Subscribe Twitter Twitter

23 de agosto de 2010

O Crescimento Evangélico no Brasil: Verdadeiro ou Falso?



Metade do Brasil será evangélica?

Este foi o título do artigo publicado pela Revista Época em junho do ano passado. Baseando-se em uma estimativa feita pela SEPAL, Época informou aos seus leitores que até 2020, 50% da população brasileira será evangélica. Segundo a revista, os benefícios para o país como resultado do milagre da multiplicação dos evangélicos contribuiria pelo menos para três coisas: (1) a diminuição do consumo de álcool e drogas; (2) o aumento da escolaridade, uma vez que desde pequenos os filhos dos crentes são ensinados a ler a Bíblia; e (3) a diminuição de lares desfeitos, porque a família é prioridade para esse segmento.

De acordo com o  IBGE, o Brasil apresenta atualmente uma população de 192.304.735 habitantes. A previsão da SEPAL para o Censo 2010 é que os evangélicos chegarão à casa dos 36 milhões. Se isto for confirmado, tal percentual será bastante significativo, pois, não faz muito tempo, dificilmente encontraríamos dois evangélicos na mesma sala de aula, universidade, trabalho, governo, etc.

Como a representação evangélica em nosso imenso país sofre variações, esses dados parecem pouco prováveis em nosso dia a dia. Entretanto, em eventos de grande repercussão como grandes concentrações e shows gospel, tais números de fato se tornam reais. A Marcha para Jesus é um bom exemplo disso. Na edição 2010 da Marcha em São Paulo, cerca de dois milhões de evangélicos seguiram o trio elétrico liderado pelo casal Estavam e Sônia Hernandes da Igreja Renascer em Cristo. Isso mesmo. Milhões de evangélicos seguiram o casal que há pouco tempo estava detido por tentar burlar as leis americanas escondendo dólares dentro de uma Bíblia. Eles oravam, cantavam e dançavam movimentados por artistas gospel, declarando que o Brasil é do Senhor Jesus.

O Brasil é do Senhor Jesus! Mas, será que é mesmo?

Embora esses números pareçam reais, infelizmente não refletem a realidade dos fatos. Como assim? A razão é pura e simples: para Deus números quantitativos nem sempre implicam resultados qualitativos.

Época atribui a flexibilização da verdade como fator preponderante para o assustador crescimento dos evangélicos brasileiros. Isso deveria nos deixar de orelha em pé. Os cristãos se tornaram menos rígidos e mais tolerantes aos valores do mundo. Cristo deixou de ser o Redentor que conduz o pecador aos Céus transformando-se no servo pronto a atender as exigências consumistas dos crentes famintos por prosperidade material. Qualquer semelhança com João 6.22-71 não é mera coincidência!

Cristianismo sem Cristo

Na realidade, o afrouxamento da verdade está produzindo um cristianismo sem Cristo, outra religião totalmente diferente do evangelho. Veja só:

(1) Se o crescimento evangélico no Brasil contribuirá para a redução do consumo de álcool e drogas, por que muitos crentes testemunham sua conversão, mas não abandonam os seus antigos vícios? As celebridades, por exemplo, afirmam ser evangélicas, mas não mudam de vida, praticando os mesmo vícios. ”O que eu faço não tem nada a ver com a minha religião”, elas dizem.

(2) Se o crescimento evangélico no Brasil contribuirá para a redução do número de divórcios, por que o número de divórcios cresce entre os cristãos brasileiros? Por que os pastores e membros de igreja casam e "descasam" sem nenhum temor a Deus, adulterando abertamente? Por que o sexo antes do casamento é livremente praticado por muitos jovens e moças? Por que todos pregam, ensinam, evangelizam, dirigem grupos de louvor como se nada tivesse acontecido. Definitivamente isso não é priorizar e preservar os valores bíblicos para a família. Ou você acha que é?

(3) Se o crescimento evangélico no Brasil contribuirá para o aumento da escolaridade (i.e, educação, civilidade), por que o índice de analfabetismo bíblico nas igrejas é tão grande? Por que os evangélicos não influenciam, mas são influenciados? Por que os políticos se corrompem e ainda oram guardando em suas cuecas e meias o dinheiro público desviado? E mesmo quando são desmascarados e processados, se defendem dizendo que estão sofrendo por Jesus Cristo?

Perceba que o abandono da verdade, que é a Palavra de Cristo, não produzirá verdadeiros seguidores do evangelho. Por essa razão o fraco impacto espiritual e moral do evangelho em nossa sociedade é terrivelmente assustador.

E a Bíblia com isso?

