servia como moeda de troca, Alianças familiares, acordo de nações...
incoerente aos nossos dias.

Não sou militante do tipo de namoro "moderninho" que vemos em nossos dias, mas acho que impor uma situação utópica não é a melhor saída.

Eu vou namorar, vou casar, vou ter uma linda familia abençoada por Deus. E não acho que vou estar pecando por faze isso.

muito cuidado com isso.

Anônimo disse...

boa trd amigos(as).tenho uma dica de como namorar,noivar e casar. uma vida sentimental flz e q tem a direçaõ de DEUS.vá aos sabados na terapia do amor,uma reunião especial q acontece em todas catedrais da igreja universal do reino de DEUS.ás 19:00 horas. é uma reunião pra vç q tem problemas sentimentais,solteiros,solteiras e casados,uma direção de DEUS na sua vida lhe espera!!!!!!!!!

Samuel Vitalino disse...

Anônimos,

Tudo que eu quero é ver isso na prática, pois se a teoria tem base na verdade, então a prática será a maior bênção possível.

Sobre os relacionamentos do VT, há, sim, muita coisa cultural, mas sob à luz do evangelho houve uma grande libertação, especialmente das mulheres - o que nada tem haver com o tema aqui proposto.

Mas olha, isso não é utopia não. É busca por santidade. Utopia mesmo é achar que seremos santos mantendo o status quo dos nossos dias.

Sobre o que você vai fazer... espero que não se condene naquilo que aprova, mas também que não aprove o que Deus condena.

Sobre a dica da Terapia do amor... tenho certeza que é brincadeira. Se não :) heheheh - já estou fazendo o sinal da cruz!

Anônimo disse...

pastor, não gostei do seu post, pois ele ensina uma coisa antiquada e não tem nada haver com a realidade de hoje.
para casar bem tem é que namorar mesmo senão podemos ir casar com um cara que não conhecemos e as consequencias podeser muito pior depois.
também não concordo que o beijo seja pecado. Todo mundo beija e ninguém peca por causa disso.
século 21, pastor!

Ashbel Simonton Vasconcelos disse...

Rev Vitalino,
Os namoros atuais são ousados e as trocas de carícias como beijos frenéticos e o toque deixam a libido em níveis elevadíssimos, tanto para o rapaz quanto para a moça, o que já é uma ação pecaminosa (1Ts 4.6), e daí as ações mais ousadas são praticamente inevitáveis. Um desastre é iminente. Mas pior do que o desastre é o desonrar a Deus e o corpo que é o templo do Esírito Santo.
Parabéns pela firmeza no ensino, ainda que na contra-mão de um mundo que a passos largos se afasta de Deus e da simplicidade e pureza devidas a Ele (2Co11.3).
Abçs
Simonton

Anônimo disse...

Em primeiro lugar Amor não é um sentimento.É uma determinação que fazemos,tendo em vista isso ,acredito que o namoro passa a ser um "momento",esse namoro que falo não é o moderninho" Ficar" e sim um tempo de oração.Acredito que os joves deve optar pela verdade ao seu pretendente,ou seja, se ela é relaxada em casa com seus pais e ele é aquele preguiçoso que acorda às 10 da manhã....Isso deve ser colocado em pauta pelos dois e em comum acordo MUDAREM de comportamento.Mas ,como saber quem é o pretendente?Quem está falando a verdade?N´s que somos pais de hoje estamos educando nossos meninos para sustentar seus filhos e esposa?E as meninas ?Realmente dizemos a elas para não trabalharem e sim servir unicamente a sua casa?Acredito que ensinamos aos nossos filhos a estudarem e serem santos .Concordo que o homem deve ser provedor e protetor,porém a mulher ela só precisa ser SÁBIA.Prov.14:1
(Concordo com 80 por cento do que vc falou )


Att.Evangelline

Lucas Rodrigo disse...

Por Cristo!

:|

Lucas Rodrigo disse...

Por Cristo!
: |

L. G. Freire disse...

Terminologia à parte, o que chamam de namoro, mesmo na versão cristã, é uma ofensa ao casamento e um test-drive para o divórcio. Você diz "eu te amo" e no ano seguinte diz o mesmo para outra pessoa.

O cristão, principalmente o reformado e confessional, tem que partir do que a confissão da igreja reformada diz, em vez de reinventar a roda ou racionalizar a mundanização da sua prática e da igreja.

Eu não beijaria minha mãe na boca, nem um transeunte qualquer na rua, então fica BEM claro que o beijo na boca e outros carinhos são somente para o par casado, como a bíblia diz sobre o corpo ser do conjuge. Essa exclusividade não existe na relação pré-nupcial, nem deve chegar perto dela.

Existe sim um período de conhecer a pessoa, mas o melhor que se tem a fazer é respeitar a estrutura pactual da família e o guardião espiritual da moça, seja o pai, ou o pastor no caso de ter um pai descrente ou negligente com a sua vida espiritual.

O melhor a fazer com a boca não é trocar saliva, e sim conversar, orar e informar-se. Primeiro, com o pai da moça ou seu guardião. Depois, sob permissão e supervisão, com ela.

Se quiserem chamar isso de namoro, é esse namoro que a bíblia reconhece. Mais do que isso é ir longe demais e ignorar a estrutura pactual da família.

Leon Gabai de Morais disse...

"No início dessa análise, observamos que o namoro se transforma num mini-casamento. Onde não apenas esses preceitos criados por Deus são trocados, mas os solteiros terminam por, além dessas coisas, invadirem o que chamaremos de privilégios dos casados." (Rev. Samuel)


Eu sempre tive um pouco de dificuldades em entender como as igrejas cristãs em geral - salvo poucas exceções, talvez - conseguem coordenar seu discurso ético-moral um tanto quanto "rígido", com a praxe evidenciada pelos seus fiéis. Em outras palavras, não entendo bem como é que é possível, por exemplo, condenarem de forma tão contundente (e recorrente as relações sexuais pré-conjugais e, ao mesmo tempo tolerar, a uma forma de relacionamento entre duas pessoas de sexos opostos chamado "namoro" rsrs

Não pensem que esse meu questionamento parte de um viés moralista. Não! Apenas, estou procurando achar algum ponto de coerência entre o que nós, líderes cristãos, recomendamos aos nossos liderados, quer sejamos nós pastores, presbíteros, professores, ou seja lá o que for...

