Subscribe Twitter Twitter

17 de maio de 2011

A MULHER CRISTÃ CONTRA O MUNDO!

Todos concordam que a macro cultura ocidental é responsável pela degeneração dos valores contidos no Evangelho, valores estes destinados à sociedade em geral. A invenção do ateísmo no século XIX demonstra até onde vai a depravação humana contra Deus conforme revelado na carta de Paulo aos Romanos, capítulos um e dois. Nesse mórbido contexto encontramos o que considero a mais nojenta ação humana contra a Lei divina: a relativização dos princípios imutáveis das Escrituras que adéqua o Evangelho às insanidades culturais. O sentido contrário é que deveria ser a regra: o Evangelho se impondo ao mundo.

Um exemplo disso é o papel da mulher na família e na sociedade. Antes de tudo quero reiterar minha total repulsa ao pecado do machismo onde o homem se acha no direito de apequenar a mulher diante da auto-afirmação masculina. Machismo é pecado e fere princípios básicos de relacionamentos conforme Gálatas 3: 28 e Efésios 5: 21 a 33, para citar apenas dois textos sagrados. Da mesma forma, o pecado do feminismo (aliás, todo “ismo” é pecado quando se coloca no lugar de Deus e da sua Lei) tem se alastrado mundo a fora, e a igreja, que caminha na retaguarda, tenta se adaptar em nome da política da boa vizinhança.

Fico estarrecido como o lugar funcional da mulher, segundo o mundo, está contaminando as igrejas, ruindo com a vontade de Deus. Vale lembrar que a família, segundo o Criador, é o microcosmo paradigmático ao mundo, isso mesmo, o lar cristão é o modelo para a igreja em geral e para a sociedade como um todo. Nesse sentido, quero refletir rapidamente sobre o papel da mulher crente na família, igreja e sociedade, Precisamos repensar qual é o modelo de Deus para a mulher nos dias de hoje. Vejamos três itens.
____________________

1. A mulher deve criar os filhos e ser boa dona de casa: Eu sei que a sensação das pessoas que lêem um subtítulo como este é de desconforto e até mesmo indignação. Mas é exatamente isso que Paulo recomenda a Timóteo em seu ensino e pestoreio às mulheres:

Quero, portanto, que as viúvas mais novas se casem, criem filhos, sejam boas donas de casa e não dêem ao adversário ocasião favorável de maledicência.” (1 Tm 5: 14)

Embora a recomendação seja às jovens viúvas, o princípio aplicado é geral. Toda mulher cristã deve saber administrar o lar, conduzindo-o ordeiramente. É uma lástima ver que tantas médicas, engenheiras, advogadas, psicólogas, secretárias executivas etc. são incapazes de cozinhar, passar, proporcionar e manter sua casa limpa e bem cuidada. Tais mulheres descumprem uma ordem clara do Evangelho quanto ao seu papel no lar. Pior quando não dispõem de tempo para cuidar de seus filhos (quanto a este assunto específico veja aqui). Podemos concluir que uma mulher cristã que não é boa dona de casa, é uma esposa/mãe antibíblica.

2. A mulher deve se sujeitar ao marido: Este é outro princípio que foi corroído pelo pecado social. O princípio de autoridade é claro em sua determinação funcional, lembrando que este princípio foi estabelecido pelo modelo da criação (1 Tm 2: 9 – 15). Paulo fala claramente sobre isso a Tito no tocante ao ensino e pastoreio:

Quanto às mulheres idosas, semelhantemente, que sejam sérias em seu proceder, não caluniadoras, não escravizadas a muito vinho; sejam mestras do bem, a fim de instruírem as jovens recém-casadas a amarem ao marido e a seus filhos, a serem sensatas, honestas, boas donas de casa, bondosas, sujeitas ao marido, para que a palavra de Deus não seja difamada.” (Tt 2: 3 – 5)

O motivo da submissão é simples, para que as Escrituras não sejam difamadas. Todavia, é triste assistir à imitação (por parte da igreja e de seus lares) dos modelos sociais que até colocam uma mulher no lugar de maior autoridade da nação (sobre isto leia aqui e aqui). Se alguém duvida desta distorção, basta ver os cargos que as mulheres estão exercendo nas igrejas locais, e não me refiro às “pastoras”, “presbíteras” ou “episcopisas” (vulgarmente chamadas de “bispas”), eu me refiro aos púlpitos e às salas de aulas repletas de varões como alunos que possuem uma mulher à frente. Eu me refiro também ao cargo de presidência das sociedades domésticas e dos ministérios cujo rol inclui o gênero masculino.

São sutilezas amainadas pela contextualização secular. Paulo é enfático neste assunto ao ensinar que qualquer atitude que coloque em cheque a autoridade do homem sobre a mulher, por mais simples ou inofensiva que possa parecer, deve ser radicalmente banida. Ou seja, se em uma cultura, a mulher coloca em jogo a autoridade do marido pelo simples ato de perguntar algo em público na igreja, então ela deve permanecer calada e fazer perguntas somente em casa (1 Co 14: 34, 35; 1 Tm 2: 11 – 15).

É bom lembrar que as solteiras e viúvas devem possuir um homem que exerça autoridade sobre a sua vida. Esse alguém pode ser o pai, o irmão mais velho, o pastor etc.

3. A mulher deve ser recatada em seu traje: Esse assunto é complicadíssimo dentro da igreja. Sempre tenho ensinado ao meu rebanho que a mulher deve ser atraente, mas nunca sensual. O problema é que quanto mais as roupas diminuem de tamanho, comprimindo o corpo, mais a igreja se adapta a isso. É deprimente ver mulheres crentes vulgarizarem o corpo numa calça saint-tropez, numa blusa curta de alcinha, num vestido apertado que marca a roupa íntima ou numa mini-saia que mais revela do que esconde. Quanto a isso temos:

Da mesma sorte, que as mulheres, em traje decente, se ataviem com modéstia e bom senso, não com cabeleira frisada e com ouro, ou pérolas, ou vestuário dispendioso, porém com boas obras (como é próprio às mulheres que professam ser piedosas).” (1 Tm 2: 9, 10)

O que Paulo está dizendo é que nenhuma mulher crente pode se vestir como as vulgares ou prostitutas da sociedade. Isso deve ser um imperativo numa sociedade que sexualiza crianças de até quatro ou cinco anos de idade.
____________________

Será que esses itens supracitados chocam a nossa mente? A impressão que deixam é que são estruturados no radicalismo intransigente e arcaico? Em minha opinião, se alguém que se diz crente pensa assim é porque está longe do padrão da Palavra de Deus. Além do que, a própria sociedade laica deveria seguir este modelo na íntegra por se tratar de um padrão divino a todos.

Muitos cristãos têm se levantado contra as leis que favorecem a união homossexual ou contra a PLC 122/2006 ou outras decisões que escandalizam e golpeiam o coração e a mente do fiel. Tais lutas são legítimas e coerentes com o espírito do Evangelho. Mas eu creio que o problema na igreja é muito mais sutil e muito mais profundo, age como um câncer silencioso e assintomático que corrói a igreja por dentro. E nisto muitos estão em silêncio ou simplesmente estão de acordo.

Reafirmo que a família cristã é o modelo para a igreja que, por sua vez, é o correto modelo para a sociedade. Nós é que deveríamos estar na vanguarda sem abrir mão dos valores divinos. Mas o que percebemos é que as igrejas estão no final da fila tentando se adaptar ao mundo, ao mesmo tempo em que correm lamentavelmente atrás do prejuízo.

Que Deus nos fortaleça em nossas convicções e que a sua misericórdia continue pairando sobre nós.

Sola Scriptura.

70 comentários:

Simone Quaresma disse...

Excelente e oportuno texto! Aproveito para dizer, como mulher cristã e casada que sou, que todas estas diretrizes bíblicas, são proteção para nós mulheres! É maravilhoso que Deus tenha estabelecido esta ordem na família e na Igreja. É um lugar de honra, um lugar privilegiado que nós, mulheres, ocupamos. Este lugar não traz vergonha. Pelo contrário, traz paz, descanso e confiança naquele que ELE mesmo designou para nos conduzir! Louvo a Deus pelo líder que meu marido é, e por todo o investimento que ele fez em mim ao longo de nossos 21 anos de casados, para me ensinar a ser a mulher que a Bíblia exige! Homens assim estão em falta na igreja...Sandra também é uma mulher privilegiada, pois você Alfredo, não apenas ensina a verdade, mas vive esta verdade em sua própria casa! Deus abençoe esta família tão amada!

Ana Carolina disse...

Pr. Alfredo
Num mundo caído e que jaz no maligno há toda sorte de inversões dos princípios bíblicos e, cada vez mais, o cerco se fecha. Vemos na mídia e na sociedade de modo geral uma insistência nojenta (desculpe-me pela palavra, mas realmente é de dar náuseas) da mulher ocupando posições e funções que só não tiram a autoridade devida dos homens e uma completa distorção da estrutura familiar criada por Deus, mas também uma ridicularização dos homens diante de "todo poder", plena capacidade e "inteligência superior" das mulheres.
É lamentável ver a sociedade se enfiando num buraco cada vez mais profundo, e pior ainda, ver as igrejas cristãs que deveriam refletir ao mundo o padrão bíblico, também se venderem por tão pouco.
Texto muito oportuno!
PS.: O senhor inverteu os números na referência que faz no texto em Gálatas 2:38; o correto é Gálatas 3:28.
Abraços

Sexta Igreja disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Ligian disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
cristianismo-relevante disse...