Nosso Senhor Jesus Cristo nos deu um mandamento: “Ide, portanto, fazei discípulos de todas as nações” (Mt 28.19). Mas, de que maneira devemos evangelizar ou proclamar o Reino de Deus? Declarando palavras de ordem em shows gospel ou Marchando para Jesus? Recebendo supostas curas e bênçãos de artistas que se apresentam como “profetas” modernos? Abrindo as portas para o mundo e absorvendo seus ímpios valores? Absolutamente, não! Cristo nos disse, façam discípulos (cristãos ou evangélicos) “… ensinando-os a guardar todas as coisas que vos tenho ordenado” (Mt 8.20). A teologia reformada chama isso de cristianismo experimental. A credibilidade do evangelho depende do nosso testemunho (cf. Cl 4. 5-6).

Os nossos governantes, vizinhos, parentes e amigos, somente compreenderão o verdadeiro sentido da vida, da paz e alegria cristã, se forem ensinados (evangelizados) segundo a Palavra de Deus a mudarem de vida, arrependendo-se de seus pecados e crendo no Redentor. Enquanto o Evangelho não for ensinado com fidelidade, a Igreja se misturar politicamente com o Estado em busca de favores e poder, o analfabetismo bíblico for crescente, falsas doutrinas produzirem falsas conversões, o povo evangélico brasileiro será como uma árvore oca, sem frutos, fundamentos ou raízes. Aquele que tem os meus mandamentos e os guarda, esse é o que me ama, disse Jesus (Jo 14.21). O puritano Matthew Henry disse que “a maior prova de nosso amor a Cristo é a obediência às leis de Cristo... O amor é a raiz; a obediência é o fruto”.

Concluindo, não devemos ser contrários ao crescimento numérico da Igreja, pois inúmeras passagens bíblicas e a própria história demonstram que quando o evangelho foi pregado com fidelidade muita gente se converteu de verdade, abandonando suas antigas práticas e influenciando (não sendo influenciado) todos ao seu redor. Contudo, compete à Igreja plantar e regar, isto é, cumprir a ordem de Jesus fazendo discípulos, lembrando sempre que o verdadeiro e substancial crescimento é dado pelo Senhor (1Co 3.6,7). “Em qualquer avivamento bíblico, eleva-se o padrão; ele não fica suspenso enquanto outro tipo de cristianismo é introduzido” (Iain Murray).

Alan Kleber


29 comentários:

Naziaseno disse...

Alan,

Post excelente e oportuno. Certamente os marcadores que resumem o evangelicalismo moderno são: fé fácil, graça barata e salvação sem senhorio. Creio que vivemos uma constantinização da fé. Mais do que nunca, talvez apenas na era da reforma, nunca foi tão necessário reestudarmos sobre a verdadeira doutrina da Igreja. E aí vai a dica: examinem o catecismo Maior sobre esse tema -É fascinante!

Ligian disse...

Alan,
Muito me preocupa esse "crescimento evangélico" no Brasil, sabe? Tenho três filhos ainda crianças e imagino que, se continuar dessa forma, as coisas só irão piorar e como estará quando eles forem jovens?
Mas me pergunto se isso irá melhorar ou se é só mais um sinal de que a vinda de Jesus se aproxima. Se assim for, maranata!
Muito bom o post!
Um abraço!

Samuel disse...

Ligian,

Eu também tenho dois filhos e rogo a Deus que os valores da Igreja sejam centralizados na Palavra de Deus como apontador de um retorno à Igreja Apostólica, e não no rumo de uma pseudo-evangelização como a que assustados, vemos crescer nesses arraiais ditos evangélicos.

Alan,

Continuemos nossa luta, meu velho!

Alan Kleber Rocha disse...

Caro Nazi,

De fato, o que temos percebido em nossos dias é um outro evangelho. Precisamos voltar aos fundamentos, as veredas antigas.

Um grande abraço!

Alan Kleber Rocha disse...

Ligian e Samuel,

A inquietação de vocês é a minha também. Todos os dias preciso dizer para minha filhinha que a grande maioria dos que usam o nome do nosso Senhor Jesus Cristo em nosso país não tem parte com Ele, porque não cumprem Jo 14.21.

Acredito que uma criação consistentemente bíblica dos nossos filhos preserverá o remanescente fiel, que até o retorno do Rei será sustentado e fortalecido pelo Senhor.

Abraços!

Milton Jr. disse...

Alan,
Nos meus primeiros anos de convertido costumava ouvir e cantar (confissão de pecados.. rs): "está havendo um avivamento no meu país", embalado pela Comunidade de Goiânia, hoje mais conhecida como "Sara nossa Terra". Passados os anos, vejo que o tal avivamento, ao invés de produzir crentes mais fiéis, preocupados com a santificação, serviu para encher os cargos públicos de "crentes" como esses da própria SNT que oram para que Deus abençoe as propinas e os erros.
O verdadeiro avivamento não é medido pelo inchaço da igrja, mas pela mudança de postura dos crentes que vivem para agradar o seu Senhor e, assim, impactando a sociedade.
belo post.