Sempre acreditei que o namoro em si já é um tipo de concessão ao sexo, se levarmos em consideração que ato sexual não se reduz ao coito propriamente dito e, penso que nesse ponto, nós, protestantes, somos muitíssimo incoerentes, pois a acessão física que um casal de namorados ou noivos têm ao seus corpos, constitui-se, a rigor, na consumação legítima de um casamento.

Será que somos tão ingênuos e capazes de pensar que num tradicional "namoro" não ocorre os conhecidos "pegas"??? A menos que estejamos pensando num casal de jovens em que pelo menos um dos par não for um ser humano mental e fisicamente saudável...

L. G. Freire disse...

Exato, Leon, exato. Como presbiteriano, eu digo que a regra pra nos 'e clara, a igreja 'e que nao cumpre. Basta ler o que os catecismos de Westminster comentam sobre o 7o. mandamento. Inclusive trata de vestuario, outro problema grave no Brasil, tanto masculino como feminino.

Alan Rennê disse...

O que me perturba nas reações de alguns "anônimos", é a demonstração tácita de um coração apegado àquilo que é pecaminoso. Isso fica claro na declaração de um (certamente uma jovem!), no sentido de que não havia "gostado" do post. Nada mais é do que um ídolo existente nesse coração! Outro, irracionalmente, prefere se apegar ao século 21, em vez de se apegar ao porto seguro da vontade revelada de Deus. Nada de buscar o conselho do Senhor! Apenas apego à carnalidade!

Li um livro escrito por Joshua Harris, intitulado "Eu Disse Adeus ao Namoro", publicado pela editora Atos. No livro, ele diz algo interessante: "Pergunte a uma pessoa casada se o beijo faz parte do sexo. Certamente, ela responderá que 'Sim!'. Agora, pergunte a uma pessoa solteira se o beijo faz parte do sexo. Certamente, ela responderá 'Não!'" De fato, o beijo faz parte do intercurso sexual! Minha esposa e eu estamos esperando nosso primeiro filho, e como afirmou um pastor amigo meu (velho Samucas Vitas): "Meu filho começou com um beijo!"

É possível que alguém argumente: "É fácil falar assim depois que se está casado! Antes, quando solteiro, duvido que agisse dessa forma!" Só tenho uma resposta para dar: Minha maior tristeza é não ter recebido o ensinamento correto, genuíno e bíblico que ora é oferecido! Se tivesse sido ensinado assim desde o início de minha mocidade, com certeza, não teria ferido tantas pessoas nem me apegado à impureza!

Samuel, meu amigo, um grande abraço! Era característica dos falsos israelitas apedrejarem os seus profetas! Quanto mais pedradas levares, melhor!

Leon Gabai de Morais disse...

Onde pretendo chegar, então?
Bem, vejamos: não pretendo sugerir que devamos condenar, "desencomendar" ou muito menos proibir o namoro. Não é aí onde quero parar. O que eu estou procurando deixar claro é que, para que sejamos coerentes com aquilo que cremos e pregamos, não devemos deixar atribuir ao namoro o mesmo nível de responsabilidade que costumamos enxergar no "casamento". Os mesmos deveres e obrigações, e as mesmas sanções que regulamentam o matrimônio são cabíveis ao famoso "namoro"... Ora, onde existe uma união espontânea de sexos diferentes é marcada por afeto e respeito mútuos, diante de Deus, com ânimo intenção sincera de permanência, aí há casamento!!! Não importa o nome que a sociedade queira dar a essa relação (de acordo com suas convenções), teologicamente temos todas as características básicas que configuram o casamento.

Pelo que sabemos, através das Escrituras, Adão e Eva não assinaram papel algum, correto? E entre os antigos hebreus não havia bençãos religiosas solenes sobre o a união de um homem e uma mulher, certo? Não é verdade que há pouco mais de um século, quem não possuísse uma certidão de batismo católico-romano, não poderia ter um casamento legal e religiosamente "legítimo"? Casais judeus, protestantes e adeptos de outras religiões ou igrejas que não a ICAR eram consideradas "amasiados" ou "amancebados"... Errado? Sim, errado... era verdade!!! No entanto, quem se atreveria a afirmar que a união marital desse pessoal era "do Paraguay"? Tenso, né?

Agora, qualquer busque - ou em quem seja identificada a intenção de manter um relacionamento "amoroso" descompromissado, frouxo, irresponsável, egoísta e efêmero, deve ser levado à disciplina corretiva pelo seu erro e mau desígnio...

De forma bem prática e simples, quem não estiver disposto a dar início a uma relação conjugal verdadeira e honrada, nem pretenda, também, namorar... Namoro não é uma espécie de "test drive" amoroso. Tampouco é uma mera "etapa" ou estágio de um compromisso "mais sério", antes sim o início de um compromisso pleno. A coisa é simples, muito simples... nós, com as nossas leis, normas e convenções religiosas e sociais que tornamos complicados os preceitos divinos que norteiam o casamento. Por isso compreendemo-lo tão mal...

Anônimo disse...

Salomão teve 1000
Davi mais um monte
Jacó foram 4
Abraão também

Naziaseno disse...

Para os que pecam no anonimato, digo:

O beijo na boca é uma preparação para o ato sexual,
O ato sexual só pode ser desfrutado na moldura do casamento,
Logo, o beijo só é facultado para os casados.

Diante desse silogismo eu pergunto: Você concorda com a primeira linha proposta? É claro! Ou você prefere optar pela hipocrisia? Em relação a segunda linha: se vc é crente concorda, né? Relação sexual só no contexto do casamento – isso é “chover no molhado” (não encare isso como literal!). Agora, se você concorda com a primeira e a segunda propositura; então por qual motivo discordar da conclusão?

Leon Gabai de Morais disse...

De fato! Todas legítimas e legalmente esposas deles!

Samuel Vitalino disse...