Querido Alfredo

Parabéns pelo texto. Admiro sua escrita, inteligência e fidelidade à Palavra de Deus. Contudo, se permitir, gostaria de observar alguns aspectos:

1) A Mulher deve criar os filhos e ser boa dona de casa: concordo em quase tudo com você, mas me preocupa o fato de você não ter observado que isso não exime os pais de também cuidar. Os homens estão cada vez mais se "encostando" na mulher para tudo. Sei que você não pensa assim, mas vale à pena reforçar isso na mente de alguns "cabeça de vento". Quanto à segunda parte, como fica o texto de 1Pe 3.7 que fala da vida comum no lar? Não é dever do homem também ajudar à mulher nessas tarefas a fim de que ela não fique sobrecarregada? Conheço muitos homens que ficam sentados no sofá assistindo a partida de futebol, enquanto a mulher está passando roupa, fazendo a comida e ainda tem que trocar a fralda do filho. Não é função do homem ao menos trocar a fralda do bebê? Ou,quem sabe, numa situação dessas, saber ao menos colocar a roupa na máquina para lavar?

2) A Mulher deve se sujeitar ao marido: Também concordo com você. CAda vez mais vejo os lares serem dominados pela mulher e isto destrói não apenas os lares, a igreja, mas também a sociedade. Contudo, penso que (1) esta submissão deve ocorrer "no Senhor" (ou seja, enquanto não contraria a Palavra de Deus) e (2) é limitada à liderança ordenada dentro da igreja. Penso que os homens abandonaram a ordem de ensinar e, sobrecarregam as mulheres nisso e perpetuam a onda da mulher assumindo postos que não deveriam ser seus. Mas, Priscila não ensinava juntamente com Áquila? Portanto, creio que a mulher tem respaldo para ensinar, mas não para assumir um ministério ordenado na igreja e, também penso que isto não se estende para fora dos nossos arraiais.

abç

Anônimo disse...

Sou mulher e concordo com o que diz.
Suas palavras finalizam o texto relatando exatamente a forma que vejo as igrejas de hoje. Infelizmente as igrejas tem se moldado ao mundo e o rebanho muitas vezes para nao desagradar ao Líder/Pastor aceita tudo de forma submissa , e até ao contrário, as igrejas para nao perderem seus maiores dizimistas ou para a igreja nao ficar fazia, acaba aceitando tudo de novo vai chegando.

Creio que estamos vivendo o final dos tempos, o mundanismo tem entrado nas igrejas, nos lares, a pervesidade pode ser vista na face das pessoas. as mulheres já nao pensam mais em edificar seu lar, pensam que estamos no seculo xxi e que ser boa mãe/esposa , cuidar da casa dos filhos é coisa de antigamente. A moda é ser bem sucedida no trabalho, competir cargos e salários com os homens, não que eu seja contra a mulher ser bem sucedia profissionalmente, de maneiro alguma , mas penso q isso não pode ser o centro da sua vida.

Que tenhamos de fato a biblia como nossa regra de fé, e que o Senhor aquebrante o nosso coraçao para seus ensinammentos.

Em cristo!

Daniel Subkoff disse...

Pr Alfredo,
estou impressionado com o fato de que até agora não surgiu sequer uma pessoa que contrariasse o seu segundo tópico. Creio que seja extremamente difícil, ainda assim, convencer as mulheres desse papel que realmente, foi estabelecido desde Adão e Eva. Gostaria, contudo, de falar sobre uma pregação muito boa sobre o tema que ouvi há 2 anos. Nela, o pastor nos fez refletir para que compararássemos essa submissão feminina ao amor que o homem tem pela sua mulher, assim como Cristo se entregou pela sua Igreja. Ora, se o homem já ama sua mulher e se esta retribui sendo submissa não haveria razão de haver desproporção do papel do homem sobre a mulher, porque este amando-a vai protegê-la dos desafios a que somos postos diariamente.

Anônimo disse...

Olá, apesar de assinar ao final, posto como anônimo porque não consigo logar.
Tenho um recadinho para as mulheres que lerem esse artigo: considrem, considerem, considerem e reconsiderem!!! Tenho um temperamento chamado "forte" que, na verdade, quer dizer: "Tenho dificuldade em me submeter toda e qualquer autoridade ou ser que queira opinar na minha vida"...rs e tenho experimentado a bênção de ser submissa ao meu marido. querem saber??? É a melhor coisa que podemos fazer!!! Deus é Perfeito (eu sei, pleonasmo!...) e jamais nos deixaria um mandamento para nos tornar infelizes ou frustradas.
Trabalho fora o dia todo, sim, não pense que sou do lar exclusivamente. Não tenho empregada, tenho 2 filhos e as vezes sinto-me exausta com toda essa carga, ms não trocaria nada disso pela obrigação de tomar sozinha as decisões da minha vida, uma vez que Deus me deu meu esposo para que, liderando, me desse este amparo. Estou protegida!!!
Amém, irmão!! Amei o post.
Cristiane Melo

Alfredo de Souza disse...

Querida irmã (duas vezes) Sema.

Obrigado por seu comentário sempre tão relevante.

Abraço e saudades.

Alfredo de Souza disse...

Cara Ana. Obrigado pela correção, já fiz a troca.

Abraço.

Ligian disse...

Alfredo, uma de minhas maiores tristezas como mulher é "assistir" ao enfraquecimento da igreja através do enfraquecimento da liderança masculina. Atribuo isso a tudo o que você escreveu e a falta de observância desses princípios bíblicos por parte das mulheres, mas também atribuo isso ao comodismo masculino. Estou certa de que "a vida comum do lar" é difícil de ser vivida pela maioria dos homens e isso se reflete na igreja (creio que o cuidado em casa e na igreja é um pouco diferente do cuidado no trabalho, por exemplo).

Não tenho nenhuma dificuldade com nada do que você disse e não entendo como as mulheres podem abrir mão daquilo que o próprio Deus providenciou como sendo o melhor (porque tudo o que vem dele é perfeito!). Creio que o aviso e a admoestação são absolutamente oportunos (vou compartilhar em meus perfis nas redes de comunicação). Me esforço para ser uma serva de Deus, que obedece a esses princípios.

Fica a sugestão de um post sobre a omissão masculina na liderança de suas casas e na igreja (que tem diminuído absurdamente).

Só pra ficar claro, um assunto puxou o outro, só por isso a sugestão!

Bj na Sandra!

Ligian.

Alfredo de Souza disse...

Querida Ligian.

Retificado.

Abraço.

Alfredo de Souza disse...

Querido Rev. Laércio.

Quanto à observação número um, concordo plenamente sobre o marido pegar no pesado em casa. Este assunto será tratado, se o Senhor Deus quiser, numa segunda postagem intitulada "Homens Cristãos contra o mundo".

Quanto à observação número dois, a questão está na natureza do ensino dentro da Igreja e não no ato em si. Se esta natureza é de autoridade, logo está proibida às nossas queridas irmãs.

O que eu quis dizer é que o ato em si não é nada, o que conta é o seu significado em nossa cultura. É assim que penso sobre a utilização do véu durante o culto. Em nossa cultura brasileira isso não quer dizer nada, logo, nossas irmãs não são obrigadas a usá-lo. Mas quer ver uma coisa interessante? Não podemos negar que o lugar do púlpito em nossas igreja possui no Brasil o significado de autoridade. O púlpito (suporte para livros e papéis)em si e o lugar que ocupa no salão de culto são nada, mas as representações culturais são relevantes. Nesse caso, é complicado uma de nossas irmãs pregar deste lugar.

Falo isso inclusive como cientista social que sou. A isto chamamos de "descrição densa" e um grande exemplo é dado pelo antropólogo Clifford Geertz sobre a piscadela do olho. Piscar um dos olhos é apenas mover a pálpebra, mas culturalmente uma piscadela pode significar cumplicidade, mentira anunciada, paquera etc. O mesmo ocorre na igreja e era exatamente isso que Paulo afirmava, logo, se o ato de ensinar traz a "descrição densa" da autoridade, logo torna-se um ato proibido.

Grande abraço e continuemos o debate.

Alfredo de Souza disse...

Cara Anônima, obrigado pelo comentário.

Yone Dantas disse...

Também concordo com TUDO que está posto nesse excelente texto! Para mim esse texto serve como uma “luz no fim do túnel”. Essa realidade dentro das igrejas cresce como uma erva daninha, cada vez mais se torna algo “natural”. A mulher trabalhar fora e transferir a responsabilidade de cuidar dos filhos a terceiros está se tornando algo tão comum, que quando outra mulher discorda é tida como antiquada!
As vestimentas das mulheres cristãs se tornam a cada dia mais parecida com a moda das novelas. Não penso que sinônimo de beleza seja roupa sem alça, apertada ou mostrar mais do que se deve. Acho que deve haver recato e reverência (não só na igreja), na vida da mulher cristã. Tenho uma filha de 10 anos, que nas minhas freqüentes lutas para ensiná-la a se vestir (de acordo com uma criança cristã) me pego sem resposta para suas perguntas sobre as roupas das irmãs em Cristo! Sem falar nas coleguinhas de igreja, que sob o consentimento de suas mães usam maquiagem e roupas inapropriadas para idade e para uma serva do Senhor.
Outra coisa que me atentei apenas alguns meses é essa preparação de nossas filhas para serem boas donas de casa, ouço a todo instante as mães falando que levam a filha na natação, no inglês, no reforço para tal matéria e penso e que horas ela ajuda a mãe nas tarefas? Que horas ela faz seu treinamento intensivo (falo assim para minha filha) para ser uma boa dona de casa! Ou agora não precisa mais aprender a limpar a casa, dobrar roupa, cozinhar, etc.
Li recentemente um livro no qual continha um depoimento de uma jovem recém-casada, que não sabia fazer absolutamente nada dentro de uma casa! Ela contava que desde muito pequena foi levada pela mãe para natação, onde começou a competir. Então, todos os dias após suas aulas iniciavam-se um exaustivo treino, diariamente e ela estudava, treinava e competia. Agora ela estava precisando saber cuidar de sua casa e não sabia por onde começar e nem o que fazer!
Precisamos acordar urgentemente para a vida que estamos levando e para onde queremos chegar.

Samuel Vitalino disse...

QUe bom ver a mulherada lendo e concordando com isso. Alfredo, estamos esperando nossa lapada ;)

Alfredo de Souza disse...