Alan Kleber Rocha disse...

Pois é Milton. É justamente isso que eu quis dizer com quantidade não implica em qualidade.

Grande abraço meu amigo!

Neemias Reinaux Gomes disse...

Rev.Alan,
Judas 2,

Muito bom e oportuno o seu post. Você foi direto e com base Bíblica. A primeira marca de uma Igreja Bíblica é a Pregação expositiva da Palavra de Deus. Tanto a Igreja Brasileira quanto a Americana passam por dificuldades de um Cristianismo sem Cristo. O que se tem visto é que vale tudo para encher a Igreja, deixando de lado a Pregação expositiva da Palavra de Deus, a disciplina de forma Bíblica e os sacramentos por pessoas devidamente autorizadas. Parabéns pelo post, estaremos orando por você, pelo seu ministério na Igreja Presbiteriana em Aracajú, e por sua família para que o nosso Deus continue a abençoá-lo .
Em Cristo,
Rev.Neemias Reinaux Gomes

Alan Kleber Rocha disse...

Querido Rev. Neemias,

Saudades do irmão e da sua família.

Obrigado por passar por aqui e deixar o seu comentário.

Que Deus o abençõe no Reformed Brazilian Fellowship!

Lélio disse...

Amado Rev. Alan,
Parabéns pela iniciativa do blog. Estaremos sempre ligados...
Quanto ao assunto, tenho a dizer que minha igreja há algum tempo tem se voltado ao discipulado, e a experiencia que estamos tendo, testifica a favor de sua posição. O crescimento que estamos vivenciando no país tem produzido "crentes" mal formados. O grande trabalho no discipulado, tem sido justamente corrigir através da Palavra, os erros introduzidos por um "evangelho" que não tem compromisso com o Reino e que busca apenas a satisfação do homem e não a glória de Deus.
Abraço saudoso
Rev. Lelio

Alan Kleber Rocha disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Alan Kleber Rocha disse...

Grande Rev. Lelio,

Obrigado pela sua visita!

Ensinar é o método bíblico para se fazer verdadeiros discípulos de Cristo.

Que Deus abençõe ricamente o seu ministério.

Forte abraço,

Helena Cristina disse...

Muito boa iniciativa a de vocês! Oraremos para que o Senhor multiplique em nosso meio aqueles que se prontificam a obedecer o grande chamado para o ministério do ensino do Evangelho, e que nos dê intrepidez e ousadia para testemunharmos dEle em meio aos que conosco se relacionam.

Que o Senhor abençoe a vida dos queridos irmãos e pastores!

Grande abraço!
Hamilton e Helena

Jabes Nogueira Filho - pastor disse...

Querido Rev. Allan,
Parabéns pela iniciativa de criar um blog, juntamente com seus colegas, para reflexão bíblica.
Que o Senhor os guie nesta tarefa.
Estarei sempre acompanhando e, quando for o caso, podem contar comigo.
Um abraço

Fortunato disse...

Pastor Allan

Parabéns pela iniciativa. Fiquei feliz por ter mais uma fonte de ensinamento genuíno da palavra de Deus. O endereço já foi gfravado n os favoritos na pasta que creio por nome EVANGELHO.Quanto ao crescimento da população estou com o senhor. Não há mesmo o que celebrar! São tantos que se dizem ser e tão poucos os que verdadeiramente a luz da palavra são. Assim, após tantas mudanças, estou a 2 anos e meio morando no mesmo condomínio, e neste período, acidentalmente, eu e minha esposa nos deparamos uma única vez no elevador com uma residente suposta evangélica. (A população evangélica de fato cresceu?) O tempo só nos permitiu os comprimentos básicos provocados pelo porte visível de uma Bíblia por parte da sorridente vizinha. Que bom! Temos uma vizinha que é crente?! Bem, estamos ainda para averiguar. Afinal os magos do Faraó imitaram Moisés com muita competência, porém por pouco tempo.

Alan Kleber Rocha disse...

Queridos Hamilton e Helena,

Continuem orando por nós. A proposta é ousada, e sem Cristo nada podemos fazer.

Um grande abraço!

Alan Kleber Rocha disse...

Caro Pr. Jabes,

Valeu pela visita e pelo incentivo.

Um grande abraço!

Alan Kleber Rocha disse...

Querido Fortunato,

Você tocou justamente no ponto. Nem todo o que me diz Senhor, Senhor entrará no Reino, disse Jesus (Mt 7).

Que Deus te abençoe meu irmão!

yone dantas disse...