Cara anônima (20:39),

A questão não se você gosta ou deixa de gostar, mas se o que está escrito é o não verdade. Outra coisa importante: não é porque todo mundo faz que algo deixa de ser pecado. Cuidado com isso!

Simonston e Evangeline,

Obrigado pelos comrntários.

Samuel Vitalino disse...

Lucas Rodrigo,

Sempre por Cristo!

Samuel Vitalino disse...

L. G. Freire, Leon e Naziaseno,

Muito grato pelas contribuições de vocês. Creio que o debate (mesmo onde discordamos) mostra o quanto precisamos crescer nessa área nas nossas Igrejas.

Leon,

A questão do namoro é alvo mesmo de debate e estudo. Tenho proposto um Relacionamento Pré-Nupcial um tanto diferente, mas as linhas aqui seriam pequenas... quem sabe não venha um post futuro sobre isso.

Samuel Vitalino disse...

Alan René,

Tiago 1:2-4 fala sobre isso. Obrigado, meu caro.

Abraço,

Samuel Vitalino disse...

Anônimo (3:18),

Todos eles foram pecadores e pagaram pelos seus próprios pecados.

Desde o princípio Deus criou um homem para uma mulher.

O que acontece é que a progressividade e organicidade da Revelação de Deus fez com que as coisas fossem ficando mais claras a cada etapa.

Agora, com o NT em mãos, não há mais nenhuma sombra que não tenha sido dissipada.

Anônimo disse...

Pastor Samuel,
Nas palestras você deixa claro como fazer isso? Como ter relacionamentos bíblicos?
Já estou esperando o próximo post.
Abraço,
Samara - Colatina

Samuel Vitalino disse...

Samara,

A idéia das palestras é que elas sejam bem práticas. O que desejo é mostrar que podemos, sim, ter relacionamentos que glorifiquem a Deus e que esse é o maior investimento na nossa vida.

:) Obrigado por esperar o próximo post!

Simon Lino disse...

Eu vejo as discussões girarem em torno do que é ou não aplicável, de que seria, ou não possível realizar em nossos dias. Acho isso relevante mais secundário. A princípio as pessoas têm que saber se é ou não bíblico. A meu ver quando se coloca uma questão e a pessoa vai logo pra aplicabilidade da coisa, está simplesmente sendo evasivo, e fugindo do assunto. Gente, tudo que o pastor falou em seu post é bíblico, temos as responsabilidade de colocar os preceitos da bíblia em prática, a capacidade de aplicar... bem, aí são outros quinhentos, outro post, outras questões seriam levantadas, mais lembrem-se: a incapacidade não reduz em nada nossa responsabilidade.

Simon Lino disse...

Em tempo: eu creio sim que é possível, colocar em prática os preceitos bíblicos para o relacionamento. Nos nossos dias os estímulos são tantos, através da média, e ela própria ridiculariza os que pensam como nós, fazendo com que mais pessoas queiram ridicularizar. A falta de piedade, em especial por crentes é mais um ponto à favor do mundo e lembro agora das palavras de Cristo em Mateus 24:12: “E, por se multiplicar a iniqüidade, o amor se esfriará de quase todos.”. Que Deus tenha misericórdia dessa geração.
Amor é um compromisso e a julgar pela quantidade absurda de divórcios [em nossas igrejas] ta mais que provado que ele tem esfriado.
Vamos sim nos esforçar para colocar em prática os preceitos bíblicos, vale à pena.

Anônimo disse...

Muito bom seu texto! Temos batido nesta tecla com nossos filhos e jovens da Igreja. Aliás este tema seria uma ótima sugestão para discussão no "cosmovisão cristã". A Igreja está perdidinha neste assunto. Quando digo a alguém(crente!!) que meus filhos não namoram, e que estão esperando ter um emprego para CASAR, as pessoas quase me batem!!!!!!!! Peço permissão para divulgá-lo num blog que mantemos em nossa Congregação destinado aos jovens e adolescentes! Abraço!
Simone

Anônimo disse...

Muito bom... estou esperando o próximo post. Mas tenho uma pargunta, Pastor:
se um rapaz ou uma moça ja errou muito, ja teve relaçoes mais intimas, dai se converte, ou retorna aos caminhos do Senhor, e ele começa a se relacionar com um jovem da igreja, que nunca cometeu esse tipo de pecado, como agir? devemos esquecer os pecados ja cometidos pelo outro? como conseguir conviver com isso?

Anônimo disse...

Pr. Samuel,
sempre com posições firmes (falo isso como um elogio, já que tratam-se de posições bíblicas).
Deus tenha misericórdia dos jovens dessa geração (dos quais faço parte).
Deus continue abençoado-o e usando-o para resgatar a pureza da Sua Igreja.

Anônimo disse...

Samuel,
o seu texto não poderia ser mais atual, dada a desvalorização da profundidade dos relacionamentos. Para mim, ´um alívio saber que não estou sozinho, porque não vejo as mulheres como objetos de prazer, mas sim como criaturas de Deus que merecem ser amadas e repseitadas, especialmente na santidade do casamento. Penso, no entanto, que o namoro pode ser sim uma benção se houver oração e estudo da Palavra, a fim de que solteiros não vivam como se casados fossem. Enfim, o que quero ressaltar é que numa época de apologia ao sexo, o seu texto especifica critérios simples de luta contra a efemeridade da relação homem-mulher.
Abração do primo Daniel!

Jamylle disse...

Pastor Samuel,

Acho espetacular sua opinião e a respeito e, sinceramente, lamento nunca ter tido a oportunidade de ouvir um estudo completo seu sobre esse tema "Namoro".

No entanto, eu discordo parcialmente...

Sei que nosso corpo é templo do Espírito Santo; que Cristo não nos chamou para a impureza, mas para a santificação, etc...

Mas se para evitar o pecado fosse melhor não namorar... então eu deveria me isolar da sociedade indo morar num mosteiro, por exemplo, pra evitar a maioria dos pecados.