Cara Yone.

Seu depoimento, junto aos demais, anima-me em pensar naquilo que o Senhor Deus escreveu ao profeta Elias: "Também conservei em Israel sete mil, todos os joelhos que não se dobraram a Baal, e toda boca que o não beijou."(1 Rs 19: 18)

Alfredo de Souza disse...

Samuca e demais marmanjos, podem colocar as barbas de molho e engrossar o couro das costas (rs rs rs rs).

Rebeca Engelhardt disse...

É muito bom saber que tudo o que Deus idealizou para a mulher é perfeito. Romano 12:2b afirma que "a vontade do Senhor é boa, agradável e perfeita." Estamos diante de um ser que nos planejou, nos conhece (mesmo que digam por aí que ninguém entende as mulheres), e que tem um plano extraordinário para desenvolver na vida daquelas que desejam agradá-lo. Sim, vale a pena pagar o preço para aquilo que Deus tem planejado desde o dia que a mulher foi criada.

Marcos Augusto disse...

Alfredão, quanto à reflexão oportuna,concordo plenamente (aliás, conversamos sobre algumas destas coisas há poucos dias) Tenho apenas três observações à guisa de contribuição:
1. Expresso minha imensa alegria por ver a Carol (Ana Carolina), mesmo tão jovem demonstrando uma visão tão bíblica e madura do papel da mulher. Creio que o varão que casar com ela será muito abençoado. 2. Penso que ser boa dona de casa, não significa apenas saber cozinhar, lavar, passar. Na verdade, é mais que isto. É administrar o lar, conforme Pv 31:15: "É ainda noite, e já se levanta, e dá mantimento à sua casa e a tarefa às suas servas". Ou seja, mesmo quando tem empregada doméstica, a mulher tem a responsabilidade de administrar os serviços do lar. Sei que vc. pensa assim, mas apenas quero reforçar o ponto;
3. Quero fazer coro com a Yone Dantas sobre a educação deficiente às meninas de hoje, mesmo por parte daqueles que concordam com o padrão bíblico. Meninas são abarrotadas de cursos e mais cursos, mas em geral não são ensinadas a realizar tarefas domésticas, nem a cuidar da casa. Se até os meninos devem ser ensinados a ajudar, quanto mais as moças! Penso que precisamos incentivar as mães a ensinar suas filhas estas tarefas, investindo mais tempo nisso e diminuindo o ritmo de vida fora do lar. Não significa que elas não devam se preparar para uma vida profissional (vc. sabe que eu não tenho nada contra e nem poderia), mas que também devem ser ensinadas a serem boas donas de casa, como a Palavra diz. Talvez isto mereça uma postagem à parte.
Um abração

Alan Kleber Rocha disse...

Alfredo,

Excelente texto!

Te devo uma carne-de-sol ;-)

Que Deus te abençoe irmão!

Edeusânia disse...

Muito boa a reflexão Pastor, um tema que sempre nos mulheres temos que estar sempre orando e vigiando, para que nosso coração possa estar sempre voldado para esses preceitos.

que Deus continue abençoando sua vida
abraços

Deusa

Edeusânia disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Alfredo de Souza disse...

Querida Rebeca.

Você tem toda razão, a vontade do Senhor, mesmo contrariando a nossa subjetividade, é perfeita e boa.

Abração em você e no Dênis.

Edeusânia disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Alfredo de Souza disse...

Caro Daniel.

Boa a sua observação e falarei sobre isto na sequência desta postagem.

Marcele Souza disse...

Esse é meu pastor!!! E cunhado lindo também!

Obrigada, Duda, falou profundamente ao meu coração. Como nós nos esquecemos de tantas coisas que Deus nos ensina em sua Palavra.

Obrigada por me lembrar. Deus continue te usando grandiosamente!

Sua cunhada preferida,

XEXA.

Alfredo de Souza disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Alfredo de Souza disse...

Marcão.

De fato aquela conversa em sua casa com Sandra e Hélida foi o que me inspirou a escrever esta postagem.

Obrigado também pela contribuição. E deixa eu aproveitar e fazer o comercial de seu Blog: "Atenção todos, visitem e conheçam o blog , um espaço de qualidade quanto à teologia e ao cotidiano do crente".

Alfredo de Souza disse...

Grande Alan, vou cobrar a dívida quando estiver por aí!

Grande abraço e melhoras.

Paty disse...

Se essa é mesmo a opinião de Deus, prefiro me juntar aos ateus!
Nojo desse post. Vergonha dos seres humanos que vocês são.

Sou cristã e mulher. E jamais precisarei me humilhar por isso. ;)

Boa noite!

Simone Quaresma disse...

Uma coisa que tem martelado a minha cabeça com relação ao papel da mulher: este assunto é tão mal conhecido e compreendido pelos crentes, que às vezes a mulher que é mãe nem trabalha fora, mas nem por isso é aquilo que Deus ordena para sua família. Tenho visto mães que não trabalham, mas que se entregam à preguiça, à televisão, às compras e as crianças ficam largadas, perambulando pela casa sem instrução, sem correção e sem ensino! Nosso chamado é para um trabalho árduo, repetitivo, cansativo, diário...
Gostei demais do comentário da Yone! Sabe que estes dias precisei comprar um vestido para minha filha de 13 anos, e foi uma luta! Todas as roupas que se vende para meninas da idade dela são sensuais, curtas, coladas, tomara-que(não)-caia...uma tristeza. Também concordo com ela quando ela fala sobre o treinamento que devemos dar às nossas filhas! Elas precisam aprender conosco a ser boas donas de casa, caprichosas,atentas ao próximo, braço direito do marido e mais: precisam amar estas tarefas, sabendo que antes de tudo as fazem para o Senhor!
Xexinha...que saudade!!!!!!!!!!!!!!!!

Samuel Vitalino disse...

Paty,
Seria bom que argumentasse biblicamente. Deus é o Deus da Bíblia.

Esse Deus não tem opinião, pois a Sua Palavra é a verdade. Aliás, esse é um dos aspectos da submissão que envolve a todos nós, e não apenas as mulheres.

Se há, no post do Alfredo, algo em que possamos nem todos ir tão longe, não há como dizer que as suas colocações não são atuais e bíblicas.

Espero que não tenha nojo nem vergonha de nós, mas que embase seu ponto de vista, sabendo que todos nós estamos dispostos a nos dobrar à Escritura.

Obrigado pela sua visita e participação.

Alfredo de Souza disse...

Sema, sua colocação é muito pertinente, você tocou num ponto importante onde a vocação do trabalho no lar se apresenta como uma disposição da mulher.

Boa contribuição, como sempre.

Alfredo de Souza disse...

Paty.

Entendo perfeitamente a sua indignação, mas não posso negar que seu coração está cheio do presente século.

Veja bem, não é fácil ser uma mulher segundo a Lei de Deus, assim como não é fácil manter a virgindade até o casamento, não é fácil pagar todos os impostos, não é fácil dizer somente a verdade, não é fácil servir ao próximo, não é fácil andar a segunda milha ou dar a outra face, não é fácil criar os filho sob a disciplina do Senhor, não é fácil perdoar os que nos ferem, não é fácil abandonar a maledicência, não é fácil... não é fácil...

Também não é fácil falar sobre todo o conselho de Deus, principalmente porque abalroa a cultura deste século. Mas a Lei de Deus é perfeita, restaura a alma e ilumina os olhos.

Talvez você entenda, após ler a minha postagem, o que significa negar-se a si mesma e carregar a cruz diariamente.

Atenciosamente, volte sempre.

Marcos Augusto disse...

Paty, tenho algumas perguntas e peço que honestamente as responda, senão para mim, pelo menos para si mesma:
1. Você tem nojo do apóstolo Paulo quando lê: "Da mesma sorte, que as mulheres, em TRAJE DECENTE, se ataviem com modéstia e bom senso, não com cabeleira frisada e com ouro, ou pérolas, ou vestuário dispendioso, porém com boas obras (como é próprio às mulheres que professam ser piedosas). 11 A mulher aprenda em silêncio, COM TODA A SUBMISSÃO. 12 E não permito que a mulher ensine, NEM EXERÇA AUTORIDADE DE HOMEM; esteja, porém, em silêncio. 13 Porque, primeiro, foi formado Adão, depois, Eva. 14 E Adão não foi iludido, mas a mulher, sendo enganada, caiu em transgressão. 15 Todavia, será preservada através de sua missão de mãe, se ela permanecer em fé, e amor, e santificação, com bom senso." (1 Tm 2.9-15)?
2. Você tem nojo de Paulo quando ele ordena, pelo Espírito de Deus:
"Quero, portanto, que as viúvas mais novas se casem, criem filhos, SEJAM BOAS DONAS DE CASA e não dêem ao adversário ocasião favorável de maledicência." (1 Tm 5.14)?
3. Você tem vergonha do ser humano que era o apóstolo Pedro quando ele recomenda: "Mulheres, SEDE vós, igualmente, SUBMISSAS a vosso próprio marido, para que, se ele ainda não obedece à palavra, seja ganho, SEM PALAVRA alguma, por meio do procedimento de sua esposa, 2 ao observar o vosso honesto comportamento cheio de temor"?

Marcos Augusto disse...

Continuando, querida Paty, se sua resposta às perguntas anteriores foi positiva, então, penso que deve avaliar seu cristianismo. Deus te abençoe!

Yone Dantas disse...

Paty.
Por muito tempo tive uma opinião diferente do que a que tenho hoje, principalmente no aspecto da submissão ao esposo e ao papel da mulher segundo a bíblia!
Não compreendia e não aceitava essa verdade em minha vida, pensava que isso era coisa para as mulheres de antigamente, para mulheres da época em que a bíblia havia sido escrita. Passei muitos anos tentando me enganar e adequar à palavra de Deus (que é imutável) para se adequar ao meu padrão. Mas com o tempo Deus foi trabalhando e quebrando meu coração diariamente.
Deus age de maneira maravilhosa em nossas vidas e mesmo com o coração tão endurecido como demonstra o seu, sei que um dia se for da vontade Dele, você também se renderá às Suas verdades! Por mais que tentamos “adequar” a palavra de Deus em nossas vidas, mais percebemos como ela é maravilhosa, completa e suficiente.
Na verdade o que você vê como humilhação, nada mais é do que o cuidado que o Senhor tem por nós.