Fico apreensiva quando vejo publicações em favor do crescimento evangélico, isto porque sabemos que a luz tende a causar incomodo aos que estão na escuridão. Os especialistas veem até pontos positivos nesse crescimento. Eu vejo um falso evangelismo, onde a “flexibilidade” da palavra desvia o verdadeiro sentido de nossa luta. Como colocado pelo Pastor Alan “Cristo deixou de ser o Redentor que conduz o pecador aos Céus transformando-se no servo pronto a atender as exigências consumistas dos crentes famintos por prosperidade material”. Eis aí o motivo porque muitos se declaram evangélicos, mas poucos seguem ou desejam seguir os ensinamentos do Mestre.

Alan Kleber Rocha disse...

Olá Yone!

Obrigado por comentar este post.

De fato, o resultado de uma verdade flexibilizada é um falso cristianismo e um pseudo-crescimento evangélico.

Abraços pra você e Wilson!

JORGE disse...

Olá Pr. Alan Parabéns pelo post, fico pensando se logo pela manhã essas pessoas que se dizem ser "evangélicos" recebessem esse post e percebessem o quão distante estão das verdades Bíblica e que vivem um falso evangelho, que Deus continue lhe abençoando.

Alan Kleber Rocha disse...

Caro Jorge,

Sempre me pergunto: o que o apóstolo aos gentios faria se vivesse em nosso tempo?

Certamente, ele aproveitaria todos os meios de comunicação disponíveis para pregar a gloriosa mensagem do Evangelho, porque só ele liberta o homem do pecado e do erro.

Acredito que a iniciativa de criarmos blogs, sites, nos envolvermos com programas radiofônicos e de televisão, são importantes e necessários.

Que Cristo seja conhecido não somente pelo que falamos a respeito dEle, mas pelo que escrevemos e pelo que vivemos.

Um grande abraço!

João Oliveira disse...

Alan,
O homem, como ser paradoxal que é, tende a nutrir posições diferentes sobre o mesmo assunto, dependendo das circunstâncias que, frequentemente, são de caráter passional. Posso , por exemplo, defender a supremacia da lei, até que eu mesmo a tenha quebrado. Ou seja, tendemos a ser mais subjetivos do que imaginamos ou estariamos disposto a admitir.

Alan Kleber Rocha disse...

Grande Oliveira,

No mundo em que vivemos a quebra dos absolutos tende a relativizar tudo ao nosso redor, de forma que uma coisa passa a ganhar sentido para mim ou para você, dependendo das circunstâncias ou das paixões que nos movem.

Esse é o grande desafio para a pregação da Palavra nos dias de hoje: Afirmar que existe um verdade absoluta e objetiva, acima de todo e qualquer relativismo ou subjetivismo humano. Esta é a verdade que liberta o homem de seus "aparentes paradoxos" (na realidade motivos e paixões idolátricas) e o conduz à vida.

Grande abraço,

eduardo ferraz disse...

Caro Alan
Saudações

Parabéns pelo tema, é preciso dizer a verdade sobre essa falácia de milhões de evangélicos no Brasil! O estimado colega foi muiiito próprio nas sua lista de contradições, do que realmente seria um país com 30% de evangélicos.
Que o Senhor continue te abençoando e usando.
Grande abraço.
Fraternalmente em Cristo,
Eduardo Ferraz

JORGE disse...

Olá Pr. Alan, gostei tanto desse post que, sempre que posso leio novamente e percebo a urgência de uma reforma teológica, eclesiástica e pratica uma nova redescoberta a fidelidade as Escrituras. A nossa oração é que Deus levante novos Husses, Zwinglios,Luteros e calvinos e promovam com urgência uma reforma religiosa no nosso pais reformando nosso culto, nossas doutrinas, nossas praticas eclesiásticas conduzindo as nossas vidas à obediência a palavra de Deus. Um abração estamos ansiosos pela sua vinda a Teresina, que Deus continue lhe abençoando.

Alan Kleber Rocha disse...

Grande Eduardo!

Obrigado por sua contribuição ;-)

Deus te abençõe ricamente irmão!

Alan Kleber Rocha disse...

Grande Jorge!

Como pregadores do evangelho, que a nossa oração seja semelhante ao do grande Knox: Ó Senhor, dá-me o Brasil, antes que eu morra!

Se Deus quiser, nos veremos em Teresina!

Abraços

Anônimo disse...

bom, fico feliz pois sou jovem e eu estava pensando todas estas coisas acontecendo no Brasil e de fato fico triste pelo um lado, mas acredito o que esta na Biblia,e por isto fico feliz,vocêis realmente estao serto, fico feliz por isso. quero poder aprender com verdadeiros crista usados por Deus