Penso que independente de estar namorando, ou não, por exemplo, um jovem estará sim sempre suscetível a ter pensamentos impuros a respeito de uma moça, seja ela sua namorada ou não, seja ele apaixonado por ela ou não, afinal nós sabemos que o homem é bastante “visual”, basta olhar e etc...

Acho que o seu ensinamento, Pastor, é válido para adolescentes e jovens que não tem a menor perspectiva de casamento, seja porque o rapaz não tem condição de sustentar uma família, seja porque ambos ainda não tenham maturidade para isso, etc.

A minha opinião é a seguinte: sou totalmente contra adolescentes de 12, 15, 17 anos, por exemplo, e até mesmo jovens de 20 e poucos anos namorarem, se o rapaz não tiver condição de sustentar sua família (afinal esse é papel do cara!); se ambos não tiverem conhecimento dos papéis do homem e da mulher no casamento; se ambos não tiverem convicção de sua salvação, maturidade espiritual e buscarem juntos agradar/louvar/glorificar a Deus em cada pequeno ato de suas vidas, etc...

Veja, Pastor, eu não acho que eu e meu namorado estejamos em pecado por estarmos namorando, pois: 1 - Ambos estamos em idade para casar; 2 - Somos formados, ele é concursado e eu, pós-graduada; 3 - Somos crentes, procuramos crescer espiritualmente juntos, nos policiamos constantemente contra o pecado, seja ele qual for, não apenas o da sexualidade, por exemplo; 4 - Temos conhecimento dos papéis do homem e da mulher no casamento; 5 - Nos conhecemos há no mínimo 10 anos, mas só começamos a namorar há 3 meses e apenas quando tivemos a certeza de queremos nos casar um com o outro; 6 – Estamos aproveitando o namoro pra nos conhecermos mais, conhecermos a família um do outro, etc; e, 7 – Desde quando começamos a pensar em namorar a gente já vem se preparando pro casamento.

Errado é o casal se isolar, deixar os amigos de lado e só querer saber do namorado, “endeusar” o namorado...
Pecado pra mim é namorar pra não ficar sozinho (sem namorada), namorar por namorar, namorar sem gostar, namorar pra “ver no que dá”, namorar por interesse, namorar descrente, etc...

Essa é minha humilde opinião... e me corrija, por favor, no que eu estiver errada.

Eita, olhando aqui rapidamente, acho que eu fui a única pessoa que discorda, pelo menos em parte, do senhor e que não postou como "anônimo". É mais fácil esconder-se, mas eu prefiro mostrar a cara mesmo... porque estou atrás de conhecimento bíblico, pastor... e disposta a mudar de opinião se eu for convencida biblicamente que estou errada.

Jamylle

Charles Melo disse...

Samuel,

Você sabe o que penso sobre namoro. Concordo com seu post em todos os aspectos. Ele fere e muito a consciência de muitas pessoas, porque, se teve uma coisa que Satanás conseguiu enfronhar em nossa cultura de modo a prejudicar seriamente a vida de muitos cristãos, foi esse modelo ocidental de namoro. Esse modelo que prega o uso deliberado de carícias (beijo erótico - "de língua"), com as mãos e com a boca, no namoro, mas ignora os hormônios que circulam pelas veias tem levado muitos jovens cristãos ao peso de consciência, insegurança sexual, mal testemunho, sexo pré-marital, gravidez indesejada, DST, frieza espiritual e apostasia. Precisamos urgente repensar mesmo o modelo. E isso não será fácil. Será como extirpar um tumor gigantesco no meio do cérebro com o desafio de não causar seqüelas. Vamos em frente. Parabéns pelo post! Como alguém disse, é bíblico! Fazer o quê? À prática, oras!

Abraço!

Anônimo disse...

Pastor Samuel - vou é postar como anônima mesmo kkkkk
O que mais me deixa triste é saber que se quisermos responder e discordar, só não vamos achar base bíblica para isso.
uma ovelha hihihi

Ligian disse...

Samuel, lamento que você tenha que resumir em tão poucas linhas um assunto que dá tanto pano pra manga! Concordo com você, embora não tenha compreendido algumas afirmações (limitações minhas, creio).
Posso dizer com conhecimento de causa (já que me converti aos 17 anos) que os namoros de muitos jovens cristão não diferem em nada de namoros mundanos e isso me entristece porque esse relacionamento não pode trazer muitos benefícios, se não desdobramentos negativos para o casamento.
A mania de "contextualizar" tudo tem feito os jovens abrirem concessões no que diz respeito a bíblia e aos preceitos eternos e imutáveis de nosso Deus. Então, o que antes era pecado, agora, por causa dos dias atuais (da modernidade), não é mais. Os tempos mudaram... esse é o chavão do momento para justificar pecados que, infelizmente, têm passado pelo crivo inclusive de conselhos, pais e pastores.
A consequência? Casamentos destruídos, igrejas enfraquecidas, jugo desigual, imoralidade...
Deus tenha misericórdia dos jovens crentes e dê firmeza aos pais, aos pastores e aos líderes da igreja para lutarem de modo contundente contra isso e, claro, firmeza na Palavra para os orientar e serem verdadeiros suportes.
Coragem, pastor!
Abraço!

Anônimo disse...

Pastor Samuel, muito bom o post.
Estou na espera do proximo. :)

Ass.: Moema S.

Anônimo disse...

Pastor, é possível sim um casal de crentes namorar e viver em santidade.
Não acho que namorar seja pecado. Cuidado com o radicalismo.

Alfredo de Souza disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Alfredo de Souza disse...

A respeito deste assunto, a coisa é muito mais profunda. As motivações, por exemplo, para que alguém inicie um namoro são equivocadas. Nenhum relacionamento se sustenta apenas pela paixão, base do namoro, noivado e casamento hoje. O que sustenta uma vida a dois é o respeito, e este, infelizmente, é o último a ser cultivado, isso quando não está ausente.

Sem dúvida nenhuma, este padrão cultural do namoro é mundanamente defraudador.

Samuel Vitalino disse...

Simon,

Você foi no ponto, meu caro: Sola Scriptura!

Simone,

No próximo post eu devo tratar um pouco sobre Cosmovisão Cristã. Obrigado pelo seu testemunho.