Querida Simone já decidi procurar uma costureira para confeccionar roupas adequadas para mim e minha filha. Desde que ela ficou crescidinha, tenho muita dificuldade em encontrar roupas adequadas para idade dela e para nosso padrão, que TEM que ser diferente do padrão do mundo.
Que Deus nos abençoe e continue nos fortalecendo em sua palavra, que é fiel e justa para toda e qualquer época!

Anônimo disse...

Mais uma vez amei tudo que falou.
Estou lendo um livro e estou gostando muito que se chama "Esposa Excelente". Temos que primeiramente amar nosso Deus e com isso obedecê-lo querendo ou não. Como esse livro diz: " A esposa se submete ao marido, para que o plano de Deus para a família seja realizado." Como isso é maravilhoso. Temos que nos orgulhar em fazermos a vontade de Deus, sabendo que estamos colaborando para que a vontade de Deus se cumpra. O papel da mulher eu considero muito mais importante pois estamos em casa criando nossos filhos para serem servos obedientes a Deus. Como é lindo isso!!!
Sou formada em Pedagogia e professora. Quem disse que não podemos estudar e termos uma faculdade, mais para colocarmos em prática dentro de casa.
Quem é contra a PALAVRA DE DEUS, me desculpa é porque não deve entender a Bíblia e não quer obedecer a Deus. Creio que devem estar "perdendo seu tempo". Temos que fazer tudo com amor, pois estamos fazendo não pra agradar os outros e sim a Deus. Abandonando nossos filhos em casa com outras pessoas, como eles devem se sentir? Será como nós sentiríamos se Deus nos abandonasse?
Que Deus continue abençoando vc Pastor Alfredo e outros pastores tementes a Deus.
Luciana

Alfredo de Souza disse...

Querida Luciana, seu comentário traz alegria ao nosso coração. Vale também ressaltar que a responsabilidade masculina é mais penosa que a da mulher.

Também esta área está vivendo uma negligência triste. Por isso pretendo, se o Senhor Deus quiser, escrever sobre a responsabilidade masculina e demonstrar como a influência do mundo leva muitos homens a pecarem contra Deus, a esposa e os filhos.

Grande abraço.

Anônimo disse...

Nosso amigo pastor
Quando disse sobre o papel da mulher é mais importante, não é desmerecendo o do homem. Coloco isso para aquelas mulheres que acham que sair de casa vale mais a pena do que estar junto dos nossos filhos. Pois temos obrigação a ser cumprida dentro de nossas casas. Uma ordenação dada por Deus. Lógico que o papel do homem é fundamental, pois tb é dado por Deus. Tudo que vem do nosso Senhor, é maravilhoso. Fico muito indiguinada com mulheres que fogem de suas responsabilidades e vice-versa.
A Bíblia está aí para ser lida e entendida e principalmente vivida. Louvo a Deus pelo pastor que colocou em nossos caminhos, pois temos aprendido e estamos sendo cobrados para vivermos vidas santas. Creio que essas pessoas não devem ter pastores para orientá-las.
Super beijo.

Alfredo de Souza disse...

Querida Anônima.

Como você bem disse: "A Bíblia está aí para ser lida e entendida e principalmente vivida".

Obrigado pelo comentário.

Ana Carolina disse...

Querida Yone
Como eu disse à irmã Simone Quaresma na ocasião de outro artigo deste blog, digo a vc agora: como fico feliz ao "encontrar" mulheres (e homens tbm) em que Deus tem lapidado um coração verdadeiramente disposto a viver conforme o querer perfeito dEle! Com exemplos como o de vcs, vejo cada dia mais que é possível e maravilhoso buscar viver para a glória de Deus... faz toda a diferença!

Paty
Assim como a Yone, também pensava totalmente diferente de como penso hoje. E como louvo a Deus por ver que Ele tem transformado o meu coração e o meu viver dia após dia para o agrado dEle mesmo... e o meu por consequência. Como você se diz cristã, se for da vontade de Deus, Ele ainda trabalhará muito no seu coração também. Rogo ao Senhor que você tenha líderes espirituais, família, amigos e até desconhecidos (como nós, na oportunidade deste blog) que possam lhe auxiliar para ter uma vida realmente temente a Deus, o que é uma tarefa árdua, porém recompensadora, mais que qualquer coisa neste mundo.
Sugiro que procure um pastor reformado, fiel às Escrituras e que faça Aconselhamento Bíblico. Será de VITAL importância você pedir ajuda para quebrar a dureza do seu coração e entender as verdades bíblicas aplicando-as à sua vida. Caso queira, me disponho a ajudá-la por email ou, quem sabe, nem estejamos tão longe geograficamente. Desde quando li seu comentário, tenho orado por vc, mas caso queira, gostaria de lhe ajudar conversando também. Se quiser minha ajuda, só mande um "sim" pelos comentários deste artigo, que envio o meu contato. Que Deus lhe abençoe!

Morena Flor disse...

Concordo com Paty no q tange ao texto em si: Uma vergonha!

Gente, quando é q o machismo disfarçado de ensinamento cristão vai permear as igrejas?

JESUS não corrobora com nada disso, em NENHUM dos evangelhos nos quais está descrita a Sua Vida, Obra e Ensinamentos.

Imagino do pq a igreja usa justamente PAULO e os demais apóstolos e homens da bíblia para justificar tal posição de subserviência feminina na família e na igreja(E veja q não vi neste texto UMA referência na qual o próprio CRISTO corrobore com tal tese de subserviência feminina. Pq será?). Tentar passar q mulher ainda deve estar "calada" na igreja é um dos cúmulos do absurdo, assim como praticamente desmerecer o trabalho da mulher fora do lar, em nome de uma "família-nos-moldes-bíblicos".

Acordem, existem milhares de maneiras de uma mulher ser mãe, boa dona de casa, esposa e trabalhar, ganhar o dela, pra ajudar no orçamento doméstico.(e para alegrar os admiradores da submissão feminina, digo-lhes q é possível sim a mulher ser tudo isso aí e ainda sim ser "submissa" ao marido). E falo com conhecimento de causa, minha mãe q o diga(e ela ficaria com uma revolta elevada à enésima potência se lesse isso tudo aqui - assim como eu fiquei).


Enfim, o papel da mulher deve ser enxergado e analisado, SEM JULGAMENTOS, como aliás Jesus preconizou q fizéssemos com relação às outras pessoas: Não julgar e não condenar(ainda mais com paradigmas tão subjetivos qto os do tal do "papel da mulher").

Como cristã e mulher q sou, repudio este tipo de atitude, de usar a letra da bíblia para legitimar um tipo de subserviência(a feminina, no caso) q não deve existir em um lugar em q se pressupõe passar adiante os Ensinamentos do Mestre Jesus.

Alfredo de Souza disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Alfredo de Souza disse...

Morena Flor.

Tenho quatro perguntas:

1) Não sei se entendi, mas você faz diferença entre o que o Senhor Jesus disse e o que Paulo afirmou? Ou seja, este está em desacordo com aquele? Se a resposta for positiva, então qual é o critério para canonicidade?

2) Você acha que os filhos devem sempre obedecer os pais? E os pais, devem disciplinar os filhos? Se a resposta for sim, então por que esta afirmação de Paulo deve ser seguida, mas o assunto sobre a mulher não?

3) Por que o Senhor Jesus não escolheu mulheres para o ministério apostólico?

4) Se a submissão da mulher ao homem em Paulo é um equivoco, logo, significa dizer que o marido não tem o dever de amar a sua esposa e por ela se entregar, certo?

Aguardo resposta.

Grande abraço.

Ana Carolina disse...

Morena Flor

Sou mulher e cristã como você e sei o quanto essas afirmações paulinas doem na nossa carne... opa, falando em carne: "E os que são de Cristo crucificaram a carne com as suas paixões e concupiscências." Gl 5:24; "Porque, se viverdes segundo a carne, morrereis; mas, se pelo Espírito mortificardes as obras do corpo, vivereis." Rm 8:13; e todo cap. 2 de Efésios. Desculpe-me por citar apenas escritos de Paulo, mas na Bíblia em que creio, eles constam, assim como os Evangelhos.
O pastor Alfredo, assim como tantos que comungam da mesma fé nos registros bíblicos, não afirmou que APENAS as mulheres que não trabalham, poderão ser boas esposas e mães. Mas, pensemos de maneira lógica: o tempo é moeda cada vez mais escassa nessa loucura em que vivemos... e vivemos dias maus. Dedicamos maior e melhor tempo ao que definirmos como prioridade. Eu trabalho fora desde os meus 16 anos (tenho quase 29) e estou grávida da minha 1ªfilha. Hoje trabalho numa ótima empresa e tenho um bom salário, mas o meu esposo e eu já decidimos: vou parar de trabalhar em breve para dedicar mais e melhor tempo à educação da nossa filha, do próximo que pretendemos ter e do nosso lar. Essa foi a nossa escolha com a certeza de que assim nossa família servirá melhor a Cristo. Faça a sua, mas, assim como sugeri à Paty, em amor, sugiro a você também. Procure fazer Aconselhamento Bíblico com um pastor fiel à Escritura (a toda ela! não somente o que nos convir). E tbm ofereço minha ajuda. É extremamente importante você procurar tratar a amargura do coração, possíveis dificuldades e aceitar a toda a Palavra de Deus como ela é: vida e libertação!
Que Deus te abençoe!

Samuel Vitalino disse...

Ana Carolina,

Suas palavras me emocionaram.

Ana Carolina disse...

Oi Rev. Samuel
Pena que parece ainda não ter alcançado quem gostaríamos... mas, o importante é que seja a Deus toda a glória!
Estamos com grande expectativa para recebe-lo em nossa igreja neste final de semana para falar sobre "Uma história de resgate: uma visão Cristocêntrica da família no livro de Rute"!
Espero que faça uma excelente viagem e que seja mais uma vez usado como instrumento nas mãos do Redentor... desta vez, aqui, pessoalmente! : )
Abraços

Yone Dantas disse...

Morena flor,

Só para esclarecimento quanto ao papel da mulher, a palavra de Deus é clara que a mulher é auxiliadora do homem, em Gênesis 2:18, isto fica claro. Para mim auxiliadora é uma função tão importante quanto à função principal, apenas não tenho o dever, a obrigação, que é do líder e o auxiliar está lá prestando suporte!
Saiba que o que a Ana Carolina está se propondo a fazer (deixar o emprego para se dedicar ao lar e aos filhos) é algo que está acontecendo em todo o mundo, e até mesmo no Brasil, e não só com mulheres cristãs. Mulheres que possuem elevado nível de instrução e carreiras ditas “brilhantes” estão abandonando seus postos de trabalho para se dedicar a família e viver intensamente a maternidade! As mulheres modernas estão percebendo que pagam um preço muito alto saindo de casa e deixando seus filhos nas mãos de terceiros. Até cego vê que a ausência materna está destruindo a sociedade. O papel principal da mulher é sim cuidar de seus filhos e de sua casa. Mesmo que relutemos para assumirmos outro papel (mulher com carreira brilhante, filhos terceirizados e tornando-se mãe e esposa ausente), a palavra de Deus é clara quanto ao nosso papel no lar! (Oriento a Morena Flor e a Paty lerem “Bela aos olhos de Deus” de Elizabeth George, ela apresenta a mulher descrita em provérbios 31 e nos mostra como é possível viver de maneira santa e agradável ao nosso Senhor)
Mesmo que o cônjuge concorde que a mulher trabalhe fora, se tem filhos pequenos deve-se priorizá-los, visto que os primeiros anos são fundamentais para sua formação.
No meu caso tenho três filhos em idades diferentes: 10 anos, 7 anos e 2 anos. Penso que quando a mais nova estiver em idade escolar (6 anos), voltarei ao mercado de trabalho no horário em que eles estiverem na escola. Nesse caso não vejo problema, como você colocou (Morena Flor), é possível a mulher ser boa esposa, boa mãe, boa dona de casa e também trabalhar para ajudar no orçamento! O que nós mulheres cristãs não podemos é negar nosso papel, negar que temos que ser submissas aos nossos maridos, negar que toda a palavra é a vontade perfeita de Deus para nossas vidas e negar que podemos cumprir com o que foi estabelecido antes mesmo que nós existíssemos!

Anônimo disse...

Prezados servos do Senhor, que têm aproveitado a oportunidade para nos instruir em questões práticas da vida cristã,

É uma grande verdade que nos dias em que vivemos o que se ensina às jovens que serão futuras esposas e mães não é o que a Palavra do Senhor o diz, mas somos instruídas a tirar vantagem de nossos esposos, fazer prevalecer a nossa vontade, jamais ceder, impor-nos, etc... mas felizmente a Escritura existe para que a instrução não se perca e então creio que sempre há tempo para revermos nossa conduta e nos arrependermos dos nossos erros.

Agora, existe um ponto a que se tem deixado muito a desejar, e confesso que em minha carreira cristã ainda não ouvi algum estudo ou mesmo um texto verdadeiramente cristão referente aos relacionamentos entre nora/genro e sogra/sogro e sobre como deve se posicionar o filho/filha diante dos conflitos que podem existir. Tudo o que ouço são as histórias negativas, e isso passa a fazer mais sentido quando passamos pelo mesmo. A história relatada na Bíblia, sobre Noemi e Rute, não enfatiza a relação entre a nora e a sogra exatamente, mas o modo como o Senhor usou aquele contexto para salvar a Seu povo. Deixo então aqui a minha sugestão.

Saudações em Cristo.

Morena Flor disse...

Gente, desculpe a demora em responder, estou bastante atarefada, fim de semestre, é "aquela coisa"...

Pr. Alfredo,

Respondendo suas 4 perguntas:

"1) Não sei se entendi, mas você faz diferença entre o que o Senhor Jesus disse e o que Paulo afirmou"?

Sim. Não é raro q atitudes e ensinos de Paulo entrem em franco choque com o q Cristo pregou. É só dar uma lida nos 4 evangelhos e especialmente em certas epístolas paulinas para constatar isso.

"Ou seja, este está em desacordo com aquele"?

Em muitos casos, sim.

"Se a resposta for positiva, então qual é o critério para canonicidade"?

Não falo aqui de "canonicidade" ou não, pontuo q certas coisas q Paulo prega pouco ou nada tem a ver com o q Cristo fala(e isso não ocorre apenas com Paulo não, em outras partes da bíblia, isso tb ocorre).

Enfim, é uma constatação.

"2) Você acha que os filhos devem sempre obedecer os pais? E os pais, devem disciplinar os filhos? Se a resposta for sim, então por que esta afirmação de Paulo deve ser seguida, mas o assunto sobre a mulher não"?

Simples: Filhos são gerados dos pais, estes necessitam de amor, afeto, orientação, disciplina, cuidado, etc, são seres em formação, são mais inexperientes, etc. Mulher é um ser tão adulto qto um homem, com a mesma capacidade de cognição, a mesma capacidade intelectual, de entendimento e de ação. Significa q existem coisas nas quais a mulher deve tomar o leme, por ter mais conhecimento, e em outras, o marido o faz, por ter mais conhecimento, e assim, as coisas se equilibram. Portanto, não faz sentido algum(salvo pelo mau e velho patriarcalismo q infere q mulheres são seres inferiores e, como tal, devem ser dominada pelos homens) que a mulher deva ser a submissa e o homem deve ser o manda-chuva da casa, nem tampouco
q a mulher deva sempre ser o ser "comandado" da casa.

"3) Por que o Senhor Jesus não escolheu mulheres para o ministério apostólico"?

O fato de Jesus não ter "apóstolas" entre os 12(apóstolo significa seguidor, mais ainda, testemunha ocular, fora q Jesus não tinha APENAS 12 apóstolos, tinha vários, os 12 eram os principais) não significa que ele corrobore com
o machismo ou com o domínio da mulher pelo homem. As atitudes de Cristo em nada corroboram com essa "ordenança" da submissão feminina, nem em seus ensinamentos se observa tal coisa. Se Jesus só escolhesse mulheres, não significaria, ainda sim, q ele pregasse submissão masculina à mulher. Não existe relação "causa-efeito" entre o sexo de seus apóstolos com o dever da submissão feminina. Me parece ser mais um "cacoete" do machismo q se implantou na igreja e lá ficou, por conveniência, não por amor a Cristo.

"4) Se a submissão da mulher ao homem em Paulo é um equivoco, logo, significa dizer que o marido não tem o dever de amar a sua esposa e por ela se entregar, certo"?

Não. Amor NÃO se barganha com submissão. Amor se troca por amor, CRISTO ensinou q devemos amar uns aos outros, e isso obviamente inclui q os cônjuges devem se amar e dar afeto um ao outro, pq isso tb é fazer o bem e amar ao próximo como a si mesmo - e amar a Deus, pois o outro, o cônjuge, é criação de Deus e imagem e semelhança dEle.

Morena Flor disse...

"Sou mulher e cristã como você e sei o quanto essas afirmações paulinas doem na nossa carne..."

Claro q vai doer, quem é q gosta de ser dominado por outro simplesmente por nascer com o sexo diferente?Pq é isso q é submissão, não essa versão adocicada q vejo pregando nos púlpitos das igrejas.

"opa, falando em carne: "E os que são de Cristo crucificaram a carne com as suas paixões e concupiscências." Gl 5:24; "Porque, se viverdes segundo a carne, morrereis; mas, se pelo Espírito mortificardes as obras do corpo, vivereis." Rm 8:13; e todo cap. 2 de Efésios".

Er... Então o desejo de muitos homens de mandar nas suas esposas só pq são homens tb deve ser subjugado, pq tb é "paixão da carne". A diferença é q a doutrina costuma privilegiar a posição masculina - e isso em tudo o q é religião, não apenas na cristã.


"Desculpe-me por citar apenas escritos de Paulo",

Não precisa se desculpar, pra mim, é perfeitamente compreensível.

"mas na Bíblia em que creio, eles constam, assim como os Evangelhos".

Pois é, né... Mas em assuntos familiares, Paulo é sempre o mais privilegiado - enquanto q os ensinos de Cristo - os q estão nos evangelhos - quase nunca são citados(e falo com conhecimento de causa viu, nasci em lar cristão, sou cristã "desde criancinha", com 27 anos de vida nas costas - posso dizer q é o mesmo tempo q tenho de cristã, hehehe). SEMPRE. Pq será? É o q eu pergunto.

"O pastor Alfredo, assim como tantos que comungam da mesma fé nos registros bíblicos, não afirmou que APENAS as mulheres que não trabalham, poderão ser boas esposas e mães".

Mas é o q acabou passando, infelizmente. O q JESUS diria de tudo isso? Jesus trataria dessa maneira - e com ESTAS palavras - as mulheres q trabalham, dão o maior "duro" para ajudar a trazer o pão de cada dia e q, em muitos casos, ainda contam com a incompreensão do próprio marido e ainda por cima da igreja??? Mais uma indagação q faço.

"Mas, pensemos de maneira lógica: o tempo é moeda cada vez mais escassa nessa loucura em que vivemos... e vivemos dias maus. Dedicamos maior e melhor tempo ao que definirmos como prioridade".

Pois é, e trabalhar fora não quer dizer q NÃO se tenha a família como uma prioridade. Uma coisa nada tem a ver com a outra.