Samuel Vitalino disse...

Anônimo (11:38),

Sua pergunta é muito relevante e foi meu erro (e falta de espaço), mas Deus é perdoador. E de forma linda ele oferece perdão incondicional aos que erraram e reconhecem o erro.

Veja o exemplo da mulher adúltera em João 8. Depois de defendê-la e perdoá-la Jesus diz: Agora vai, e não peques mais.

Seguir isso é sabedoria!

Samuel Vitalino disse...

Jamile, (essa resposta serve para Daniel e anônimo (00:07)),

A idéia do mosteiro não cabe aqui. Não estou advogando o não termos relacionamentos, mas em direcioná-los de forma bíblica e correta - e isso certamente excluirá o tradicional e (mini-casamento) namoro.

Isso será assunto do próximo post.

Quando você diz que o pecado independe de estar ou não namorando, preciso concordar, masdiscordo da conclusão, pois parece que você usa o argumento para então dizer que o namoro é válido com base nele.

Mas esse silogismo é complicado. Por exemplo: Posso pecar contra a minha esposa mesmo que não a traia completamente, então posso traí-la. Usei um exemplo radical apenas para mostrar que a lógica não é válida. O que precisamos discutir é se a coisa é bíblica ou não.

(Continuarei em outro comentário)

...

Anônimo disse...

É corvardia apontar um erro, sem mostrar solução.

A verdade que muito desses pastores que defende esse post namorou e muito!!, Aproveitou mesmo! E pergunte se eles se arrepende dos momentos que viveram, sendo honesto de fato... Duvido! Por isso, Não tem moral pra apontar o dedo e dizer o que pode e o que não pode.

Se os jovens não estão preparados, os pastores muito menos!

Ai fica um monte de "babão" dizendo:" É Pr.,tá todo mundo depravado"; " tem que mudar, pq os jovens isso, os jovens aquilo.".

Pô! vamo para com a hipocrisia!!!
Por favor! Assim num dá...

Não acho errado o que esta escrito, mas a forma como foi escrito, sim.

me Jogaram no inferno e fecharam a porta!

Ass:

OVELHINHA!

Samuel Vitalino disse...

...

A partir daqui vocè deu opinião e disse o que acha. Eu concordo que o que advogo não é o mais moderno e aceito (nem mesmo na Igreja),mas a luta pela reforma e contra-cultura me faz dizer o que não trás coceiras aos ouvidos;

no caso aqui aos olhos hehehe :).

Jamylle,

Obrigado pelo seu comentário e opinião. Crescemos juntos com isso, mas a maior parte do que vocè quer saber antecipa o que vem por aí :) aguardemos, pois.

Abraço,

Samuel Vitalino disse...

Charles, Ovelha anônima, Ligian, Moema e Alfredo,

Obrigado pelos gentís comentários.

Samuel Vitalino disse...

Caro Anônimo (1:31), OVELHINHA,

Olha, o grande problema do que você escreveu é colocar o nosso exemplo pessoal pregresso como sendo o padrão.

Eu mesmo não fiz o que é certo, mas não quero que a próxima geração seja como é a minha e luto para que minhas ovelhas tenham um ensino (e consequente oportunidade) que eu não tive.

Houve um outro comentário que perguntou sobre o que fazer caso se chegua a conclusão do erro - e honestamente pelo tomdo seu comentário eu creio que é a sua realidade.

Em lugar de atacar da forma que fez, meu caro(a), arrependa-se e depois, vai e não peques mais. Olha, amigo, é a melhor e mais libertadora coisa a fazer.

Receba meu abraço,

Alan Rennê disse...

Samuel,

O negócio rendeu hein? É assim mesmo meu irmão, só se revoltaram com Cristo porque ele "meteu o dedo na ferida".

Gostaria de pontuar aqui sete problemas com o chamado "namoro". Os sete pontos são retirados do livro que mencionei no comentário anterior (HARRIS, Joshua. Eu Disse Adeus ao Namoro. São Paulo: Atos, 203. p. 30-41). Ei-los:

1. O namoro leva à intimidade, mas não necessariamente a um compromisso. Pergunto: que direito alguém de desfrutar da intimidade e do corpo de outrem se não estão unidos pelo casamento? É biblicamente correto usufruir de intimidade com alguém que não o cônjuge? A Bíblia responde: Não!

2. O namor tende a pular a fase da amizade de um relacionamento. Ter intimidade serm compromisso é defraudar. Intimidade sem amizade é superficial.

3. O namoro geralmente confunde relacionamento físico com amor. Se muitas pessoas que estão namorando examinassem o foco do seu relacionamento, eles provavelmente descobririam que a lascívia é o que têm em comum.

4. O namoro geralmente isola o casal de outros relacionamentos vitais. Creio que aqui entra a designação "mini-casamento" atribuída pelo autor do post.

5. O namoro,em muitos casos, tira a atenção dos jovens adultos de sua principal responsabilidade, que é de preparar-se para o futuro.

6. O namoro pode causar desgosto com o dom de permanecer solteiro dado por Deus.

7. O namoro cria um ambiente superficial para avaliar o caráter da outra pessoa.

Sobre o comentário da "OVELHINHA" (01:31), gostaria de dizer que ele (ou ela) estáabsurdamente errada. Creio que todos nós lembramos de erros do passado e nos arrependemos sinceramente. Afirmei isso em relação aos meus erros pretéritos. Ademais, a solução está apontada sim, contrariamente ao que você pensa. É colocar em prática os preceitos bíblicos sobre o relacionamento dos jovens solteiros. Paulo ordena que Timóteo que trate as moças da igreja como a irmãs, com toda a pureza (1 Timóteo 5.2). E isso, não somente porque Timóteo era pastor. Antes, esta é a ética bíblica absoluta! Jovens solteiros devem ver uns aos outros como irmãos e irmãs em Cristo, não como namorados e namoradas em potencial.

Em Cristo,

Samuel Vitalino disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anônimo disse...

Samuel, estamos ansiosos por seu retorno à IPPenha, quando ouviremos sobre este assunto. Que Deus continue te abençoando. Abs

Darly

Anônimo disse...