"Eu trabalho fora desde os meus 16 anos (tenho quase 29) e estou grávida da minha 1ªfilha. Hoje trabalho numa ótima empresa e tenho um bom salário, mas o meu esposo e eu já decidimos: vou parar de trabalhar em breve para dedicar mais e melhor tempo à educação da nossa filha, do próximo que pretendemos ter e do nosso lar".

1. Parabéns pela gravidez, de coração. Seja feliz.

2. Boa sorte e q Deus abençoe sua família.

3. Uma observação: Parar de trabalhar para criar os filhos deve ser uma decisão unicamente pessoal, se vc escolheu fazer assim, ótimo. Só pontuo q uma mãe q para de trabalhar para cuidar da cria, de forma alguma é melhor do q aquela q continua trabalhando para ter o seu próprio ganho e ajudar no orçamento da casa. Existem várias formas de fazer tais escolhas, opções tem de montão. O q vai fazer a diferença, com certeza, é o amor e a educação, q podem estar presentes tanto com a mulher em casa ou fora dela.

Morena Flor disse...

Aliás, me pergunto(pra variar) pq é q apenas nós mulheres temos q discutir isso, pq os homens não são instados a sentirem aquela "coceirinha" de consciência de ter mais tempo para os filhos, de estar com eles, de ter uma presença mais marcante e atuante em sua educação - mesmo sem abrir mão do trabalho fora de casa! - dentre outras coisas - e isso é mais uma distorção, advinda do entendimento de q lar é responsabilidade de mulher, q mulher é q deve, se possível, largar tudo o q estiver fazendo para ter e cuidar de filhos, e só ela, dentre outros pensamentos de mesma natureza.


"Faça a sua, mas, assim como sugeri à Paty, em amor, sugiro a você também. Procure fazer Aconselhamento Bíblico com um pastor fiel à Escritura (a toda ela! não somente o que nos convir)".

1. Não pretendo procurar aconselhamento, não nesta área - já conheço a resposta q vão me dar, é a mesma q já conheço há anos.

2. Convenhamos, seguir o q convém é o q mais ocorre em determinados assuntos, com a família é a mesma coisa - e nem digo q é certo ou errado(embora em certas coisas, isso não chega sequer a ser bom).

Sabemos separar o q vem da lei e o q vem da graça, por ex. Não convém a nós seguir a lei, antes, como cristãos, devemos seguir a Graça de Deus(embora muitas vezes a igreja se imiscua em legalismos).

3. Já fiz a minha escolha, desde muito tempo atrás, bem como com a questão casamento, e como vc compartilhou comigo a sua, compartilho tb a minha: Não deixarei de ajudar no meu lar, nem de ter meu próprio sustento por conta da maternidade, e sei q isso não me tornará uma esposa e mãe pior do q as outras q fazem o contrário(e tenho exemplos numerosos o suficiente para sustentar meu pensamento). Tb não me casarei com homem q exija submissão de mim, pq o q tenho a oferecer ao homem q escolher é amor, não submissão ou subserviência.

"E tbm ofereço minha ajuda".

Muito obrigada. ;)

"É extremamente importante você procurar tratar a amargura do coração"

Não, não sou amargurada com homens ou coisa parecida. Meu problema não é com eles ou o sexo masculino, graças a Deus(muito pelo contrário, hehehe tb quero "pescar" o meu xD). Não,não é isso.

Meu problema é com o machismo embalado no cristianismo - e de colocar doutrinas e ditames de dominação do homem à mulher(costumes de uma época, q fique bem entendido) como vontade de Deus - e como ensinamento de Cristo, coisa q Ele nunca preconizou em Seus Ensinamentos).

"possíveis dificuldades e aceitar a toda a Palavra de Deus como ela é: vida e libertação"!

1. Nem tudo o q está na bíblia é vida e libertação. Na bíblia, tem tudo o q é coisa, boa(a qual devemos seguir o exemplo) e ruim(para q não sigamos exemplo)

2. Existe a bíblia, e existe tb as Santas Palavras de Cristo, e entendo q elas é q devem ser meu norte como cristã(cristão = seguidor de Cristo - ou pelo menos, é o q deve ser) e o q elas mostram nada tem a ver com muito do q é pregado por aí. Sujeitar a mulher ao homem apenas por ser mulher não é o q Cristo prega, portanto, não tenho a menor obrigação de seguir tal coisa. O q devo fazer é o q Cristo corrobora: Me unir ao meu marido, ao homem q eu amo e ser com ele uma só carne.


"Que Deus te abençoe"!

A vc tb, minha irmã, e aquele abraço baiano!

;)

Morena Flor disse...

"Só para esclarecimento quanto ao papel da mulher, a palavra de Deus é clara que a mulher é auxiliadora do homem, em Gênesis 2:18, isto fica claro. Para mim auxiliadora é uma função tão importante quanto à função principal, apenas não tenho o dever, a obrigação, que é do líder e o auxiliar está lá prestando suporte"!

1. Auxiliadora é uma coisa, submissa é outra. Ajudar, auxiliar, é uma coisa, estar submissa e debaixo do jugo do marido é outra, totalmente diferente. Se submeter é se colocar debaixo das ordens de outra pessoa, é assim em todos os lugares, e não é na família q o significado desta palavrinha vai mudar. com o auxiliar e ajudar, a mesma coisa.

"Saiba que o que a Ana Carolina está se propondo a fazer (deixar o emprego para se dedicar ao lar e aos filhos) é algo que está acontecendo em todo o mundo, e até mesmo no Brasil, e não só com mulheres cristãs. Mulheres que possuem elevado nível de instrução e carreiras ditas “brilhantes” estão abandonando seus postos de trabalho para se dedicar a família e viver intensamente a maternidade"!

1. O fato de muitas terem decidido assim não quer dizer q seja bom ou ruim. Escolha é escolha, cada um sabe de si.

2. Viver intensamente a maternidade não significa "largar tudo pelos filhos". Ser mãe é muito mais do q isso, é prover amor, carinho, educação, disciplina, dar exemplo(q é uma das, senão A, principal forma de educação), dar boa criação, etc, e isso se consegue quer estando dentro de casa ou também trabalhando fora. É isso q quero q seja bem entendido aqui.

"As mulheres modernas estão percebendo que pagam um preço muito alto saindo de casa e deixando seus filhos nas mãos de terceiros".

1. Ahhhhh, e os homens? Percebem isto? Ou acham q cuidar de filho é coisa de mulher e ponto final?

2. E qto a entregar os filhos "na mão de terceiros", tenho algumas considerações:

2.1. Entendo e compreendo q deixar o filho com outras pessoas possa trazer preocupação para mães e pais q tenham zelo e cuidado com sua prole. Só q por vezes, é necessário, e para isso, é preciso procurar pessoas adequadas e mesmo conhecidas para olhar pelo filho enquanto o pai ou a mãe trabalhem ou tenham q resolver alguma coisa.

2.2. O filho, mais cedo ou mais tarde terá q ser entregue "na mão de terceiros' e isso é um fato: É escola, curso de línguas, a própria igreja, aquela aula de ballet, de música, de teatro, de artes, de esportes, etc, e isso é inescapável. Os pais devem dar a base para q o filho possa lidar com a vida fora de casa - e como sobreviver neste mundo em q vivemos.

"Até cego vê que a ausência materna está destruindo a sociedade".

Mas continua a cegueira qto à ausência PATERNA dentro do lar e da vida dos filhos, q desencadeia muitos transtornos psicológicos na vida deles tb... Até quanto tal cegueira continuará?? E a igreja com isso? Quando parará de colocar os filhos nas costas das mulheres cristãs e chamará os homens "no eixo", para a responsabilidade que lhes cabe com relação aos filhos? Pois é, né...

Morena Flor disse...

"O papel principal da mulher é sim cuidar de seus filhos e de sua casa".

Assim como o é para o homem. Ora, qdo é na hora de fazer os filhos, os homens aceitam com alegria(e não é pra menos!). Então q aceitem com a mesma alegria "a parte que lhes cabe neste latifúndio", este grande latifúndio q é a doação de afeto, amor, educação, criação, disciplina, etc aos filhos.

"Mesmo que relutemos para assumirmos outro papel (mulher com carreira brilhante, filhos terceirizados e tornando-se mãe e esposa ausente)",

Vc comete aqui um erro seríssimo: Imputou a pecha de "mães ausentes-com-filhos-terceirizados" a mulheres q querem ter seu lugar ao sol e trabalham fora. Muito cuidado com isto, pq existem boas mães q trabalham fora e donas de casa q educam seus filhos super-mal(assim como vice-versa). Não dá pra generalizar ou mesmo rotular. A vida humana é complexa demais para isso.

"a palavra de Deus é clara quanto ao nosso papel no lar"!

Pois é... E Jesus NUNCA julgaria mulher q trabalha dessa forma tão bruta.

Fora q Paulo orienta a Timóteo q diga às mulheres para serem boas donas de casa, não APENAS donas de casa - bem, ele trabalhou com uma vendedora de púrpura(Lidia de Tiatira), q ganhava a sua "bufunfa" de cada dia, e não deu um PIO sobre o trabalho dela, portanto...

Morena Flor disse...

"(Oriento a Morena Flor e a Paty lerem “Bela aos olhos de Deus” de Elizabeth George, ela apresenta a mulher descrita em provérbios 31 e nos mostra como é possível viver de maneira santa e agradável ao nosso Senhor")

Vou dar uma olhadinha no livro, pode deixar. Depois, eu volto e comento.

"Mesmo que o cônjuge concorde que a mulher trabalhe fora, se tem filhos pequenos deve-se priorizá-los, visto que os primeiros anos são fundamentais para sua formação".

Claro, assim somo ELE, o cônjuge(q espero q no meu caso, não só goste de fazer, mas como tb de cuidar da prole) deve fazê-lo. Urge a necessidade de chamar os homens para a responsabilidade q, como disse antes, tb cabe a eles, não apenas a nós mulheres.

"No meu caso tenho três filhos em idades diferentes: 10 anos, 7 anos e 2 anos. Penso que quando a mais nova estiver em idade escolar (6 anos), voltarei ao mercado de trabalho no horário em que eles estiverem na escola. Nesse caso não vejo problema, como você colocou (Morena Flor), é possível a mulher ser boa esposa, boa mãe, boa dona de casa e também trabalhar para ajudar no orçamento"!

1. Pronto, agora vc já está começando a entender meu raciocínio. Q bom! ;)

2. Como disse antes, cada um(a) tem a sua forma de viver este tipo de situação, é encontrar a forma com a qual se sente melhor, e seguir em frente.

"O que nós mulheres cristãs não podemos é negar nosso papel, negar que temos que ser submissas aos nossos maridos, negar que toda a palavra é a vontade perfeita de Deus para nossas vidas e negar que podemos cumprir com o que foi estabelecido antes mesmo que nós existíssemos"!

1. Meu papel não é o de submissão. É o de amar, q é o q Cristo prega. Esse papel de "submissa", de estar debaixo de homem eu o renego, pois sei q não foi Cristo q me deu, nem tampouco Deus. Assim como recusarei todo e qualquer pedido de casamento de homem q achar q deve mandar e tomar conta de minha vida, exigindo submissão. O único ao qual sou submissa a este ponto é a Jesus Cristo, ninguém mais.

2. A vontade boa, perfeita e agradável de Deus é o q Cristo prega. De novo, Cristo não preconiza q mulher deva ser submissa a marido, antes, preconiza q o marido e a mulher devem ser uma só carne.

;)

Milton Jr. disse...

Caríssima Morena Flor,

Estou acompanhando o debate bem de perto (até porque eu sou um dos responsáveis pela aprovação dos comentários) e tenho me preocupado com algumas questões. Gostaria, então, se me permite, de fazer duas perguntas:

1. O que é a Bíblia para você?
2. Qual é o seu conceito de inspiração das Escrituras?

A razão das perguntas é porque vejo em você 2 problemas básicos. O primeiro é que condena o machismo, mas tem um discurso feminista.

Para mim, tanto o discurso machista quanto o feminista são expressões de rebelião contra Deus, mas para chegar nesta afirmação parto do princípio de que a Palavra de Deus é inerrante e, aqui está o seu segundo e mais grave problema: o conceito que tem sobre a Bíblia.

Sei que você não crê na inerrância da Bíblia e a maior prova disso é fazer distinção entre o ensino de Jesus e o de Paulo. Aqui, como disse, está o maior dos problemas e uma armadilha que não sei se você percebeu.

Tenho ouvido muitas pessoas argumentarem da mesma forma, dizendo que o que Jesus falou é mais importante do que aquilo que os apóstolos escreveram, porém, não temos uma linha sequer escrita pelo Senhor Jesus. O que temos são discursos atribuídos a ele, mas que são escritos pelos evangelistas. Portanto, não seria o caso de crer no que Jesus falou “em oposição” ao que falou Paulo, mas no que os evangelistas escreveram “em oposição” a Paulo.

Percebe o problema? Você poderia alegar aqui que alguns dos evangelistas andaram com Jesus, enquanto Paulo não andou, mas eu também perguntaria: Como você sabe que andaram com Jesus? A resposta é óbvia, eles mesmos alegam isso em seus escritos. Se é assim, temos a mesma alegação em Paulo que diz: “Faço-vos, porém, saber, irmãos, que o evangelho por mim anunciado não é segundo o homem, porque não o recebi, nem o aprendi de homem algum, mas mediante revelação de Jesus Cristo” (Gl 1.11-12).

Volto a afirmar que o seu problema básico é o que entende ser a Bíblia. Você aceita aquilo que está em acordo com o seu pensamento e rejeita aquilo que entende não estar correto. Agostinho disse certa vez que “se, no Evangelho, você crê no que quer e rejeita o que não quer, não crê no Evangelho, mas em si mesmo”.

Se continuar com o pensamento de que o Senhor Jesus disse coisas opostas ao que disse Paulo, terá então um grande problema a resolver. Terá de provar que Jesus, de fato, disse o que os evangelistas afirmam que ele disse.

Como creio que o Senhor é o autor primário das Escrituras sendo os escritores apenas instrumentos para registrarem a sua vontade de forma infalível, não tenho esse problema. Creio que as palavras atribuídas a Cristo pelos evangelistas foram mesmo proferidas por ele e creio que as palavras proferidas por Paulo foram também aprendidas de Cristo.

Sendo assim, acato e aceito todo o desígnio de Deus revelado na Palavra, incluindo o ensino de que mesmo sendo homem e mulher formados à imagem e semelhança de Deus e serem herdeiros da mesma promessa foi-lhes concedido papéis diferentes, como é fácil perceber desde o livro de Gênesis. Não discorrerei sobre isso, pois os argumentos, tanto do post quando nos comentários são abundantes.

Desculpe o longo comentário.

Em Cristo,

Milton Jr.

Ligian disse...

Ando meio cansada... Estive pensando sobre o motivo disso e concluí que não aguento mais essas espectativas que o mundo coloca sobre as mulheres. As feministas me cansam, me sobrecarregam e me entristecem.
Não bastasse todas as minhas tarefas e lutas como mãe, esposa, serva de Deus, agora tenho que lutar por posição, por espaço e etc?! Até mesmo por uma igualdade (que, na verdade, não deve ser buscada, já que não há desigualdade).
Queridos, Deus é mesmo maravilhoso!
Vejo na submissão da mulher um cuidado especial de Deus sobre nós, usando como instrumentos nosso marido.
Por essa razão, as solteiras devem buscar um servo de Deus comprometido com sua Palavra para se casarem, afinal, se for assim, não terão nenhum tipo de pressão sobre elas e poderão desenvolver todos os papéis (e são muitos!) colocados em sua vida (e são tão importantes, não?!). Ser mãe presente e zelosa, que instrui o filho em todo o tempo, ser esposa presente que cuida do marido e, mais do que todas essas coisas, ser uma serva de Deus que crê em sua Palavra e a obedece por amor e, também, ser feliz na certeza de que as promessas do Senhor para aqueles que buscam fazer a sua vontade, são certas.
Para terminar, uma das frases que li no comentário da "Morena Flor" me chamou atenção:
"Amor se troca por amor"
Glória a Deus porque ele não nos trata assim, não?!
Um dos ensinos da Palavra sobre o cuidado do marido em relação à sua mulher é o seguinte: "Maridos, amai vossa mulher, como também Cristo amou a igreja e a si mesmo se entregou por ela" (Efésios 5.25).
O amor de Cristo não é baseado na reciprocidade. É um amor incondicional e sacrificial e a bíblia nos diz que é a maneira como o marido deve amar sua mulher e cuidar dela. A parte engraçada é que a pessoa que escreveu isso foi Paulo! Será que isso também se deve jogar fora ou jogamos fora apenas aquilo que convém...
Fora essas considerações, assino sob o que Milton Jr escreveu e todas os meus irmãos em Cristo acima!
Grande abraço!

Ana Carolina disse...

Os comentários do Rev. Milton e da Ligian em resposta à Morena Flor me são mais do que satisfatórios... mas, eu creio na inerrância das Escrituras, não por algum pretenso mérito próprio, mas tão somente pela graça e dom de Deus.
Morena Flor, de verdade, fico tão triste ao ver pessoas como vc que estão com os corações tomados por valores baratos e enganosos deste mundo, e no seu caso, como já citado, é o feminismo. Infelizmente, devido à queda, é natural que nossos corações estejam completamente contaminados pelo pecado, mas o que doi é que vc se denomina cristã.
Espero que você entenda que todos estes comentários dirigidos a você são por fidelidade e amor a Deus e por preocupação em vê-la SIM com a vida e libertação que TODA a Bíblia nos traz.
"Enganoso é o coração, mais do que todas as coisas, e perverso; quem o conhecerá?" Jr. 17.9

Yone Dantas disse...

Morena Flor

Nosso “diálogo” é extremamente inoportuno, visto que você demonstra não crer na bíblia como única e TOTAL regra de fé e prática! Outro inconveniente é que você (pelo que eu entendi) ainda não vivência a vida conjugal, logo você apenas imagina como será. A vida conjugal com a qual você almeja, pode até existir, mas não é o que a palavra de Deus mostra ser o correto para um casal cristão. Na teoria pensamos fazer uma coisa, mas na prática vemos a necessidade de obedecer à perfeita vontade de Deus. Sua resistência à palavra de Deus é fruto de imaturidade. No tempo Dele você entenderá todas essas coisas que agora lhe parecem loucuras.
Também já pensei como você! Mas ao contrário do que você mesma diz: “nasci em lar cristão, sou cristã "desde criancinha", com 27 anos de vida nas costas - posso dizer q é o mesmo tempo q tenho de cristã,...” . Não nasci num lar cristão e também ainda não tenho 27 anos de vida cristã. Sou ainda uma criança em questão de fé e desejo desesperadamente crescer mais e mais. Desejo ser uma serva fiel ao meu Deus e obedecer sua santa e eterna palavra. E para isso o Senhor me fez ver que eu estava errada, como você também está! É duro, mas é a verdade! O caminho pelo qual seu coração deseja seguir, não é o caminho que leva ao Senhor.
Quanto à questão de o homem ter que ajudar na criação dos filhos, você está certíssima. É isso mesmo, o homem tem o dever de ensinar, disciplinar e ser um bom exemplo para os filhos e também os outros membros do corpo de Cristo. E nos (mulheres) temos a função de auxiliar nessa educação e admoestação, como também servirmos de bom exemplo para os nossos filhos, como também nossas irmãs em Cristo.
Pelo menos aqui no meu lar, meu esposo (pela graça de Deus) é um pai participativo. Sempre me ajudou na educação dos meninos, se esforça para suprir nossas necessidades, ficou com eles para que eu pudesse concluir um curso superior, me apóia em decisões que glorificam a Deus (como deixar temporariamente de trabalhar para cuidar dos pequenos).
Mas todas essas coisas eu só pude vivenciar a partir do momento em que passei a confiar em Deus e querer obedecê-Lo fielmente. E ser submissa foi o primeiro item que fui requisitada. Para mim era uma barreira impossível de ser derrubada, mas Deus em seu imenso amor nos capacita a viver da maneira que Ele determinou.
Aconselho que você procure o Senhor em oração e peça entendimento para entender a palavra e querer viver a palavra. Não basta conhecer tem que praticar! E não é fácil, é muito difícil submeter-se ao que o Senhor determina, é difícil ser submissa ao marido, é difícil ser boa dona de casa, é difícil criar filhos, é difícil ser diferente, é difícil abrir mão de conforto, de ter uma carreira, mas não é impossível! Não podemos pensar só nesta vida, tem algo muito maior, muito melhor que me aguarda. Penso na vida eterna, penso em tudo que Deus fez por mim e por você. E aí fica mais fácil, abrir mão do que eu quero para fazer o que Deus me chamou a fazer.
Tudo que você colocou em seus comentários não passam de opiniões baseadas no que o mundo prega, não na palavra de Deus. Nós cristãos temos que urgentemente começar a influenciar esse mundo, e não nos deixarmos influenciar por ele.
Minha amiga Morena Flor, Cristo nos ensina ao longo de nossa vida, sempre estamos aprendendo. Precisamos estar atentas para aquilo que o Senhor espera de nós.