Caro Alan Rennê e aos demais,

Questão de realcionamento é subjetivo e pessoal:

Não se pode pontuar comportamentos possíveis de um ser humano uma vez que somos dotados de personalidade/carater distintos.
se assim não fosse bastaria preencher cada pontinho que o senhor teve o desprazer de colocar e estaria tudo ressolvido.

Esse assunto não é tão simples que se resuma a um mero sermão ou coisa do tipo.

Relacionamento é pessoal, se é pessoal tem que ter acompanhamento pastoral, que pelo jeito que estão encarando o assunto, nenhum de vcs mostram-se capacitados.

Se vc foi não resistiu as tentações, Sorry, Isso é pessoal vc com Deus, Vc não pode afirmar que todo mundo vai cometer os mesmos erros que vc comenteu. Alertar? desse jeito?

E vc sabe pq rendeu?(repito)
" o conteudo está correto, mas a abordagem foi e é errada!

Ass:

OVELHINHA - Béhhhhhhhh

Anônimo disse...

Alan

Seria uma decepção terrivel
vê-lo viver uma nova vida, dinovo!!

Jamylle disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Gabi Andreata disse...

Pastor,

Parabéns pelo post!

Devo dizer que algum tempo atrás me revoltaria como alguns jovens que postaram comentários contrários ao que a Bíblia ensina.

Nem sempre e nem todos os jovens tem a facilidade de entender esse assunto, mesmo porque, as pessoas usadas para ensina-los normamente são casadas e já tiveram namorada (o), falam sobre o assunto como se estivessem acima da verdade, mas Deus, em sua infinita misericórida, mudou a minha forma de entender isso, apresentando líderes com que sabiam falar com humildade que entendiam de fato o que um jovem solteiro passa e com muita oração (acredito que não fui a única a orar por mim).

Hoje oro pra que, assim como Deus me mostrou a verdade, os faça entender também e aos líderes corajosos como o senhor, que Deus os dote com paciência e sabedoria, pois a obra é do Espírito Santo.

Daniel disse...

Deveriam se preocupar em ensinar os jovens crentes a terem namoros santos e não proibir o namoro em si. Querem matar o carrapato matando o boi.

Daqui a pouco estou vendo, também, artigos do porquê o crente não deve usar a internet, não deve ver televisão, não deve ir pra praia/clubes, porque mulheres não devem ficar bonitas, etc, etc.

Impende destacar que o que contamina vem dentro e não de fora.

"Nada há fora do homem que, entrando nele, o possa contaminar; mas o que sai do homem é o que o contamina.
E dizia: O que sai do homem, isso é o que o contamina. Porque de dentro, do coração dos homens, é que procedem os maus desígnios, a prostituição, os furtos, os homicídios, os adultérios, a avareza, as malícias, o dolo, a lascívia, a inveja, a blasfêmia, a soberba, a loucura. Ora, todos estes males vêm de dentro e contaminam o homem.” (Marcos 7: 15; 20-23)

O problema está no coração do homem e não no namoro. O foco é outro.

Samuel Vitalino disse...

Alan,

Boa indicação de livro. Tem muito mais coisa boa sendo produzida e, quem sabe, eu arranje tempo de fazer uma boa lista bibliográfica e postar aqui.

Darly,

Obrigado pelo convite e oportunidade, se Deus quiser estaremos juntos aí.

Anônimo OVELHINHA,

Esse sotaque não é de ovelha, mas de bode. Ovelhinha sabe até discordar de Pastor sem precisar atacar nas escondidas.

Jamylle,

Você, como sempre, um doce.

Gaby,

Vamos em frente, a luta é grande, mas a recompensa é maior (Rm.8:18).

Daniel,

Você confundiu algumas coisas no seu comentário. O uso ordeiro de internet, televisão, diversão ou as mulheres se arrumarem não é problema nosso, mas dos fundamentalistas pentecostais do evangelicalismo brasileiro. Sempre pregamos a liberdade, vide nossa Confissão, Cap.XX (está na página central do nosso Blog - Nossa COnfissão).

O namoro, não vem necessáriamente de fora (daí o texto fora do contexto), mas é exatamente o coração dos jovens que buscamos preservar de forma bíblica.

Se você for de São Paulo, lhe convido para as palestras que darei na Igreja da Penha.

Abraços,

Jamylle disse...

Pastor,

O que eu quis dizer no meu argumento de que o pecado independe da pessoa estar ou não namorando é que, como já foi dito aqui, o problema está no coração do homem e não no namoro em si.

O problema é que as pessoas não sabem namorar! Acham que namoro é pra ter mais intimidade, só pra beijar na boca, etc. E eu discordo desse tipo de pensamento.
Não defendo um namoro com beijos "calientes", etc e tal...

Pelo contrário, acho que o namoro é a fase pro casal aproveitar pra se conhecer mais e mais, pra conversar, bater muito papo.

Concordo quando disseram aqui que o namoro pode ser uma bênção, na vida do rapaz e da moça, quando eles oram juntos, leem a Bílbia juntos, vão à igreja juntos... e quando o namoro é acompanhado de pertinho por algum pastor (no nosso caso, escolhemos o meu pastor para nos acompanhar).


Brigada pela atenção, Pastor Samuel.

Estou aguardando um novo e-mail seu me informando sobre o seu novo post. :-)


Abração,

Jamylle

gabiandreata disse...

Quando o pastor estará aqui em São Paulo?
Pode me passar algum link ou mesmo o endereço (físico) da igreja?

Se possível, comparecerei ao evento.

Alan Rennê disse...

OVELHINHA

Você está errado! Questão de relacionamento não é subjetivo e pessoal (com isso você está simplesmente reverberando o B-A, BA do relativismo pós-modernista). No caso de crentes, relacionamentos devem ser guiados por um princípio sumamente objetivo, isto é, a Sagrada Escritura. É ela a nossa única regra de fé e PRÁTICA! Com absoluta certeza, namoro se enquadra aqui!

O grande problema, meu caro, é que você está raciocinando a partir de outra fonte de autoridade, que não a Escritura. Teu ponto de partida é um ídolo (talvez seu "eu", o zeitgeist atua [o espírito da época]), mas, com toda certeza, não é a partir da Escritura. Se fosse, até o teu espírito frente a esta discussão seria diferente.

ANÔNIMO (09:44)

Acho que você não soube colocar suas ideias.

No entanto, depois de ter sido alcançado pela graça de Jesus Cristo, o apóstolo Paulo nunca procurou bloquear as suas memórias passadas. Encontramo-lo fazendo referência à sua vida antes de ser convertido pelo Senhor. Leia 1 Timóteo 1.12-15. De igual modo, em outro tempo fui blasfemo e impuro. Porém, hoje vejo meus erros sob a perspectiva da cruz de Cristo, e isso conforta o meu coração.

Também seria uma decepção voltar a práticas do passado. Porém, não por tua causa. Seria uma decepção por causa daquele que me amou e a si mesmo se entregou por mim.

Abraço. Fique na paz!

Samuel Vitalino disse...

Jamylle,

O caminho é esse mesmo, mas veja que o que você apresenta tem apenas o nome de namoro, mas não é. Nesse caso eu creio que o nome confunde, pois hoje sem toques e beijos não se considera namoro. Certo?

Gabiandreata,

Para falar desse tema específico estarei na Igreja Presbiteriana da Penha entre os dias 20 e 23 de maio.

Grato,

Anônimo disse...

Parabéns pelo post, gostei muito!
Apesar de eu ter apenas 15 anos,
quero sim aprender mais sobre o casamento, aprender a ser uma esposa crente, q cuida dos maridos e filhos e tbm a saber escolha um rapaz crente, q esteja disposto a viver comigo pelo resto de sua vida, sempre nos caminhos do Senhor Jesus Cristo!

Ass: Isabelle

Anônimo disse...

Pastor, desde que aprendi os esses ensinamentos, fui motivado pelo Espírito Santo a empregá-lo. E tenho feito isso. Eu e minha "namora" (garota que cortejo) já abandonamos o beijo. Mas tenho que admitir. É MUITO DIFÍCIL. Esfria o sentimento. Gera um certo afastamento. Torna tudo exatamente igual a uma amizade. Eu sinto as dificuldades, mas tenho vontade de continuar. Ela admite que não está mais aguentando. E pediu pra voltar o beijo.
Agora estou em uma situação que eu considero muito difícil. Gosto muito dela. Vejo que ela atende os requisitos expostos no post. Mas não quero voltar atrás.
Aguardo, ansiosamente, os novos post's para orientação e motivação em busca da santidade no relacionamento pré-nupcial.
Deus ilumine-o!

Samuel Vitalino disse...

Isabelle,

Sua pouca idade e, mesmo assim, disposição de fazer o que é certo, ainda que contra o mundo, me lembram Daniel e seus amigos, que, quando adolescentes, enfrentaram Reis e Reinos para fazer a vontade do Senhor.

Deus te abençoe, querida.

Anônimo (18:35),

Louvo a Deus pela sua atitude. Espero que a moça também compreenda que a sua atitude revela o verdadeiro caráter de um homem de Deus e que é exatamente isso que ela deveria procurar-pensando no futuro.

Orarei pela sua situação. Deus o abençoe.

Anônimo disse...

Caro Alan,

Em teoria, a aplicação da biblia é objetiva, Mas quando passamos para o caso especifico o bixo pega.

(apenas justificando a pessoalidade da aplicação biblica)

Imagine um viciado, Um alcoolatra inveterado. Inegavelmente a biblia condena a conduta pecadora, que é beber. Então você como pastor vai chegar para o cidadão e vai falar: Olha, você tem que parar de beber, pq a biblia diz que se vc continuar nesse caminho vc vai pro inferno. Ate aqui tudo bem, o problema foi indentificado, a solução foi dado ( parar de beber), agora é so colher os frutos, certo? Errado, meu amigo! Nenhum alcoolatra para de beber da noite por dia, é o tipo de pessoa que tem que ter um acompanhamento especifico.
Ninguem toma um copo de leite quente numa só "golada", isso é gradativo, uns vão dar goles maiores do que os outros, isso é natarual. Não estou negando a suficiencia da escritura como fonte de restauração, Mas acredito eu que aqui entra a parte da responsabilidade pastoral, os "intocaveis monges presbiterianos".
Graças a Deus isso tem mundado (...)
Quanto ao namoro, acontece da mesma forma. Se vcs fundamentaram uma teoria biblica de que namorar é pecado, beleza! Vamos por em Pratica? vamos! Pratica não significa declarar num pulpito o erro e se trancar dentro do gabinete e assumir uma postura de ditador e pronto.
Pratica é acompanhar com firmesa e amor a ovelha respeitando as limitações de cada pessoa.

Acho que falei demais...

Ass: OVELHINHA - Bhééééééé

pos-modernismo? passei nem perto.

Alan Rennê disse...

OVELHINHA...

Em teoria a aplicação da Escritura é objetiva sim! E na prática? Se não é, a culpa é de quem faz mau uso da teoria. Na prática deve ser também.

O exemplo oferecido por você em nada vai contra o arrazoado feito no post e nos comentários favoráveis. Ninguém aqui imagina que as coisas simplesmente aconteçam como que num passo de mágica. O primeiro passo, creio eu, é este: conscientização e educação na Palavra de Deus. Sei perfeitamente como é difícil, e muitas vezes doloroso, desconstruir uma prática ou um comportamento solidificado, como é o caso do namoro. De igual modo, ninguém aqui advoga deixar de acompanhar a sua juventude. Pelo contrário, o desejo é estar junto, sofrer junto, aprender junto, pois só assim, e, acima de tudo, com o auxílio do Espírito Santo, as coisas começarão a mudar. Também é preciso conscientizar os pais também influenciados pelo zeitgeist relativista.

E quanto ao pós-modernismo, a relativização entre teoria e prática fala por si só.

Um abraço OVELHINHA! Que Deus te abençoe!

P.S.: Aqui finda minha participação nesse post. Provérbios 26.4,5.