Fique na santa e maravilhosa paz do Senhor!

Anônimo disse...

Sim, mas os maridos devem amar suas esposas, assim como Cristo amou a sua igreja, e deu a vida por ela.

“Maridos, amai vossas esposas como também Cristo amou sua Igreja, e a si mesmo se entregou por ela, para que a santificasse, tendo-a purificado por meio da lavagem de água pela palavra, para apresentar a si mesmo Igreja Gloriosa, sem mácula, nem ruga, nem coisa semelhante, porém santa e sem defeito." ( Efésios 5:25-33)

Assim também os maridos devem amar as suas como a seus próprios corpos.

Ana Carolina disse...

"Anônimo", você está correto... nem poderia ser diferente, pois vc está citando as Escrituras!
Neste mesmo Blog, há também textos sobre o papel e os deveres dos homens cristãos. Se vc ainda não teve a oportunidade de ler, vai a dica... são tão edificantes quanto este! Abs

Anônimo disse...

Se levarmos a interpretação que a postagem apresenta, então a mulher não poderia ser professora universitária, diretora de empresa ou instituição pública, coordenadora ou supervisora de algum setor ou departamento, reitora de universidade, vereadora, deputada, senadora, prefeita, governadora ou presidente da república. Todas estas funções implicam, em diversos graus, atitudes de comando e autoridade sobre diversas pessoas.
Ao que parece, após leitura atenta das passagens citadas ou outras correlacionadas, a questão da submissão se restringe à relação conjugal e ao lar. Do mesmo modo, o fato das mulheres não exercerem autoridade sobre homens está vinculado ao espaço da igreja.
Extrapolar estas concepções para outros setores da vida social parece uma visão pessoal do autor, refletindo sua ideologia conservadora. Compartilhada por parte dos leitores e critiada por outros. De qualquer forma, não se é menos cristão por não compartilhar deste arrazoado.
Gostemos ou não, existe na Bíblia certa influência do contesto sociocultural do período em que estes textos foram elaborados (ou inspirados , conforme acreditam os religiosos). Portanto. o papel subalterno que as mulheres possuíam no Oriente Médio reflete-se nas Escrituras.
Se não é adotada uma leitura literal das Escrituras, pode-se depurar o texto destes elementos culturais, atendo-se ao que é essencial. Como acontece em várias denominações cristãs. Desse modo, vários mal-entendidos sobre o papel do homem e da mulher na sociedade contemporânea poderiam ser esclarecidos.
Quando se pretende um leitura literal e inquestionável, aí o diálogo fica mais difícil.

Zemial

Myka disse...

Esse foi o texto mais misógino que tive o desprazer de ler.

Sou mulher e não sou cristã, portanto NÃO TENHO A OBRIGAÇÃO de seguir as leis de sua religião. As regras para mulheres cristão não devem se aplicar a sociedade pelo fato de: A SOCIEDADE NÃO É 100% CRISTÃ.

Sinto pena de mulheres que leram esse texto e acreditaram nesse preconceito sem tamanho. MULHER, VOCÊ NÃO TEM A OBRIGAÇÃO DE SE SENTIR MENOS DO QUE UM HOMEM.

É por esses motivos e mais que eu deixei de acreditar nesse deus machista, mimado e fantasioso.

Se libertem desse deus ridículo!

Ana Carolina disse...

Myka,
Enquanto você tem pena das mulheres que creêm e buscam viver estas VERDADES (dentre elas, estou eu, pela graça de Deus!), eu sinto pena de você...
"E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará." João 8:32

Alfredo de Souza disse...

Myca, diante de seu comentário, minha oração é que você seja alcançada pela salvação em Cristo. Salvação esta que vem, não de um deus machista, mimado e fantasioso, mas do Senhor Deus Criador e Sustentador de todas as coisas e que é misericordioso e cheio de graça.

Alfredo de Souza disse...

Caro Anônimo, recomendo a leitura do texto "O homem cristão contra o mundo" neste mesmo blog. Também creio que algumas indagações poderiam ser respondidas em outro artigo abaixo citado:

Anônimo disse...

Graça e paz a todos! Pesquisando na internet dei de encontro a este blog interessante. Deixo aqui o meu testemunho de que sou casado e tenho um filho de 3 anos. Quando casado sem filhos minha esposa trabalhava, porém, entramos em um acordo que biblicamente e sabiamente deveria pedir demissão do emprego ao chegar nosso amado filho Daniel. Uma das bênçãos que Deus nos deu por tomarmos esta atitude foi a de que a empresa que minha esposa trabalhava era difícil de fazer acordo e demitir o funcionário que queria sair por conta própria, porém, demitiram e deram uma boa grana, pois tinha 10 anos na empresa. Foi com esta grana que demos as chaves do nosso abençoado apartamento. Pois bem, ao nascer o Daniel veio a segunda parte do acordo, quando o nosso filho tiver 3 anos dela retornar ao mercado de trabalho, já que sou servidor federal e tenho um horário flexível, podendo ficar a manhã inteirinha com ele antes de levá-lo para a escola (tomamos banho juntos, oramos juntos, almoçamos juntos, brincamos juntos, cuido dele, abraço muito, beijo muito e repreendo-o quando necessário, etc) e da minha esposa pegá-lo as 18h (a mãe faz o mesmo. Ou seja, hoje, minha esposa trabalha fora novamente, é super diligente dentro de casa, tem por volta de 4 horas diárias com Daniel e eu por volta de 6h de tempo acordados com ele. Portanto me curti pela manhã e à noite a mãe e mais um pouquinho a mim se não dormir cedo! Conseguimos equacionar desta forma e por enquanto está dando certo! Ajudo na louça, na arrumação do quarto do Daniel, entre outras coisinhas. E Deus honrou nossa decisão de ter vivido um pouco mais apertado financeiramente, para nestes primeiros anos de vida a mãe está mais próxima do filho para dar o que nenhum lugar pode dar igual a em casa, AMOR, AMOR, ATENÇÃO, ATENÇÃO, CARINHO, CARINHO, mas que nem por isso deixamos de comprar nosso imóvel e ter uma vida digna! Porém, pudemos fazer isso por eu ter um salário razoável, classe média baixa, já não sei se fóssemos classe C, D ou E se daria para fazer isto! É para refletir... Deus os abençoe! Claudio/RJ

Anônimo disse...

Graça e paz a todos! Pesquisando na internet dei de encontro a este blog interessante. Deixo aqui o meu testemunho de que sou casado e tenho um filho de 3 anos. Quando casado sem filhos minha esposa trabalhava, porém, entramos em um acordo que biblicamente e sabiamente deveria pedir demissão do emprego ao chegar nosso amado filho Daniel. Uma das bênçãos que Deus nos deu por tomarmos esta atitude foi a de que a empresa que minha esposa trabalhava era difícil de fazer acordo e demitir o funcionário que queria sair por conta própria, porém, demitiram e deram uma boa grana, pois tinha 10 anos na empresa. Foi com esta grana que demos as chaves do nosso abençoado apartamento. Pois bem, ao nascer o Daniel veio a segunda parte do acordo, quando o nosso filho tiver 3 anos dela retornar ao mercado de trabalho, já que sou servidor federal e tenho um horário flexível, podendo ficar a manhã inteirinha com ele antes de levá-lo para a escola (tomamos banho juntos, oramos juntos, almoçamos juntos, brincamos juntos, cuido dele, abraço muito, beijo muito e repreendo-o quando necessário, etc) e da minha esposa pegá-lo as 18h (a mãe faz o mesmo. Ou seja, hoje, minha esposa trabalha fora novamente, é super diligente dentro de casa, tem por volta de 4 horas diárias com Daniel e eu por volta de 6h de tempo acordados com ele. Portanto me curti pela manhã e à noite a mãe e mais um pouquinho a mim se não dormir cedo! Conseguimos equacionar desta forma e por enquanto está dando certo! Ajudo na louça, na arrumação do quarto do Daniel, entre outras coisinhas. E Deus honrou nossa decisão de ter vivido um pouco mais apertado financeiramente, para nestes primeiros anos de vida a mãe está mais próxima do filho para dar o que nenhum lugar pode dar igual a em casa, AMOR, AMOR, ATENÇÃO, ATENÇÃO, CARINHO, CARINHO, CUIDADO, CUIDADO, mas que nem por isso deixamos de comprar nosso imóvel e ter uma vida digna! Porém, pudemos fazer isso por eu ter um salário razoável, classe média baixa, já não sei se fóssemos classe C, D ou E se daria para fazer isto! É para refletir... Deus os abençoe! Claudio/RJ