Anônimo disse...

embora não concorde com tudo, Creio que Pr. Samuel está certo no seu ponto de vista. Entendo que Toques, beijos e outras coisas que conduzem à imoralidade devem ser evitadas no relacionamento.
no entanto, também creio que todos os que aqui comentaram e que fizeram bobagens antes do casamento, fariam as mesmas coisas hoje, com ou sem ensinamento Bíblico.

Samuel Vitalino disse...

Alan,

Acrescento apenas duas coisas:

1. A CFW no Cap. XX trata da Liberdade Cristã de forma aberta e os exemplos trazidos por ovelhinha vão totalmente de encontro ao que cremos.

2. Sugiro a leitura do post do Milton que trata sobre a idolatria do coração: http://bibliacomisso.blogspot.com/2010/11/mudanca-de-comportamento-e-biblia-com.html

Abraço,

Samuel Vitalino disse...

Anônimo (15:14),

Obrigado pelo comentário, mas veja o perigo que você nos faz perceber.

Se se constata que está fazendo algo errado (pecado) e mesmo assim continua nele, dá-se que a própria salvação podeser questionada, pois o crente não consegue conviver na prática do pecado.

Eu creio que a maior luta do mundo é aquele que ocorre dentro de nós (carne x espírito), sufoquemos, pois, a carne.

Abraço,

Anônimo disse...

Prezado Pastor Samuel,

A Escritura Sagrada nos ensina clara e verdadeiramente como deve ser o nosso proceder, pois, como o senhor mesmo mencionou, é a nossa REGRA de FÉ e PRÁTICA. Isso tem valor para os jovens que vêm sendo instruídos nela somente, que são agraciados por serem ovelhas de pastores que de fato cumprem o seu ministério com fidelidade e zelo, não por aqueles que simplesmente lavam suas mãos perante o contexto social em que vivemos e dão valor apenas ao periférico (música, teatro, dança, política, etc). Gostaria de ter recebido orientação e apoio enquanto mais jovem para evitar o meu comprometimento com diferentes rapazes e mesmo com meu esposo, pois sei que nos defraudamos enquanto namorávamos e isso nos prejudicou na vida conjugal.

Gostaria de ressaltar aqui o versículo chave que guardo hoje como o motivador para a santificação: “De que maneira poderá o jovem guardar puro o seu caminho? Observando-o segundo a tua palavra.” (Sl 119.9). Tenho ainda irmãos, primos e amigos solteiros a quem tento persuadir expondo o que tenho aprendido acerca da santificação, mas percebo que de fato o secularismo têm falado mais alto ao coração dos jovens cristãos. Convém aos que foram regenerados e chamados ao pastorado que enfatizem, enfadonha e sabiamente, o que a Bíblia nos revela a respeito do comportamento do jovem cristão.

Oramos para que o Senhor vos mantenha firmes e alicerçados em Seu amor, guardados e conduzidos por Sua infinita graça, bem como os seus amados.

Saudações em Cristo.

Anônimo disse...

Àqueles que acreditam ser utopia o que o Pastor Samuel expôs, digo que é sim um grande desafio, mas compensador, uma vez que todo o nosso proceder está compreendido na carreira da fé (II Timóteo 4:7), e resultará no galardão com que o nosso Senhor nos recompensará.

Após ter pelo menos 2 namoros "pegajosos" com pessoas que não são hoje meu cônjuge, e também com o próprio, ao me casar percebi que, como nós havíamos explorado carícias que despertariam o ato conjugal, isso suplantou inicialmente o desejo de desfrutar do que há de mais intenso e puro entre marido e mulher. Só após alguns anos (que lamentavelmente perdi por assim não desejá-lo), pela graça e bondade do Nosso Soberano Deus, voltei a ter o prazer do contato com meu amado.

Quero portanto dizer que, apesar de os pastores e demais atualmente casados termos errado no começo de nossas vidas, não significa que vós outros hoje solteiros devam cometer o mesmo equívoco. Isso traz consequências profundas e devastadoras à sua vida. E, quanto ao secularismo, “Respondendo Pedro e os apóstolos, disseram: Mais importa obedecer a Deus do que aos homens.” (At 5:29).

Desejo, de todo o coração, que os jovens que aqui vieram armados para defender sua atual condição, se arrependam enquanto é tempo, e se apoderem dos preciosos ensinamentos do blog, sob uma perspectiva bíblica. Se armem contra o mundo e contra a própria carne...

Anônimo disse...

Apenas complementando o meu comentário anterior, quando compartilhei minha lamentável experiência, o mundo diz que devemos namorar muito e muitas pessoas para então podermos escolher o(a) melhor pretendente, especialmente se se trata de um "galã", mas devo ainda dizer que, experimentar uns(as) e outros(as) só o levará a sentir-se vazio, exigente, e negativo com relação ao próximo. Fora o fato de que o muito praticar as carícias entre uns(as) e outros(as) o levará a comparações absurdas e o desejo de ir sempre além. Também há o fato de que ter as sensações "eróticas" (por assim dizer) antes do casamento é o mesmo que desembrulhar os presente de Natal antes da véspera, é comer o bolo antes da festa de aniversário, é comer o recheio do bolo e guardar a massa para depois.

Anônimo disse...

Olá, Rev. Samuel, Graça e Paz!

Muito bom o texto. Infelizmente, até mesmo os crentes não querem viver de acordo com as escrituras em relação ao namoro cristão. Quem quer obedecer é ridicularizado pelos demais, mas esse é o preço que temos que pagar.

Abraços,

Pedro Barros
IP Salgueiro

Samuel Vitalino disse...

Anônima (11:21, 11:34, 11:47),

Julgo ser a mesma pessoa!

Muito obrigado pelo testemunho. É muito válido e mostra o que Paulo ensinou a Tito: que as mais velhas (experientes) devem ser mestras para as mais novas.

Pedro Barros,

Sempre devemos pagar o preço da nossa fé.

Abraço,

Anônimo disse...

Já sabia o que vc pensava mas o texto foi muito bom. Gostei demais. Vou divulgá-lo também. Um abraço.
Leonardo Michel (BH)